O transporte coletivo no Recife e os vendedores autônomos

terça-feira, 1 de maio de 2012

Quando os ônibus se aproximam da parada na frente da sede recifense dos Correios, na Avenida Guararapes, Centro, a agitação já começa dentro e fora dos coletivos. Passageiros e vendedores se apressam para trocar moedas por pipoca e água através das janelas. Os famosos “passatempos da viagem”, como as mercadorias são chamadas, alimentam também uma vertente do comércio informal na capital pernambucana.
Foto: Amanda Miranda

Gracenildo José dos Santos, 18 anos, e o pai, Luciano Graciano, 45, correm entre carros, ônibus, motos e outros veículos carregando caixas cheias de pipocas e copos com água, os produtos mais vendidos. O preço é R$ 0,50, e os lucro pode chegar a R$ 0,23 por unidade. Da multiplicação desses centavos, saem os aproximados R$ 25 diários que garantem o sustento da recém-formada família do jovem que aprendeu com o pai a improvisar o “ganha-pão”.

“Eu acho que eles estão aqui porque, hoje em dia, não tem emprego. Aliás, até tem emprego, o que falta é qualificação”, diz a comerciária Carla Silva, 38, no momento em que compra uma água a Marcílio Cândido, 24, que só estudou até a quarta série. Ele é conhecido como Moreno entre os motoristas e cobradores.

Marcílio relata que, como Gracenildo e Luciano, lucra cerca de R$ 25 por dia, resultando em aproximadamente R$ 650 mensais. “Varia muito. Em alguns dias, consigo até R$ 40, mas também tiro R$ 20 em outros mais fracos. Em dias de chuva, tudo muda também porque só posso vender guarda-chuvas na calçada dos Correios, que é coberta". Ele conta que costuma trabalhar mais de doze horas - “Geralmente, chego às 7h e só paro de vender às 20h.”

"Com os lucros, dá para comprar o básico para casa. Nenhum dos meus quatro filhos passa fome, mas ao mesmo tempo não podem ter o luxo de roupas novas sempre. É uma questão de organização, que todo trabalhador deve ter", diz Luciano. Já na casa de Marcílio, as contas parecem ser mais simples. "Minha esposa trabalha. Não sei quanto ela ganha, mas ajuda fazendo feira, comprando roupas para as crianças... Agora a meta é fazer a festa de aniversário de Sara (a filha, de 3 anos). Acabei também de tirar (comprar no crediário) uma televisão. Não temos crédito, mas a patroa da minha mulher sempre ajuda colocando as prestações no nome dela, como fez quando comprei um rádio".

Segundo o professor de Economia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Tarcísio Patrício, não há estudos que estabeleçam uma média da renda dos comerciantes informais. "Alguns chegam a ganhar dois, três salários mínimos, mas a maioria do grupo que entrevistei para escrever o meu livro, Semáforos do Recife (pela Fundação Joaquim Nabuco), está em condições de aparente miséria. Encontrei duas categorias de trabalhadores informais que conseguem faturar mais: os que comandam outros, fornecendo os produtos, e os que conseguem um bom ponto de venda".

Os comerciantes da Avenida Guararapes compram as mercadorias em um depósito que fica nas proximidades do local de venda. Da mesma forma que os entrevistados pelo professor, muitas vezes, o fornecimento é em consignação. "Quando não tenho dinheiro para pegar as pipocas, vou lá e eles me vendem de qualquer forma. À noite, pago", garante Luciano.

TRANSPORTE - De acordo com o Grande Recife Consórcio de Transportes, o comércio informal é proibido dentro dos veículos e nos terminais. A fiscalização para que os vendedores não entrem nos coletivos está sob responsabilidade das operadoras, que podem ser multadas ou perder o direito de transportar passageiros se a infração for flagrada. Segundo Luciano, que já comercializou as suas mercadorias dentro dos ônibus, na verdade, o fato de os veículos estarem sempre cheios o fez desistir. "Eu acabava machucando as pessoas no empurra-empurra".

Já nos terminais, o Consórcio deve vistoriar. Este ano, segundo o Grande Recife, os trabalhadores foram retirados do terminal de Afogados, na Zona Oeste; em 2011, foi no Barro, também Zona Oeste, e em Joana Bezerra, área central.  "Os ônibus demoram muito. Então, passamos muito tempo aqui, no calor, esperando, e acabamos procurando alguma forma de nos refrescar e distrair, ou seja, a água e a pipoca. Acho que, se o transporte chegasse mais rápido, não haveria tantos vendedores porque não haveria tantos clientes", aponta Mirtis Santos, 43.

Quando o comércio é feito nas ruas, segundo o Consórcio, as prefeituras devem coibir a prática. "É melhor que eles estejam vendendo o 'passatempo da viagem', como chamam, que roubando ou cometendo outros crimes. O problema é quando não respeitam o trânsito, deixando todos em risco, ou são agressivos", diz Ivone Ferreira, 38, enquanto come uma pipoca que acabou de comprar.

Fonte: NE 10

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960