Em Salvador, Rodoviários param os ônibus intermunicipais

terça-feira, 3 de maio de 2011

Os rodoviários pararam o transporte intermunicipal na Estação Rodoviária de Salvado nesta terça, 3. A categoria só liberou os ônibus a partir de 10h. As paralisações também atingiram, hoje, empresas que fazem o transporte interestadual na Rodoviária de Salvador. Além da capital baiana, os rodoviários de Itabuna, Feira de Santana, Ilha de Itaparica, Alagoinhas, Juazeiro, Senhor do Bonfim, Santo Amaro, Cachoeira e São Felipe também aderiram ao movimento.
De acordo com o assessor para assuntos sindicais do Sindicato das Empresas de Transporte Geral (Steps), Jorge Castro, a manifestação dos servidores é ilegal. “Nós fizemos seis reuniões. Na quinta-feira passada, dia 28, assinamos uma ata que previa novas reuniões para os dias 5, 10 e 12 de maio para discutir as cláusulas que ainda faltam. O sindicato fez uma paralisação irresponsável. Não há impasse porque o ajuste ainda não foi discutido”, afirmou.
O tesoureiro do Sindicato dos Rodoviários, Hélio Ferreira, contesta a declaração de Castro e a considera como um “jogo das empresas”. Segundo Ferreira, o patronato “teve 30 dias para negociar e não apresentou propostas”. Manoel Machado, presidente do sindicato da categoria, afirma que os rodoviários pedem 18% de reajuste salarial, além de benefícios.

Já os trabalhadores dos transportes intermunicipal e interestadual cobram também do governo do Estado maior fiscalização do transporte clandestino. Para a categoria, a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicação da Bahia (Agerba) não fiscaliza o transporte irregular. Com o aumento da concorrência, as empresas reduzem o número de veículos em circulação e, consequentemente, também a quantidade de trabalhadores.

Os rodoviários não devem fazer novas paralisações nesta terça-feira. No entanto, segundo Manoel Machado, novas manifestações irão acontecer na quinta ou na sexta-feira. “Não podemos dizer onde serão, porque as empresas tentam coibir. Mas iremos fazer novas paralisações”, garantiu.

Ontem, 21 empresas de transporte urbano e metropolitano foram paradas por quatro horas. A paralisação prejudicou os usuários que dependiam do transporte coletivo para ir para o trabalho ou outros compromissos. Já a manifestação desta terça pode atrapalhar cerca de 2,5 mil pessoas, com base em estimativa da Agerba. Em Salvador, 540 linhas partem diariamente da Rodoviária.

A categoria pede reajuste do índice da inflação mais 10%. Já os empresários argumentam que ainda não é possível apresentar um percentual já que o índice de inflação ainda não foi definido.

População – Para a terapeuta ocupacional Ana Carmem Silva, de 29 anos, a informação fornecida ontem na rodoviária foi de que não haveria paralisação. “Acordei cedo, estou aqui desde as 6h. Precisava chegar para trabalhar 9h em Serrinha, mas como os ônibus só saem a partir das 10h, vou chegar muito atrasada”, disse.

Já a vendedora Sandra Tereza da Silva, de 34 anos, que seguia para Sergipe esta manhã, mostrou-se indignada com a paralisação e a classificou como “falta de respeito com a população”. Surpreendida, ela disse que não sabia da paralisação. “Disseram que só iam parar o intermunicipal, mas parou interestadual. Não tenho nada a ver com isso. Quando o ônibus tentou sair, rodoviários ameaçaram murchar os pneus e jogar pedras”, reclamou.

Sobre a possível tentativa de vandalismo, o tesoureiro Hélio Ferreira disse desconhecer o fato. “Desconheço qualquer tipo de agressão ou ameaça de vandalismo por parte dos rodoviários. Pode ter sido algum representante das empresas para desmoralizar a categoria”, disse.

Confusão – Um princípio de tumulto foi registrado quando um ônibus da Secretaria de Educação do Estado, que trazia professores do extremo sul da Bahia, tentou entrar na rodoviária, mas foi impedido. Logo depois, outros veículos conseguiram passar, o que causou revolta por parte dos passageiros, que impediram a saída de outros ônibus. “Não querem deixar a gente passar. Se não liberar, a gente não libera os outros”, disse o professor Osvaldiney Dias. Após intervenção da polícia, o acesso foi liberado.


READ MORE - Em Salvador, Rodoviários param os ônibus intermunicipais

Brasil deve pensar trem bala para outros trechos além de Rio e São Paulo

O Projeto de Lei aprovado pelo Congresso, em abril último, que autorizou a criação da Empresa de Transporte Ferroviário de Alta Velocidade, Etav, e dispõe sobre a autorização para garantia do financiamento do Trem de Alta Velocidade (TAV) entre Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas, é visto de forma positiva pelo professor do Programa de Engenharia de Transporte da COPPE-UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Hostílio Xaiver Ratton Neto.

“O Brasil precisa pensar seu futuro e decidir estrategicamente as opções para um mundo no qual a mobilidade das pessoas será maior e no qual a energia será um condicionante crucial para todas as atividades humanas. No Brasil, a matriz energética dos deslocamentos motorizados de pessoas é de mais de 95%, assegurada por modos de transporte que queimam combustível fóssil: automóveis, motocicletas, ônibus, barcos e aviões”.

Para ele, começar por esse trecho se deve a um retorno maior do investimento inicial, porque o custo da primeira vez que se faz algo novo é sempre maior do que o das vezes seguintes. Depois estende para todo o País: São Paulo a Belo Horizonte, São Paulo a Goiânia, Goiânia a Brasília, Rio a Belo Horizonte, Belo Horizonte a Brasília, São Paulo a Curitiba, acredita o especialista em Engenharia de Transportes.

Ele não concorda com os críticos do projeto que se limitam a enxergar, e mal, o projeto em licitação no trecho Rio-São Paulo-Campinas. “Batem na superestimação da demanda e que os recursos seriam mais bem aplicados em outros empreendimentos, como aumentar a capacidade do metrô de São Paulo, que nos horários de pico fica mais do que superlotado, e de outras cidades”.

Neto observa que a escolha da aplicação de recursos públicos é o dilema do tomador de decisão: qual alternativa escolher face à escassez de recursos?  Ele responde que não há falta de recurso, lembrando dos recordes anuais de arrecadação de impostos. É preciso saber o volume de recursos, argumenta, para depois se falar em projetos excludentes.

“Não acho que se deva tirar dinheiro do trem bala para ampliar metrôs ou construir escolas e hospitais, mas sim dos gastos que os poderes Legislativo e Judiciário têm com a própria gestão, se assegurando altos salários, benefícios adicionais e reajustes muito acima dos níveis que têm as outras atividades econômicas. A questão é se estabelecer critérios razoáveis de prioridades na alocação dos recursos públicos”.



READ MORE - Brasil deve pensar trem bala para outros trechos além de Rio e São Paulo

Em Belém, CTBel deve propor que reajuste da tarifa de ônibus seja menor

O aumento ou não da tarifa da passagem de ônibus deve ser definido nos próximos dias pelo Conselho Municipal de Transportes. Durante a reunião que acontecerá nesta sexta-feira, a Companhia de Transportes do Município de Belém (CTBel) apresentará ao Conselho uma nova planilha baseada em cálculos feitos pela própria companhia.

Apesar de não se manifestar sobre o posicionamento da CTBel, a superintendente da companhia, Ellen Margareth, afirmou que os cálculos realizados por eles não apresentaram o mesmo resultado do aumento pedido pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belém (Setrans-Bel). “Existe uma planilha apresentada pelo Setrans-Bel e existem os cálculos realizados pela CTBel, mas os dois não são iguais”, disse.

Ainda assim, uma fonte do Conselho informou que uma proposta de reajuste será apresentada pela CTBel durante a reunião, na qual será previsto um reajuste menor do que o solicitado pelo Setrans-Bel.

ESTUDO

Segundo a superintendente, durante a reunião, ainda será apresentado um estudo sobre a qualidade do transporte na capital paraense. Segundo ela, a qualidade dos veículos que fazem o transporte público melhorou. “Hoje estamos com uma frota em Belém que tem uma média de vida útil de 4,5 a 5 anos”, afirma. “Antes, estávamos com uma frota entre oito e 10 anos, então houve uma melhora das frotas”.

Ellen afirma ainda que alguns ônibus estão se adequando à nova pintura estabelecida pela companhia, assim como a uniformização dos rodoviários e os cursos de qualificação. “Está melhorando a qualidade do veículo. O que falta é a qualificação dos motoristas. Recebemos muitas reclamações pela maneira como eles se comportam no trânsito”.

São essas informações, apresentadas no estudo que, segundo ela, serão levadas em consideração pelo Conselho na hora de decidir se o valor das passagens irá aumentar ou não. “O estudo está pronto e será avaliado para se decidir se vai ter aumento e de quanto”.

Apesar da constatação da CTBel de melhora na qualidade do transporte, os usuários do serviço mantêm uma opinião diferente. “Os ônibus não apresentam uma qualidade que justifique o aumento. A qualidade é uma exigência mínima para se aumentar a passagem”, afirma o gerente de UTI, Ângelo da Silva.

Rodoviários mantêm greve a partir de 5ª
Os usuários de transporte público dos municípios de Ananindeua e Marituba terão que enfrentar uma frota reduzida de ônibus a partir da próxima quinta-feira, quando os rodoviários dos municípios darão início à greve anunciada desde a semana passada.

Diante da rejeição dos reajustes exigidos, o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Ananindeua e Marituba (Sintram) decidiu pela paralisação do serviço a partir de 0h do dia 5 de maio.

Durante as últimas semanas, o sindicato estava negociando as propostas com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belém (Setrans-Bel), porém, as principais exigências não foram aceitas. “O que queremos é o reajuste salarial de 12%, o aumento do vale alimentação para

R$ 350, a inclusão de um plano de saúde e o adicional de insalubridade para os rodoviários”, aponta o diretor financeiro do Sintram, Reginaldo Cordeiro.

Segundo ele, apesar da paralisação, os rodoviários obedecerão ao percentual mínimo de circulação exigido em casos de greve por se tratar de um serviço essen-

cial. “Vamos manter o percentual de 30% a 40% da frota exigido pelo Ministério do Trabalho”.

Ainda segundo Reginaldo, os trabalhadores também são contra o aumento da passagem de ônibus. “O lucro deles dá pra cobrir o aumento do salário sem ter que aumentar o preço da passagem”. A reportagem não conseguiu falar com nenhum diretor do Setrans-Bel.
Fonte: Diário do Pará

Share |
READ MORE - Em Belém, CTBel deve propor que reajuste da tarifa de ônibus seja menor

Em São Paulo, Alunos da USP ganham rapidez com metrô, mas perdem no ônibus

Inaugurada em março, a Estação Butantã da Linha 4-Amarela do metrô da cidade de São Paulo deu uma "força" para os estudantes da USP no trajeto até a universidade – fica a cerca de 1 km de uma das entradas do câmpus. O problema é o trajeto de ônibus que complementa o percurso: com a espera e o trânsito, o passageiro perde nesse último trecho o tempo que ganhou no metrô.
Para quem é usuário da Ponte Orca, transporte gratuito de micro-ônibus da Estação Vila Madalena do Metrô até a Estação Cidade Universitária da CPTM, o calvário se repete nas filas quilométricas e nas vans sempre lotadas, muitas vezes com mais passageiros que o permitido. Os horários de pico da manhã e do fim de tarde são os piores. 

"Demorando, né?", comenta o estudante de ciências da computação Marcel Kania, de 30 anos, na fila do ônibus circular que leva até a USP. A economia de tempo que Kania fez nos 15 minutos que levou, mesmo com duas baldeações, da Estação Paraíso, zona sul, até a Butantã, zona oeste, foi perdida no meio da espera de mais 20 minutos pelo ônibus. Elisa Mendes, de 21 anos, também universitária, dá seu jeito quando o ônibus demora ou vai muito cheio para a USP. "Vou a pé. Em vez de ficar meia hora esperando pelo ônibus, mais 30 minutos presa no trânsito, é melhor investir esse tempo em caminhada", diz.

No terminal de ônibus anexo à Estação Butantã, o circular é atualmente a única opção para os estudantes irem da Avenida Vital Brasil (onde fica o metrô) até a USP. Ocioso, o terminal recebe, além dessa, apenas mais uma linha de ônibus, a Metrô Butantã/Estação da Luz, que não passa pela universidade.

Questionada, a SPTrans afirmou que "outras linhas poderão partir ou chegar no terminal, mas ainda não estão definidas". A companhia, que faz a gestão do sistema de transporte da cidade, disse ainda que o ônibus circular para a USP opera "com intervalo médio de 12 minutos" e que, durante o período de testes da Estação Butantã, técnicos estão monitorando o fluxo de usuários que pegam a integração metrô-ônibus para "verificar a demanda e a necessidade de possíveis ajustes de intervalos e horários de atendimento".

Por enquanto, a morosidade faz a alegria dos taxistas que trabalham na Rua MMDC, ao lado do terminal. "Muita gente não tem paciência de esperar o ônibus, olha para o lado e vê logo o ponto de táxi. Acaba sendo uma opção mais rápida", conta o taxista Carlos Roberto Palermo, de 59 anos. "O movimento aqui melhorou muito", completa Nelson Ribeiro, de 53, motorista que trabalha no mesmo ponto.

Ponte
Mais complicada ainda é a vida de quem depende do serviço da Ponte Orca, que faz o bate e volta entre os trilhos do metrô e da CPTM. A reportagem do jornal "O Estado de São Paulo" observou grandes filas nos dois extremos da rota, na Vila Madalena e na Cidade Universitária – esta mais problemática no fim da tarde, segundo funcionários e usuários da linha. "O problema não é só a fila. Esse lugar é totalmente escuro e perigoso à noite, morro de medo de assalto", diz a bancária Marcela Silva, 31 anos.

O ponto de partida e chegada da Ponte Orca fica a cerca de 100 metros da escadaria que leva à estação de trem, na Marginal do Pinheiros, embaixo da Ponte Cidade Universitária. O transporte é feito por 24 vans, que levam 5,8 mil passageiros nos horários de pico da tarde, segundo a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU). Nesse período, a Ponte Orca faz 270 viagens nos dois sentidos. A lotação de cada van deveria ser entre 15 e 19 passageiros por viagem, mas leva mais de 21 pelas contas da EMTU. Os passageiros reclamam. "É como entrar numa perua. Já peguei van com gente em pé", diz o gerente Paulo Brito, de 29.



READ MORE - Em São Paulo, Alunos da USP ganham rapidez com metrô, mas perdem no ônibus

Salvador amanhece mais uma vez com greve parcial de ônibus

Uma nova paralisação dos rodoviários acontece na manhã nesta terça-feira (3) em Salvador (BA). Na segunda-feira (2), os ônibus ficaram parados das 4h até as 8h, e nesta terça a paralisação que também começou às 4h deve se estender até as 10h.

Segundo Manoel Machado, presidente do sindicato, a paralisação dos ônibus intermunicipais que estava agendada para a noite de segunda-feira foi suspensa, pois a interrupção do serviço pela noite é um trauma muito maior para os passageiros.

As manifestações dos rodoviários fazem parte da campanha salarial de 2011. Os rodoviários reivindicam 18% de reajuste salarial, pagamento de tickets alimentação e folga aos finais de semana.
Fonte: R7.com


READ MORE - Salvador amanhece mais uma vez com greve parcial de ônibus

No Recife, Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) pernambucano já está em teste

O primeiro Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) pernambucano já está em teste. O equipamento irá operar na Linha Sul do metrô, ligando a Estação Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, ao Cabo de Santo Agostinho e, posteriormente, ao Porto de Suape, na Região Metropolitana do Recife.  Por enquanto, os testes estão sendo feitos numa linha interna do sistema, quando se verifica a estabilidade e possíveis problemas no protótipo. Depois, irá para o teste em linha e, em seguida, para o teste comercial, quando leva passageiros. A previsão é de que entre em operação oficial no segundo semestre.


Fonte: Jornal do Commercio

Share |
READ MORE - No Recife, Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) pernambucano já está em teste

No Rio, Corredores BRT serão integrados com tarifa única

Os corredores exclusivos de ônibus BRT, veículos articulados que circularão apenas nessas vias expressas, prometem não só encurtar trajetos até os eventos esportivos que o Rio sediará. A novidade é que as linhas serão todas integradas, e o usuário poderá fazer baldeações no novo sistema pagando apenas uma passagem.

Os trajetos dos quatro corredores de faixa exclusiva para ônibus — Transoeste (Barra da Tijuca-Santa Cruz), Transcarioca (Barra da Tijuca-Galeão), Transbrasil (Avenida Brasil) e Transolímpica (Barra da Tijuca-Deodoro) — se cruzam em cinco pontos distintos. Com isso, uma variedade de linhas será criada, abastecendo o cruzamento entre as vias expressas.
Arte: O Dia
A proposta, que animou o Comitê Olímpico Internacional (COI) durante a última visita, na semana passada, vai possibilitar que, futuramente, um passageiro saia de BRT do Jardim Oceânico, na Barra, e chegue à Penha usando apenas a linha exclusiva de ônibus. Ou ainda que ele faça a viagem no mesmo veículo indo de Santa Cruz até Taquara, em Jacarepaguá.

Os trajetos serão feitos em veículos articulados, com ar-condicionado — semelhantes a vagões de metrô — e, como serão em pistas exclusivas, vão representar economia de até 50% no tempo que o usuário gasta hoje, usando dois coletivos diferentes.

São 5 os pontos de cruzamento entre percursos: Terminal Alvorada; Av. Salvador Allende com Estrada dos Bandeirantes; Av. Salvador Allende com Av. Abelardo Bueno; Av. Salvador Allende com Av. das Américas e na Av. Brasil.

“Em todos os pontos de encontro dos corredores, haverá linhas unindo os quatro BRTs. Por exemplo: o Transoeste, que vem de Santa Cruz, quando chega ao Terminal Alvorada, se encontra com o Transcarioca. Isso significa que pode ter um linha BRT fazendo o percurso Santa Cruz até Deodoro. A equipe do COI achou o máximo a ideia”, disse o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão.

A implantação de novas linhas seguirá parâmetro de estudos baseado na demanda de usuários de ônibus. No entanto, já se sabe que haverá a necessidade de criar trajetos de corredores expressos fazendo Galeão-Santa Cruz; Central do Brasil-Madureira e Galeão-Deodoro. “A gente não tinha pensado nisso no projeto inicial: de que um corredor poderá usar o outro. Mas o bom é que não vai precisar ocorrer mudanças por conta dessas conexões”, explicou Sansão.

Prefeitura calcula que 50% dos cariocas usarão ônibus


A prefeitura calcula que a construção dos quatro corredores expressos de ônibus vai fazer saltar de 15% para 50% a quantidade da população que usa transporte de alta velocidade na cidade.

“Os ônibus articulados funcionam como vagão de metrô. Haverá faixa exclusiva para o trânsito desses veículos, o bilhete será comprado na estação fora dos ônibus, e os veículos serão mais confortáveis”, afirmou o prefeito Eduardo Paes, no sábado, na inauguração do viaduto Capitão de Mar e Guerra Orlando Raso, na Av. das Américas, primeira obra do Transoeste.

O viaduto elimina o cruzamento e os sinais de trânsito das avenidas das Américas e Salvador Allende, possibilitando a passagem direta dos veículos e reduzindo as retenções diárias ocasionadas pela parada nos sinais. A elevação da via também ajuda a amenizar os congestionamentos.

Linhas poderão percorrer mais de uma via exclusiva

As linhas que vão surgir pela ligação dos trajetos de dois BRTs terão pontos de partida e chegada em terminais, mas o passageiro que não quiser fazer o itinerário tradicional do corredor poderá pegar o ônibus em qualquer uma de suas paradas. A intenção é transformar o BRT em um sistema exatamente igual ao do metrô, mas no asfalto.

Dessa forma, dependendo do local, o usuário pode pegar um coletivo no Terminal Alvorada, e, devido à conectividade entre os corredores expressos, optar por seguir pela rota da Transoeste ou da Transolímpica. Na Avenida Brasil, o passageiro pode seguir pelo trajeto da Transbrasil ou decidir por uma linha de BRT que entre na Transcarioca.

Até todas as obras que permitirão toda essa integração saírem do papel, a população vai ter que esperar um pouco. A Transoeste deve ser a primeira a ser concluída, em 2012. O projeto inicial prevê a construção de 53 estações ao longo de 56 quilômetros de extensão. Estima-se que só esse corredor atenderia 220 mil passageiros por dia. Um dos entraves à obra é a quantidade de desapropriações que estão sendo feitas no percurso.

A Transcarioca e a Transolímpica devem ficar prontas apenas para a Copa de 2014. A primeira terá 45 estações, entre o Cebolão, na Barra, e o Galeão. E, por causa das construções, deve desapropriar cerca de quatro mil imóveis. Já a Transolímpica prevê quatro quilômetros — dos seus 26 quilômetros de extensão — de túneis.

O último a ficar pronto, pelos cálculos da Prefeitura do Rio, é o corredor Transbrasil, que vai criar uma via exclusiva de BRT ao longo dos 60 quilômetros da Avenida Brasil, entre o Caju e Santa Cruz.

Topiqueiros ainda não têm autorização para circular. Para prefeitura, processo está no final

Enquanto os corredores expressos caminham para trazer rapidez ao usuário de ônibus, o carioca que precisa do transporte alternativo ainda vai ter que aguardar. Apesar de a Secretaria Municipal de Transportes informar que o processo de licitação de vans entrou na reta final, nenhum topiqueiro obteve ainda autorização da prefeitura para começar a operar nas ruas da cidade. A concorrência já dura mais de um ano.

No entanto, todos que ganharam a concorrência pública têm que pagar as cotas ao município sob o risco de perder a autorização para circular. Na semana passada, foram publicados os editais referentes aos lotes de São Cristóvão, Maracanã, São Conrado, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Rio das Pedras, Gardênia Azul, Cidade de Deus, Freguesia e Taquara.

A previsão, segundo a Secretaria Municipal de Transportes, é que até o fim do ano todo o processo licitatório, que começou na região de Santa Cruz e Paciência, esteja concluído. Nove licitações já foram concluídas para o transporte alternativo.

A Secretaria de Transportes informou que as cooperativas foram avisadas de que haveria atraso e que, apesar de o contrato começar a valer a partir da assinatura do mesmo, ajustes serão feitos posteriormente para resolver pendências na execução.

Para participar das licitações, os candidatos precisam estar vinculados a cooperativas ou a empresas. Ainda pelo regulamento da prefeitura, estará proibida a circulação de vans e Kombis, que serão substituídas por micro-ônibus com pelo menos 25 lugares. Pela primeira vez também os veículos devem ser equipados com bilhetagem eletrônica. Assim, os passageiros vão poder usar o vale-transporte (RioCard) eletrônico.



READ MORE - No Rio, Corredores BRT serão integrados com tarifa única

Em São Paulo, Monotrilho é opção para melhorar trânsito na Zona Sul

Valorizar o transporte público é uma das boas soluções para tirar carros das ruas e combater a poluição. Mas na Estrada do M'Boi Mirim, na Zona Sul de São Paulo, o corredor de ônibus não ajuda muito quem tem que madrugar para não perder a hora.

Os ônibus trafegam pelo corredor por uma velocidade de aproximadamente 15 km/h. A Prefeitura diz que tem projetos para melhorar o trânsito na região, como o monotrilho, uma via paralela e a ampliação do Metrô. Os projetos não têm data prevista para sair do papel.

“A solução definitiva para a Zona Sul é um transporte de maior capacidade, como o monotrilho e o Metrô. Hoje, o que podemos fazer são pequenas intervenções. Sabemos que não é uma solução definitiva. O corredor atua muito acima de sua capacidade”, diz o secretário de Transportes, Marcelo Cardinale Branco.
A Estrada do M'Boi Mirim é o principal gargalo do trânsito na Zona Sul: liga bairros populosos ao centro. Quase 300 mil pessoas dependem dessa via superlotada.

Fonte: G1.com.br




READ MORE - Em São Paulo, Monotrilho é opção para melhorar trânsito na Zona Sul

Em Cuiabá, Sistema VLT e BRT serão definidos em 20 dias

Em 20 dias, a Agência de Execução dos Projetos da Copa do Mundo do Pantanal – Fifa 2014 (Agecopa) irá apresentar ao governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, a decisão sobre qual o melhor sistema de transporte coletivo a ser implantado em Cuiabá para a Copa de 2014, se o Bus Rapid Transit (BRT) ou Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Conforme o presidente da Agência, Eder Moraes, um transporte moderno, rápido, confortável e que contemple a melhoria infraestrutural com o mínimo de intervenções que prejudiquem de alguma forma a população será o escolhido pelo Governo do Estado.




De Porto, Portugal, o presidente Eder Moraes disse em entrevista a Rádio Secom na manhã desta segunda-feira (02.05) que o governo quer levar Cuiabá, Várzea Grande e toda a Região Metropolitana - que congrega um milhão de pessoas - para a modernidade, principalmente no que há de mais avançado em sistema de transporte coletivo no mundo, "por isso nós reabrimos esta discussão em torno do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos)", argumentou.

O presidente da Agecopa disse que serão considerados ainda critérios técnicos, nos pontos que serão feitas as intervenções na rede de esgoto, de energia elétrica e a verificação da densidade do solo por onde o percurso será feito, além da questão das desapropriações e fundações. “Estamos fazendo e ultimando um estudo do VLT. Já existe aí no IPDU [Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Urbano] de Cuiabá outros estudos de viabilidade, até do próprio VLT, que estamos aglutinando para uma tomada de decisão”, informou Eder Moraes.

Para o modelo do BRT, primeiro sistema cogitado, Mato Grosso já dispõe de cerca de R$ 450 milhões assegurados e, numa possível escolha pelo VLT, segundo o presidente Eder, em números absolutos, o financiamento deste modelo deve ser em torno de R$ 1,1 bilhão que ainda podem ser ampliados. "Cuiabá, Várzea Grande e o próprio Governo do Estado, o governador Silval Barbosa, entende que esta oportunidade é única na história, de financiamento, de recursos disponíveis para poder se implementar essa atividade. Passada a Copa do Mundo não se haverá outra forma de financiamento, com toda certeza, para poder se fazer isso. Então, estamos trabalhando incessantemente para que aconteça isso de forma a contemplar a sociedade de Mato Grosso e que o Governo do Estado deixe para as futuras gerações um transporte coletivo de qualidade, que possa interligar com os demais sistema".

“A sociedade pode ficar tranquila que a decisão que for tomada está considerando também o tempo hábil para se implementar tudo isso até a Copa do Mundo”, ressaltou Eder Moraes ao lembrar que o Governo do Estado mantém contato com todos os fornecedores do sistema VLT, que são poucos no mundo e conhecidos mundialmente. "O que quer dizer que nós ainda teríamos todo o ano de 2011 para cuidarmos com a qualidade necessária a questão dos projetos básicos e estruturais. Se iniciarmos as obras em janeiro de 2012, o transporte, se fosse o VLT, seria entregue à sociedade em janeiro de 2014". Isso significa que as obras do VLT estariam concluídas em 24 meses.

As empresas têm know-how, conhecem bem o processo, mas o presidente da Agecopa lembra que "vamos discutir também com a população de Mato Grosso numa audiência pública convocada pelos deputados estaduais José Riva, Sérgio Ricardo e Guilherme Maluf que nos acompanham nesta visita e também puderam constatar e ver em Porto, Londres [cidade será visitada nesta terça-feira] e toda a região que têm o sistema funcionando e o atendimento do sistema de bilhetagem, de controle e operacionalização, o de concessão; Enfim, é melhor vir e conhecer in loco para que saiba depois do que está realmente falando".

TARIFA

Com relação à tarifa a ser cobrada, o presidente da Agecopa informa à população cuiabana e de toda a Região Metropolitana que o valor que saiu noticiado pela imprensa, de R$ 2,50 até R$ 3,00, é o valor que hoje é praticado em Porto, Portugal, nas condições locais. "Nós não vamos falar neste momento em valor de tarifa. O que eu posso assegurar e garantir para a sociedade mato-grossense é que o valor da tarifa será um valor acessível e que toda população possa utilizar este transporte e, inclusive, diminuir o fluxo de veículos no trânsito. Uma vez que você tem uma condição de transporte moderna, confortável, rápida, viável, evidentemente que você acaba por deixar o seu veículo em casa e utilizar-se desse método de transporte. Foi assim em todos os lugares onde foi implementado o VLT".

O preço de tarifa, acrescentou Eder, será definido posteriormente e o “Estado vai intervir, fazer todas as intervenções necessárias no projeto para que a tarifa fique adequada ao bolso do trabalhador mato-grossense”, completou Eder Moraes.

"Se o sistema não tiver um valor acessível, ele não é interessante para ser implementado, porque o primeiro público que o governador Silval Barbosa quer atender, é o trabalhador mato-grossense, é aquele que necessita daquele transporte para colocar a sua força laboral e assim gerar riquezas para o nosso Estado", concluiu o presidente da Agecopa.




















READ MORE - Em Cuiabá, Sistema VLT e BRT serão definidos em 20 dias

Salvador agora enfrenta greve dos ônibus intermunicipais

Os rodoviários fazem paralisação relâmpago nesta terça-feira, 3, em todas garagens das empresas intermunicipais e na Estação Rodoviária de Salvador. A categoria ameaça só liberar os ônibus a partir de 10h, de acordo com Euvaldo Alves, diretor do Sindicato dos Rodoviários.
Ontem, a categoria parou 21 empresas de transporte urbano e metropolitano. A paralisação prejudicou os usuários que dependiam do transporte coletivo para ir para o trabalho ou outros compromissos. Já a manifestação desta terça pode atrapalhar cerca de 2,5 mil pessoas, com base em estimativa da Agerba. Em Salvador, 540 linhas partem diariamente da Rodoviária.
As paralisações fazem parte da campanha salarial da categoria. Eles alegam que não há negociação com o patronato e pedem reajuste do índice da inflação mais 10%. Já os empresários argumentam que ainda não é possível apresentar um percentual já que o índice de inflação ainda não foi definido.




READ MORE - Salvador agora enfrenta greve dos ônibus intermunicipais

CBTU anuncia paralisação das obras do VLT em Maceió

Numa decisão que surpreendeu a todos a direção da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) em Maceió anunciou a suspensão das obras de infra-estrutura para a construção da nova Estação Mercado, na Feira do Passarinho, em Maceió.
Segundo nota enviada a imprensa pela assessoria do órgão, a empresa responsável pela obra, Domo Engenharia, tem alegado que não pode dá sequencia aos trabalhos devido a não remoção completa dos feirantes da área por onde passa o trem – que será substituído pelo novo Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A remoção esta sob a responsabilidade da Prefeitura de Maceió que ainda não concluiu a retirada total dos ambulantes.
A proposta contempla o Mercado Público com uma estação ferroviária, sendo integrada ao terminal de transbordo que será construído pelo município. Em frente à nova estação, o projeto também prevê a duplicação da via férrea.
A Domo Engenharia alega “prejuízos incalculáveis”, já que mantém a vários meses em seu canteiro de obras vários técnicos e operários à espera da desocupação da área.
O investimento total da obra do VLT é de R$ 171 milhões utilizados para construção de 32 quilometros de linha férrea e compra dos veículos. Parte do recurso, R$ 70 milhões, faz parte da emenda do então deputado federal Benedito de Lira e o restante do Ministério das Cidades.

Fonte: Agência Manchete

READ MORE - CBTU anuncia paralisação das obras do VLT em Maceió

SPTrans informa alteração de itinerários de linhas na Zona Oeste

A SPTrans informa a alteração no itinerário das linhas 8012/10 Metrô Butantã – Cidade Universitária e 7458/21 Metrô Butantã – Estação da Luz, ambas da Zona Oeste da cidade. A alteração será feita para um melhor atendimento aos usuários.

Para informações sobre linhas e trajetos de linhas consulte itinerários ou ligue 156.

Linhas e itinerários:

8012 /10 Metrô Butantã – Cidade Universitária (Circular)
Sentido Único:
Terminal Metrô Butantã, Rua MMDC, Rua Reação, Rua Camargo, Pça. Monte Castelo, Pça. Vicente Rodrigues, Av. Afrânio Peixoto, Pça. Prof. Reinaldo Porchat, Av. Prof. Mello Moraes, retorno após o ponto de parada (CPTM), Av. Prof. Mello Moraes, Praça Prof. Reinaldo Porchat, Av. da Universidade, Pça. Prof. Rubião Meira, Pça. da Reitoria, Av. Prof. Lineu Prestes, prosseguindo normal até a Av. Prof. Luciano Gualberto, retorno após os Bancos (lado oposto), Av. Prof. Luciano Gualberto, Av. Prof. Lucio Martins Rodrigues, Av. Prof. Mello de Moraes, retorno, Av. Prof. Mello de Moraes, Av. Prof. Almeida Prado, Pça. Ramos de Azevedo, Av. Prof. Almeida Prado, Pça. da Prefeitura, Av. Prof. Almeida Prado, prosseguindo normal até a Av. Dr. Vital Brasil, acesso ao Terminal Metrô Butantã, Rua MMDC, Rua Reação, Rua Camargo, Terminal Metrô Butantã.

7458/21 Metrô Butantã – Estação da Luz
Ida:
Terminal Metrô Butantã, Rua MMDC, Rua Reação, Rua Alvarenga, Rua Sapetuba, Av. Prof. Francisco Morato, Pr. Jorge de Lima, Av., Ponte e Av. Eusébio Matoso, prosseguindo normal.
Volta: Sem alteração.

Fonte: SPTrans

READ MORE - SPTrans informa alteração de itinerários de linhas na Zona Oeste

Terminais de ônibus em Joinville vão ganhar vagas para guardar bicicletas

O número de bicicletários em Joinville vai aumentar até o final do ano. Além da lei complementar nº 327/11 – que determina a liberação de alvarás de construção para lojas, clínicas, restaurantes, escolas, e hospitais apenas para quem destinar vagas seguras para as bicicletas – o município implantará mais 200 vagas anexas a três terminais de integração do transporte coletivo. Os bairros Itaum, Iririú, e Vila Nova receberão os recursos do Ministério das Cidades no segundo semestre.
O Ippuj (Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville) trabalha nos projetos executivos de cada terminal para que sejam licitados até julho e implantados até o final do ano. De acordo com Marcel Virmond Vieira, gerente de mobilidade e acessibilidade do Ippuj, nessa fase inicial o programa de integração intermodal bicicleta e ônibus, criado pelo Ippuj (Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville), será implantado nos bairros onde há maior demanda de passageiros e ciclistas.



READ MORE - Terminais de ônibus em Joinville vão ganhar vagas para guardar bicicletas

Transporte coletivo de Juiz de Fora começa a ganhar câmeras filmadoras

Os usuários e trabalhadores de transporte coletivo urbano de Juiz de Fora poderão contar com mais uma ferramenta a favor de sua segurança e conforto. Na última semana, começaram a ser instaladas câmeras filmadoras com gravadores de imagem digital no interior dos veículos da Empresa São Francisco. A medida atende à Lei n° 12.010, de 22 de abril de 2010, que dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação deste equipamento no interior de todos os veículos de transporte coletivo do Município de Juiz de Fora.

Quatro câmeras estão sendo implantadas em cada ônibus da empresa, três delas capazes de fazer imagens internas dos veículos e uma voltada para a parte externa do mesmo, a qual está apta a filmar a imagem vista pelo motorista durante o percurso do ônibus. Uma câmera está localizada em frente ao espaço onde ficam os cobradores, oferecendo imagens desta lateral do veículo; outro equipamento ficará no parte superior da área traseira do ônibus, com possibilidade de fazer imagens de todo o ambiente; a terceira câmera está localizada sobre o motorista e voltada para o interior da ônibus; enquanto a última câmera fica na frente do veículo, mas voltada para o ambiente externo.

Com a instalação destes equipamentos, a empresa atende à regulamentação prevista no Decreto 10.695, publicado no dia 24 de março de 2011. O documento, elaborado pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), exige a instalação de, no mínimo, duas câmeras de vídeo; a primeira posicionada de forma a obter imagens de toda a extensão do veículo e a segunda capaz de filmar a parte externa do ônibus. No § 3 do Artigo 1° do Decreto, fica definido, também, que, em caso de instalação de mais câmeras, o local deve ser autorizado pela Settra, que pode solicitar, sempre que necessário, o encaminhamento das imagens armazenadas. Para atender a esta exigência, cada empresa deverá ter, em sua garagem, uma central de dados capaz de armazenar imagens de, no mínimo, cinco dias. Para isso, os veículos contarão com um HD, de onde serão transmitidas, on-line, as imagens para a central de dados.

Os equipamentos têm a proposta de conferir mais segurança aos passageiros e profissionais que estiverem nos veículos. Além disto, a posição da câmera voltada para o exterior do ônibus foi definida pela Secretaria de Transporte e Trânsito (Settra) para que seus profissionais possam verificar e avaliar o funcionamento do sistema operacional de cada linha. Isto permitirá que os técnicos da secretaria observem todos os detalhes do percurso do ônibus, como o trânsito enfrentado pelo motorista, as solicitações dos passageiros nos pontos de ônibus e o cumprimento de itinerários e horários, por exemplo, já que as imagens serão acompanhadas da marcação data e hora.


Fonte: Prefeitura de Juiz de Fora

READ MORE - Transporte coletivo de Juiz de Fora começa a ganhar câmeras filmadoras

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960