Trensurb vai entrar em greve no dia 18 de agosto

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Porto Alegre - “O metrô tá por parar. Vai parar!”. Com este refrão, cantado pelo Homem Banda para convocar funcionários da Trensurb para a assembleia geral realizada ontem à tarde na sede da empresa, o Sindicato dos Metroviários do Rio Grande do Sul (Sindimetrô/RS) reafirmou a iminência de greve para a próxima semana. Em votação unânime, decidiram paralisar o serviço de transporte a partir da meia-noite de quarta-feira, 17, por tempo indeterminado, caso a empresa não apresente proposta em nova assembleia agendada para a mesma data, às 15h. Conforme o presidente do Sindimetrô, Renato Schuster, a intenção é parar 100% os trabalhos em pelo menos um dia, como forma de pressionar a direção pelo reajuste em 6,36%, contra os 3,65% oferecido pela Trensurb. Através de sua assessoria, a empresa informou que aguardava ser comunicada oficialmente da decisão de ontem.

Anúncio será confirmado 72 horas antes, conforme lei
Embora o Sindimetrô/RS queira marcar posição com pelo menos um dia de paralisação total, o presidente do sindicato, Renato Schuster, aponta que o funcionamento do trem deve ser mantido em parte, por ser um serviço considerado essencial à população. “Costuma ser de 30%. Mas temos que definir se é 30% da frota, dos trabalhadores, do período de trabalho ou dos horários de pico”, argumenta o secretário-geral do Sindimetrô/RS, Hamilton Porto. Ele explica que, conforme a Lei de Greve, o início será comunicado por meio de edital, em prazo prévio de 72 horas.

Durante a greve, horários de pico devem ser mantidos
Apesar de não ter sido oficialmente informada do indicativo de greve dos metroviários, a procuradora Regional do Trabalho no RS, Beatriz de Holleben Junqueira Fialho (foto), comentou como deve ser o funcionamento do transporte neste período. Com base nas mediações realizadas em paralisações anteriores, ela salientou que a regra de 30% não pode ser aplicada no caso da Trensurb, devido à segurança exigida nas operações. Os funcionários deverão trabalhar com 100% do efetivo durante os horários de pico da manhã e do final do dia, paralisando totalmente no restante do dia.

Reposição de funcionários
Fora a busca pelo reajuste salarial, o presidente do Sindimetrô/RS, Renato Schuster (foto), manifesta-se contra o processo de terceirização na Trensurb, alegando falta de qualificação e alta rotatividade dos terceirizados. Segundo o secretário-geral do sindicato, Hamilton Porto, a maior parte dos profissionais do quadro atual se especializou ao longo de 20 anos dentro da empresa. Outro ponto é a defasagem de pessoal nas estações. “A Trensurb possui um cadastro reserva. É só chamar a fila de espera. Temos uma média de três a quatro homologações de pessoas saindo da empresa. Em alguns horários há um ou dois funcionários por estação, que não podem fazer intervalo”, comenta Porto.

Sindicato alega que negocia com a empresa há 150 dias
De acordo com o presidente do Sindimetrô/RS, Renato Schuster, a pauta de reivindicação dos trabalhadores foi entregue à direção da Trensurb há 150 dias. “Nesse período, teve troca da presidência e fomos pacientes”, declarou. Ontem, antes de iniciar a assembleia, Schuster disse que falou com o diretor de finanças da empresa, que o informou que não seria apresentada proposta naquela ocasião. Junto aos funcionários, ficaram mantidas as decisões da assembleia de 3 de agosto: o não uso de uniforme, buzinaços na sede da Trensurb e distribuição de carta aberta à população, explicando os motivos da possível greve.

Entrega a ministro
Aproveitando a presença do ministro das Cidades, Mario Negromonte, e do presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, em cerimônia que marcará o início das obras de fundação do aeromóvel do Aeroporto Salgado Filho, o Sindimetrô/RS entregará, aos dois, ofício com as reivindicações dos metroviários na segunda-feira, 15. Na oportunidade, o sindicato colocará faixas na passarela da Estação Aeroporto e organizará manifestação.

Plano de contingência no transporte de ônibus pronto
Caso se confirme a paralisação do metrô, o maior volume de passageiros deve buscar a locomoção para outros municípios através de linhas de ônibus. O gerente de Operações e Planejamento da Vicasa, Flávio Caldasso, conta que a empresa já possui um plano de contingência, organizado a partir das experiências de outras greves. “Nossa frota que atende a integração do trem pararia. Hoje, ela está adaptada para receber o validador (da bilhetagem eletrônica). Basta cadastrar as linhas para operar para Porto Alegre. Temos de 40 a 50 carros, que colocaríamos conforme a necessidade”, explica. Este procedimento, no entanto depende da “certeza da greve”. “A calibragem dos equipamentos teria que ser feita na madrugada para que os veículos estejam à disposição já às 4h”, enfatiza. A Vicasa também disponibilizaria cinco veículos articulados e 30 alongados, com maior capacidade de assentos.

Efeito na BR-116 e Expointer
Além da opção pelo ônibus, o fluxo de veículos na BR-116 deve aumentar em caso de greve do metrô, implicando ainda mais os congestionamentos na rodovia. Devido à previsão de parada por tempo indeterminado, o secretário-geral do Sindimetrô/RS, Hamilton Porto, aponta possível interferência no transporte à Expointer, que acontece de 27 de agosto a 4 de setembro. Conforme ele, a última paralisação dos metroviários ocorreu de 2 a 14 de junho de 2009. “Trabalhava de segunda a sábado, nos picos da manhã e tarde.”


Fonte: Jornal VS

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960