Porto Alegre está com os corredores de ônibus em má conservação e asfalto desnivelado

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Utilizados para agilizar o trânsito, os mais de 50 km de corredores de ônibus da Capital dividem a opinião de motoristas e usuários do transporte coletivo.

Enquanto alguns trechos são elogiados por possuírem bons abrigos para os passageiros, asfalto nivelado e limpeza, outros são criticados pela falta de manutenção e pista danificada.

A reportagem percorreu os pontos mais críticos da cidade e constatou que a situação é mais crítica em três pontos, onde há mais insegurança, sujeira e problemas no asfalto.
Enquanto usuários descem e sobem dos coletivos na Estação Santa Catarina, um morador de rua boceja e se deita em um colchão instalado no corredor. Além dos passageiros que utilizam o local para o deslocamento diário, a parada abriga usuários de crack. Suja, com a iluminação danificada e proteções destruídas, a estação é uma das piores visitadas pela equipe de Zerohora.com.

 
Foto: Ronaldo Bernardi

— Temos que estar sempre atentos, porque a qualquer momento podemos ser assaltados aqui. Acabei de descer e não sei para que lado vou! Não existe nenhuma indicação para os passageiros — irrita-se o técnico em telefonia, Jorge Orellana.

Principal problema: sujeira.

Bento Gonçalves

 
Foto: Ronaldo Bernardi

Assaltada por um casal no ano passado, a idosa Maria Duarte de Oliveira, 72 anos, aponta a insegurança como o maior problema dos usuários do corredor de ônibus da Bento Gonçalves. Além de sofrer com a ação dos criminosos, a aposentada destaca a sujeira e a falta de proteção contra a chuva como aspectos negativos.

— É tudo muito feio, muito sujo. Quando chove, não tem jeito, fico toda molhada. Moro há 50 anos aqui e sempre foi assim. Mesmo com a iluminação trocada, continua perigoso — lamenta.

Em frente ao número 6.100, as armações de metal que sustentam a parada de ônibus estão corroídas. Entre os 32 suportes laterais, que protegeriam os passageiros da chuva, apenas um ainda está instalado.

— Já tomei muito banho aqui. É uma vergonha, porque a passagem de ônibus é cada vez mais cara, e o serviço só piora — reclama a promotora de vendas Paula Dornelles, 33 anos.

Principais problemas: sujeira, falta de proteção contra a chuva e asfalto danificado.

Protásio Alves

Apesar dos reparos realizados no corredor de ônibus da Protásio Alves durante o ano passado, alguns trechos ainda apresentam desníveis no asfalto. Em alguns pontos, os motoristas dos coletivas são obrigados a invadir a pista contrária para evitar danos aos veículos.

 
Foto: Ronaldo Bernardi

— Já vi gente caindo no ônibus, porque não tem jeito, a gente desvia e dá uns solavancos. O pior é que não temos o que fazer — desabafa um motorista da empresa Unibus que prefere não se identificar.

Mesmo com melhorias feitas na iluminação e a instalação de novas lixeiras nas paradas, os usuários seguem reclamando da sujeira.

— Tu chega aqui e tá tudo pichado e sujo. Quando chove, tenho que ficar colada na parada para não me molhar — conta a estudante Cristiane Feijó Moraes, 15 anos.

Principais problemas: sujeira e asfalto desnivelado.

Outros corredores:

Pavimentados com concreto em sua maior parte, os corredores da Assis Brasil e da 3ª Perimetral são os mais elogiados pelos passageiros. Com paradas melhor conservadas, as reclamações se restringem à sujeira.

 
Foto: Ronaldo Bernardi

- Costumo pegar a linha Triângulo, que pega um pedaço da perimetral e outro da Assis Brasil. Acho que estamos bem servidos. O pior é a sujeira, mas é bem mais tranquilo viajar em um ônibus que não fica pulando por causa do asfalto ruim - resume o estudante Eduardo Santos, 21 anos.

Contraponto:A assessoria de imprensa da secretaria municipal de Obras e Viação (Smov), responsável pela manutenção do asfalto nos corredores de ônibus, informou que são feitos trabalhos diários para recuperar a pavimentação. A reportagem solicitou contato com o responsável pela divisão de Conservação de Vias Urbanas, mas não obteve retorno até o fim da tarde desta quinta-feira.

O diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, informou que sete estações da Bento Gonçalves serão reformadas a partir do segundo semestre, entre a Cristiano Fischer e a João de Oliveira Remião. Por meio de financiamento da Caixa, corredores da Assis Brasil, Protásio Alves/Osvaldo Aranha e Bento Gonçalves/João Pessoa também serão completamente recuperados, incluindo asfalto e estações. São recursos liberados em função da realização da Copa do Mundo.

Fonte: Zero Hora

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960