Grande Vitória pode ter 100% da frota parada nesta quarta-feira

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Os motoristas e cobradores da Grande Vitória, em greve há uma semana, decidiram paralisar todo o sistema de transporte coletivo da Grande Vitória a partir da zero hora desta quarta-feira (01).

Os rodoviários não ficaram satisfeitos com o resultado do dissídio coletivo julgado na tarde desta terça-feira (30). Motoristas e cobradores conseguiram aumento salarial de 10% e de 5,39% no valor do tíquete alimentação por determinação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-ES).

A questão salarial é apenas um dos ítens do dissídio coletivo que começou a ser julgado às 14h e terminou por volta das 19h desta terça-feira (30).

O voto do relator do processo, desembargador Jaílson Pereira da Silva, propondo o aumento, foi acompanhado por outros três desembargadores. A votação final teve o placar de 4 a 3. Outras questões, como por exemplo, melhoria das condições de trabalho também foram analisadas. A Justiça decidiu que a categoria deve voltar ao trabalho sob pena de multa diária de R$ 30 mil. Os trabalhadores se reuniram em assembleia na praça Getúlio Vargas, no Centro de Vitória, logo após o resultado do dissídio coletivo. A maioria dos rodoviários decidiu continuar com a greve.

O presidente do Sindirodoviários, Édson Bastos, salientou que essa é uma decisão tomada pelos motoristas e trocadores que operam o sistema de transporte coletivo na Grande Vitória. Bastos disse ainda que o sindicato se diz contrário à manutenção da greve. "O sindicato não concorda com essa decisão tomada ainda com o sangue quente. Ainda vamos tentar convencê-los a partir desta quarta a rever essa posição", disse.

Às 19h40, logo após o fim da assembleia, motoristas e cobradores saíram em passeata pelo Centro de Vitória. Duas pistas da Avenida Princesa Isabel, sentido Centro - Zona Norte, chegaram a ser fechadas, mas foram liberadas cerca de 10 minutos após a caminhada, tempo suficiente para tumultuar o trânsito em uma das vias mais movimentadas da Capital capixaba.
READ MORE - Grande Vitória pode ter 100% da frota parada nesta quarta-feira

São Paulo: Transporte coletivo é melhor alternativa para aumentar a mobilidade num dos principais pólos de compras da Cidade

Com a chegada da temporada de compras de Natal, a região central é a mais procurada, principalmente a Rua 25 de Março. Bem próximo à Rua 25 de Março está o Terminal Parque Dom Pedro II, que funciona 24 horas todos os dias e oferece uma série de facilidades para quem vai fazer as compras de final de ano.
São 93 linhas ao todo, distribuídas em 7 plataformas. O terminal oferece lanchonetes, espaço multibancos, banheiros, atendendo a uma demanda de 250 mil passageiros por dia. As linhas chegam de todas as regiões da Cidade, principalmente da Zona Leste, como Cidade Tiradentes, São Mateus, São Miguel, Itaim Paulista, Ermelino Matarazzo, Vila Mara, Jd. Helena, Vila Nova Curuçá, Vila Progresso, Jd. Camargo Velho, Conjunto Encosta Norte e Jd. das Oliveiras . Além dessas, chegam também linhas da região do Zoológico, Sacomã, Jd. Celeste, Pinheiros, Butantã, Ceasa, Lapa e Casa Verde.
No Terminal Parque Dom Pedro II, o usuário pode fazer a interligação com o Expresso Tiradentes, que liga a região central ao Sacomã. O Terminal Sacomã opera 24 linhas municipais e 18 intermunicipais, vindas da região Sul da Cidade, com uma demanda de 81 mil passageiros por dia. Os percursos dentro do Expresso Tiradentes são feitos em 14 minutos em média, com ônibus articulados e biarticulados. O terminal recebe passageiros da região de São Bernardo do Campo, Santo André e São Caetano do Sul e dos bairros do Parque Bristol, Jd. Celeste, Moema, Penha, Vila Arapuã, Vila Livieiro e Água Funda. Funciona das 4h à 0h e possui 6 plataformas, espaço multibancos, banheiros e lanchonetes.
Outra opção para as compras nesta região são as linhas que têm ponto de parada na Praça do Correio. Com uma demanda estimada em 150 mil passageiros por dia, nas 33 linhas que chegam principalmente da Zona Norte da Cidade, de bairros como a Vila Maria, Vila Sabrina, Casa Verde, Pedra Branca, Lauzane Paulista, Vila Ede, Parque Edu Chaves e Cachoeirinha. Outras regiões também têm como destino a Praça do Correio, entre elas Cidade Tiradentes, Sapopemba, Sacomã, São Miguel, AE Carvalho e Vila Industrial.
Com uma localização priviligiada na região central da Cidade, a Praça do Correio também é ótima opção para os que desejam fazer compras na região da Rua Santa Ifigênia.
Utilizando o Bilhete Único, as vantagens para as compras se ampliam, pois estão garantidas 4 viagens de ônibus com o preço de uma única passagem dentro do intervalo de 3 horas para o Bilhete Único Comum e de 2 horas para os Bilhetes Escolar e Vale-Transporte. Para os que irão fazer compras nos domingos ou feriados, o Bilhete Único Comum vale até 8 horas (Bilhete Amigão) desde que a última recarga tenha sido referente a pelo menos 4 tarifas, ou R$ 10,80.
Para tirar dúvidas a respeito de itinerários e outras informações, o usuário pode ligar para 156 ou visitar a página da SPTrans na internet: http://www.sptrans.com.br/.

Fonte: SPTrans
READ MORE - São Paulo: Transporte coletivo é melhor alternativa para aumentar a mobilidade num dos principais pólos de compras da Cidade

Metrô do Cariri atinge um ano de operação

Amanhã, o Metrô do Cariri, primeiro projeto do Governo do Ceará de requalificação do transporte ferroviário de passageiros no Interior do Estado, completará um ano de operação. Ao longo deste período, o sistema tem sido responsável por fomentar o desenvolvimento da região do Cariri, já que liga importantes polos geradores de viagens, como universidades, comércio, escolas, indústrias. O Metrô do Cariri liga Juazeiro do Norte ao Crato ao longo de 13,6 quilômetros.

"O Metrô do Cariri significou um avanço na região não somente por ser uma opção de transporte eficiente, seguro e barato", destaca o prefeito do Crato Samuel Araripe. Ele lembra que, no rastro do trem, estão surgindo outros empreendimentos como a Escola Técnica, que está sendo construída no Bairro São Miguel, na margem da ferrovia, e a futura avenida que parte da antiga Estação Ferroviária, hoje Centro Cultural do Araripe, até a saída da cidade. O sistema é operado com Veículos Leves sobe Trilhos (VLTs), que estão ganhando o mundo como uma solução inteligente na área de transporte e de menor impacto ambiental.

Os VLTs que operam no Cariri usam uma tecnologia local, visto que são produzidos pela Empresa Bom Sinal de Barbalha, que fabrica vagões para diversas cidades do Nordeste. A terceira composição que será incorporada ao Metrô do Cariri, por exemplo, está na lista de espera. A fabricação das composições estimulou a indústria ferroviária nacional, que não produzia novos trens desde a década de 1970. "Este Metrô foi o maior acontecimento do Cariri. É uma viagem confortável, segura e rápida", diz o representante comercial Francisco das Chagas de Castro.

Os elogios são reafirmados pelo aposentado Francisco Lenildo de Luna que, todos os dias, faz o percursos Crato-Juazeiro. Na condição de aposentado (não paga passagem), Lenildo utiliza o trem como lazer. "Vou ao Crato para rever os meus amigos na Praça Siqueira Campos", conta. No balanço de um ano de operação, o gerente de Controle e Tráfego da Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos (Metrofor), Antônio Chalita de Figueiredo, diz que o Metrô do Cariri trouxe melhorias significativas à qualidade de vida da população da Região. "As pessoas ganharam a opção de poder se deslocar num transporte barato, seguro, limpo e confortável. Houve ainda a melhoria do entorno das estações criando um ambiente agradável. Ficamos motivados com a alegria nos olhos do povo do Cariri, que é um eterno apaixonado pela ferrovia", diz.

E já existem planos para o futuro. Em 2011, terá início a integração entre o Metrô do Cariri e algumas linhas de ônibus intermunicipais. Isso significa que os usuários do Metrô poderão, com um só bilhete, pegar as linhas integradas de ônibus para continuar seu percurso. Segundo Chalita, a integração será tarifária, operacional, temporal e física. "Prevemos que haverá um incremento em torno de 20 a 30% de passageiros no sistema", avalia.

Em 2011, o Metrô do Cariri também ganhará sua nona estação, que ficará nas proximidades da escola técnica no Bairro Antônio Vieira, em Juazeiro. Atualmente, estão em funcionamento oito estações: Juazeiro, Teatro, Crato, Fátima, São Pedro, São José, Muriti e Padre Cícero. Está prevista ainda para o próximo ano a entrega de mais um VLT. Hoje, operam dois. "Com o terceiro VLT, estamos fazendo estudos para a diminuição do intervalo entre os trens no horário de pico", prevê Chalita. No momento, a operação está pela metade, porque uma das composições foi retirada para manutenção. Ele espera que o sistema seja normalizado ainda esta semana.

Também está sendo estudado, segundo Chalita, a extensão do Metrô até a cidade de Barbalha, promovendo a integração do chamado Triângulo Crajubar, (Crato, Juazeiro e Barbalha) integrantes de Região Metropolitana do Cariri. Ele explica que existem duas opções de trajeto: a malha ferroviária antiga, que interligava Barbalha com a Rede Ferroviária Federal, ou uma nova ferrovia, margeando a Avenida Leão Sampaio. O Metrofor está fazendo levantamento de custos para saber qual a melhor alternativa.

O Metrô do Cariri opera de segunda a sexta-feira, de 6 horas às 19 horas, fazendo um total de 42 viagens/dia. No sábado, funciona de 6 horas às 14 horas, com 30 viagens. O percurso Juazeiro à Crato leva cerca de 40 minutos. Atualmente, são transportados cerca de 1.200 passageiros por dia, mas a capacidade é de 15 mil passageiros. A passagem custa R$ 1,00.

Fonte: Diário do Nordeste
READ MORE - Metrô do Cariri atinge um ano de operação

Grande Vitória: 7º dia de greve é de longa espera e ônibus lotados

Terminal lotado. Filas, longas filas, que testavam a paciência dos passageiros logo cedo. Assim começou o sétimo dia de greve dos rodoviários por toda Grande Vitória.
No Terminal de São Torquato, a espera pelos coletivos durava mais de uma hora e os pontos de parada dos ônibus estavam completamente vazios. Eram poucos ônibus para a quantidade de passageiros que esperava. Muitas pessoas estão madrugando nos terminais para chegar ao trabalho e ainda assim chegam atrasadas.

"Tem que sair todo dia cedo de casa e encontrar essa situação em Vila Velha. É complicado. Um transtorno. Estou atrasado de novo e o patrão já me ligou", afirma o pedreiro Romildo Cardoso dos Santos.
 
O pedreiro Vivaldo Francisco Barbosa também vem sendo prejudicado pela greve. O trajeto casa-trabalho está durando até três horas e ele tem medo de perder o emprego. "Essa greve está atrapalhando em tudo. Toda hora o patrão está ligando e a gente não pode fazer nada".

Quando o ônibus chega ao ponto nem todo mundo consegue embarcar. Os coletivos ficam superlotados e muita gente acaba não conseguindo entrar e tem que aguardar a próxima viagem.
Segundo o presidente do sindicato da categoria, Edson Bastos, os rodoviários deverão acatar o julgamento e finalizar a greve. "Uma decisão judicial deve ser cumprida e não questionada. Temos que ser coerentes e vamos passar isso aos rodoviários. Não acredito que eles decidam manter a paralisação mesmo depois do julgamento", explicou.
A decisão de solicitar a antecipação do dissídio aconteceu por conta dos problemas ocorridos na última sexta-feira (26) no terminal de Campo Grande, em Cariacica. A população se revoltou com a demora dos ônibus por conta da greve e queimou quatro ônibus e apedrejou 20 coletivos. Os manifestantes ainda fecharam a BR 262 e muitos passageiros ficaram a pé.
Segundo o procurador-geral do Estado, Rodrigo Rabello, não há motivos para que a greve continue porque o dissídio já tem data marcada. Durante a greve de ônibus, pelo menos 300 mil passageiros estão sendo prejudicados na Grande Vitória.
No último dia 22, a Justiça determinou que os motoristas e cobradores devem manter 50% da frota em circulação, sob pena de multa de R$ 20 mil por dia. Segundo o TRT, até o momento, os grevistas estão cumprindo essa exigência.
O Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Espírito Santo (Setpes) comentam que a paralisação é desnecessária levando em conta que a decisão sobre o reajuste dos rodoviários se dará só com o julgamento do dissídio.

READ MORE - Grande Vitória: 7º dia de greve é de longa espera e ônibus lotados

Em Juiz de Fora, 90% da frota já circulam com o novo modelo de embarque e desembarque

Segundo dados da Secretaria de Transporte e Trânsito (Settra), cerca de 90% de toda a frota que atende o Transporte Coletivo Urbano (TCU) de Juiz de Fora já estão circulando com o novo modelo de embarque e desembarque. Dos 553 coletivos, 499 já atendem com o fluxo invertido de passageiros. E nesta terça-feira, 30, os usuários da linha 137 (Sagrado Coração de Jesus/Centro) passam a entrar pela porta da frente. Na quinta-feira, 2, será a vez da linha 129 (Previdenciários). A mudança gradativa na forma de embarque e desembarque teve início no dia 2 de agosto e será concluída no dia 15 de dezembro.

Os usuários das linhas que ainda não inverteram o fluxo devem ficar atentos às sinalizações na frente e nas laterais dos ônibus. Antes da roleta, próximo ao motorista, os assentos preferenciais para grávidas, idosos, obesos e portadores de deficiência continuam assegurados. Nos ônibus com motor dianteiro (97% da frota) são sete bancos para essas quatro categorias. Já os veículos com motor traseiro possuem oito assentos preferenciais.

Com a alteração do embarque, a roleta também muda para a parte dianteira do veículo, próxima ao motorista. Entre os benefícios estão menor tempo de embarque, mais conforto e maior espaço útil para acomodação dos usuários, já que o orientador do fluxo de passageiros será eliminado; aproximação dos cobradores e motoristas, o que vai inibir os assaltos e aumentar a segurança no embarque e desembarque dos cadeirantes; indução dos passageiros a não atravessar na frente dos ônibus, com a consequente redução dos acidentes; e igualdade no embarque para as gratuidades, acabando com a discriminação contra os usuários que têm direito ao benefício.

Fonte: Pref. Juiz de Fora
READ MORE - Em Juiz de Fora, 90% da frota já circulam com o novo modelo de embarque e desembarque

Greve do transporte coletivo continua em Blumenau

Terminais e pontos de ônibus vazios marcaram o início desta terça-feira em Blumenau. O Sindicato dos Empregados das Empresas Permissionárias do Transporte Coletivo Urbano de Blumenau (Sindetranscol) cumpriu a promessa e está com 100% do serviço parado por tempo indeterminado.

Cobradores e motoristas se reuniram para uma assembleia organizada pelo sindicato para discutir se manterão, pelo menos, parte dos ônibus funcionando, como exige a lei, ou permanecerão com todo os 258 veículos da frota parados ao longo do dia.

Os trabalhadores entraram em greve na manhã de segunda-feira. Durante a tarde, o sindicato da categoria e as empresas do Consórcio Siga se reuniram novamente para tentar chegar a um acordo.

Porém, pela quinta vez, a negociação fracassou. Os trabalhadores pedem 8,5% de reajuste salarial e R$ 260 de vale alimentação. As empresas oferecem 7% de aumento e R$ 250 de vale.

READ MORE - Greve do transporte coletivo continua em Blumenau

Recife: Ônibus Adaptados: Problemas e Avanços

Na semana internacional da pessoa com deficiência, o Blog Meu Transporte saiu as ruas de Recife e constatou a falta de preparo pela maioria dos operadores no que diz respeito a acessibilidade no transporte publico, é verdade que o numero de ônibus adaptados aumentou de forma significativa na região metropolitana, porém este crescimento não condiz com o numero de motoristas e cobradores preparados para está situação, flagramos diversas vezes os profissionais sem saber operar o equipamento, teve pessoas deficientes que tiveram que esperar mais de 10 minutos para embarcar, colocando em constrangimento o próprio deficiente, sem falar que muitos motoristas expressam claramente sua insatisfação em operar o equipamento, é bom lembrar que de acordo com o Censo de 2000 do IBGE, 24,5 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência, representando 14,5% da população brasileira. Dados mais recentes, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD), apontam que, em 2008, os idosos representavam 10,5% da população no Brasil, proporção que vem aumentando a cada ano.
A falta de acesso ao transporte coletivo é um dos gargalos do ingresso no mundo do trabalho para pessoas com algum tipo de deficiência ou mobilidade reduzida. A RAIS de 2007 contabilizou cerca de 348.000 pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, empregadas, mas estão fora do mercado, aproximadamente, quatro milhões de pessoas com essas características.
Resposta do Consórcio Grande Recife:
Nos últimos três anos e meio o Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife (STPP/RMR) conseguiu avanços significativos no serviço ofertado as pessoas com deficiência. Os avanços são: 
Em 2007 o consórcio, na época EMTU, contava com apenas com 46 linhas e 49 ônibus, das 383 linhas e 2.700 veículos operantes, equipadas com elevador. Hoje, as pessoas com deficiência já podem contar com 255 linhas e 853 veículos adaptados para pessoas com deficiência.

No projeto de ampliação do Sistema Estrutural integrado, que foi pensado para a construção de 13 terminais, de 2007 pra cá, sendo que dois já foram entregues (Pelópidas Silveira e Cabo de Santo Agostinho), todos os projetos arquitetônicos foram pensados com total acessibilidade à pessoa com deficiência.

Para atender as pessoas com deficiência visual que utilizam os terminais integrados do Cabo de Santo Agostinho e Pelópidas Silveira, ambos inaugurados em 2009, o Grande Recife sinalizou todos os pontos de embarque e desembarque. Os usuários podem identificar a localização exata de sua linha através da sinalização em Braille (sistema de leitura com o tato).

Todo o entorno dos terminais contam com rampas de acesso. No interior do equipamento, foi colocado piso tátil (que facilita a orientação de pessoas com deficiência visual e visibilidade reduzida), além de mecanismos antiderrapantes, para evitar quedas e escorregões.  Nas áreas de atendimento, como o local destinado aos trabalhos do pessoal da Central Atendimento ao Cliente, também há acessibilidade. 

Em relação a colocação de Braille nas paradas de ônibus da RMR o consórcio esclarece que este tipo de sinalização já tinha sido implantada nas avenidas Nossa Senhora do Carmo, Conde da Boa Vista e Guararapes, de forma experimental, mas que infelizmente praticamente todas as placas informativas foram alvo de atos de vandalismo nos últimos anos.

Porém, o Grande Recife vem elaborando, desde 2009, um projeto de novas paradas de ônibus que prevê a sinalização para deficientes visuais, no entanto, ainda não foi definida a forma que o material será implantado devido aos problemas citados acima.

Os atos de vandalismo também ocorrem nos terminais que possuem as placas em braille. Constantemente as placas arrancadas são repostas o que infelizmente, por causa do alto custo, não pode ser feita nas cerca de 5 mil paradas existentes na RMR.

Já em relação a sonorização o consórcio já conta com um sistema de som, com informações sobre as linhas de ônibus, implantado no Terminal Pelópidas Silveira e em breve no Terminal do Cabo. Ressaltando que todos os novos terminais, além dos já existentes no sistema de transporte da RMR também irão contar com o serviço até 2012. 

Capacitação dos operadores

O Grande Recife desenvolve junto com as empresas operadoras um curso de multiplicação de formadores. Ou seja, atua na formação de instrutores que trabalharão com motoristas e cobradores. O treinamento incluiu, entre outros temas, a operacionalização dos elevadores de acesso para as pessoas com deficiência e a questão comportamental (atendimento aos usuários). É fornecido para os formadores, material didático e os planos de aulas que são usados no curso. Além deste curso, todos os motoristas que renovam suas CNH, precisam passar pelo curso “Condutores de Transporte de Coletivos”, ministrado durante 50h. Nele, os motoristas reciclam seus conhecimentos sobre legislação de trânsito, primeiro socorros, direção defensiva e atendimento ao cliente.



Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

Fonte: Meu Transporte
READ MORE - Recife: Ônibus Adaptados: Problemas e Avanços

Greve de ônibus na Grande Vitória deve acabar hoje

A greve dos motoristas e trocadores pode terminar nesta terça-feira (30) com o julgamento do dissídio coletivo, caso nenhum dos 11 desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho (TRE) peça vista do processo. A audiência está marcada para às 14h.

De acordo com a desembargadora presidente do TRT, Wanda Lúcia Decuzzi,  a greve tem que terminar com o julgamento do dissídio. Se a paralisação  for prolongada após a decisão da Justiça será considerada ilegal, salientou a magistrada.

"Segundo a lei, após o julgamento do dissídio não pode existir mais greve. Isto é um esforço que o Judiciário, o Ministério do Trabalho e os representantes dos rodoviários e empresas fazendo para diminuir os prazos, afim de que este caos urbano termine.

A manutenção da greve acarreta em multa para o sindicato, caso os rodoviários insistam em ficar de braços cruzados após apreciação do dissídio, explicou a desembargadora Wanda Lúcia Decuzzi."Eles até podem fazer a greve, mas ela será considerada ilegal. E isto resulta em multa pesada. O que acaba inviabilizando para o sindicato, e não interessa para a categoria".

A antecipação só foi possível porque o Ministério Público do Trabalho atendeu ao pedido da Presidência do TRT e se comprometeu a entregar seu parecer antes do prazo legal.

A paralisação dos rodoviários começou na quarta-feira (24). No mesmo dia, houve uma audiência de conciliação entre representantes do Sindicato dos Rodoviários (Sindirodoviários) e das empresas que atuam no transporte coletivo da Grande Vitória no TRT, mas não houve consenso.

O diretor-executivo do Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus), Elias Baltazar, apoiou a antecipação da audiência do dissídio para esta terça. Ele ressaltou que o prejuízo com quatro ônibus incendiados e 20 depredados só serão calculados após o fim da greve.

"Entendemos que o judiciário contribui para a resolução do problema. A sociedade capixaba já não aguenta mais esta greve. E entendemos que a greve é desnecessária, já que, a audiência estava marcada. Assim que este processo for concluído nós levantaremos todo o prejuízo com a paralisação, inclusive, o que houve na última sexta-feira (26)", afirmou.

O presidente do Sindirodoviários, Edson Bastos, informou que a categoria irá acatar a decisão da Justiça. "Nós sabemos que quando a justiça falar, ela, não está me perguntando se eu quero. Ela está me dando uma decisão. Então, eu irei levar isto para a categoria. Se nós levamos a nossa decisão para o TRT é porque acreditamos nele", pontuou.

O julgamento do dissídio coletivo para definir o percentual de reajuste a ser aplicado à categoria, havia sido marcado para o dia 03 de dezembro, às 10h. Os trabalhadores querem 30% e as empresas oferecem 5,39%.

READ MORE - Greve de ônibus na Grande Vitória deve acabar hoje

EMDEC incentiva respeito aos assentos preferenciais

Durante todo esse mês de novembro até a primeira quinzena de dezembro, quem utiliza o transporte coletivo na cidade, pode ver estampado, em toda a frota, cartazes com informações sobre o respeito ao assento preferencial nos ônibus urbanos.

A proposta da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas – EMDEC – ao abordar o tema no Jornal do InterCamp, que circula mensalmente no transporte, é incentivar e orientar a sociedade para que respeite e ceda sempre esse espaço aos mais velhos, adultos com crianças de colo e gestantes.

Os cartazes trazem mensagens como “Faça a diferença. Dê a preferência. Respeite os assentos preferenciais.”
De acordo com a Lei 5.782/1987, o direito aos assentos preferenciais é  garantido a esse público.  Entretanto, é muito comum o desrespeito à legislação. No período de festas de fim de ano, quando a procura pelo transporte coletivo aumenta, cenas de idosos de pé e jovens ocupando os assentos são freqüentes.

Para a gerente de Educação e Cidadania da EMDEC, Roberta Mantovani, esse tema integra, de forma permanente, o trabalho educativo nas escolas, universidades e ações da EMDEC com os usuários do transporte.

“Vale destacar que nosso trabalho com os idosos contemplou, ainda, neste ano, a discussão e o respeito da sociedade às vagas exclusivas; e temos um projeto específico, batizado como Idosos em Movimento, que incentiva os idosos a refletirem sobre todos os seus direitos na mobilidade".

Segundo o presidente da Associação dos Idosos de Campinas, José Alves dos Santos, 75, esse é um problema diário que o idoso enfrenta no transporte coletivo. “Basta entrarmos nos ônibus para ver que ninguém cede os lugares”.

Ele conta que já presenciou casos em que os passageiros chegam a humilhar os idosos e esbravejam que também pagam a passagem.

O presidente afirma, ainda, que se trata de uma situação complexa. “As campanhas são importantes, mas precisam ser mais frequentes. O idoso também precisa fazer a sua parte e ocupar os assentos; e a sociedade enfatizar de forma constante esse direito garantido”.

Fonte: Emdec
READ MORE - EMDEC incentiva respeito aos assentos preferenciais

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960