No Recife, Sistema VLT é a melhor opção para o futuro corredor da BR-101

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), através do Metrô do Recife (Metrorec), sugeriu à Secretaria das Cidades o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) como alternativa ao Bus Rapid Transit (BRT) que será implantado no corredor exclusivo a ser construído na BR-101. A CBTU/Metrorec já vinha realizando estudos sobre a viabilidade do VLT no trecho entre o Terminal Integrado da Macaxeira e a estação de Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, e apresentou essas conclusões ao titular da pasta, Danilo Cabral. Apesar de ser um investimento mais caro, a principal vantagem do VLT sobre o BRT, segundo a CBTU, estaria na maior capacidade de transporte de passageiros: 150 mil, por dia, contra 110 mil do BRT.

Os estudos feitos pela CBTU foram mostrados pelos metroviários e pela equipe técnica do Metrorec ao secretário Danilo Cabral na semana passada. Segundo o gerente de manutenção da CBTU/Metrorec, Bartolomeu Carvalho, a proposta seria implantar o VLT a partir do TI da Macaxeira, passando pelo Hospital das Clínicas, Universidade Federal e terminal do Barro até chegar a Cajueiro Seco. A frota utilizada seria de 13 VLTs, cada um com capacidade para 800 passageiros. “Quem mora em Boa Viagem e estuda na Federal, por exemplo, poderia pegar o metrô na Linha Sul e seguir até Cajueiro Seco para, de lá, concluir o trajeto no VLT. O mesmo para quem sai de Igarassu, Paulista e Abreu e Lima e quer ir para a Zona Sul. Esse pegaria o VLT integrando na Macaxeira. Essa solução melhoraria o trânsito não apenas na BR-101, como também na Avenida Recife”, ponderou.

O custo de implantação do VLT seria de R$ 890 milhões. Um valor bem superior ao BRT, que está estimado em R$ 480 milhões. No entanto, Carvalho argumenta. “O VLT é mais confortável, mais seguro e polui menos. Além disso, ele atenderia a demanda dos próximos 40 anos. É um transporte que tem sustentabilidade”.

Apesar de ver a proposta da CBTU com bons olhos, a secretaria das Cidades não cogita mudar o projeto do BRT, que já está pronto e em análise no Dnit. “Mesmo com capacidade de transporte menor, o BRT atende as necessidades da população num horizonte de até 20 anos. Hoje, ficou proibitivo pensar em investimentos mais caros que demorarão a dar um retorno por causa da crise do mercado internacional”, justificou o secretário executivo de Mobilidade Flávio Figueiredo.

Saiba mais
BRT (Bus Rapid Transit)
O valor para implantação é de R$ 480 milhões
Terá capacidade para transportar 110 mil passageiros/dia
O projeto foi pensado para atender a demanda futura de 15 a 20 anos
Se a demanda subir, terá que passar por novas obras para implantar outro modal que suporte a quantidade e passageiros

VLT (Veículo Leve sobre Trilhos)
O valor para implantação seria de R$ 890 milhões
Teria capacidade para transportar 150 mil passageiros/dia
O projeto foi pensado para atender a demanda futura de 30 a 40 anos
Aumentando a demanda, não será preciso construir outra ferrovia, apenas aumentar o número de composições

Semelhanças
Tanto o BRT quanto o VLT usariam um corredor exclusivo a ser construído no canteiro central da BR-101 e teriam estações, passarelas, viadutos e elevados Nos dois sistemas, a passagem é paga antes do embarque e os dois tipos de veículos têm ar-condicionado.



Fonte: Diário de Pernambuco


1 comentários:

leonardo-pe disse...

ou seja:nem VLT,nem BRT!a CBTU quer o VLT.o Governo quer o BRT.os empresarios não vão arcar com esses onibus BRT.pelo visto,Recife entrou numa Gelada por causa dessa copa!e olhe q já estamos no fim de 2011!pra copa das confederações em 2013,Pernambuco está fora,com esse impasse!

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960