São Paulo: Tecnologias prometidas para Linha Amarela do Metrô não funcionam

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Inaugurada em 25 de maio de 2010, a Linha 4-Amarela foi apresentada como uma das mais modernas do mundo. Apesar disso, ainda não é possível sequer fazer ligações de aparelhos celulares nas estações ou dentro das composições - o acesso à internet sem fio, carro-chefe das tecnologias que estariam disponíveis, é outra promessa que não saiu do papel.

A ViaQuatro, consórcio que administra a linha, afirmou que trabalha para ter o serviço de celular de todas as operadoras, mas o acesso à internet ainda não foi concebido para a linha. A disponibilidade para a população, segundo a concessionária, "pode não ser viável no médio prazo."

Horário reduzido. Operando em horário reduzido desde sua abertura, também não há previsão para a Linha Amarela ter o seu tempo de funcionamento expandido, que, por enquanto, deve permanecer somente entre 9h e 15h, de segunda a sexta-feira. A tarifa de R$ 2,65 é cobrada desde 21 de junho, quando a operação assistida foi encerrada e a linha passou ao regime de operação comercial.

A justificativa para a restrição de funcionamento, de acordo com o Metrô, é a necessidade de mais testes, de sistemas e trens, durante um período em que as vias estejam livres. Assim, o horário padrão, entre 4h40 até a meia-noite, prejudicaria a manutenção e o aperfeiçoamento do sistema.

O secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, no entanto, já sinaliza que pode ampliar o horário de funcionamento nos próximos dias. Segundo declarou no dia da posse, "é preciso mostrar para o capital privado que a união com o Estado funciona", referindo-se ao esquema de operação em parceria público-privada, inédito no Metrô paulistano.

Enquanto isso, corredores e escadas rolantes da Estação Paulista registram baixo movimento. As cerca de 35 escadas rolantes ficam ociosas em vários momentos, de acordo com um funcionário. As escadas, que operam com um sistema inteligente, têm a velocidade definida em função do número de pessoas que circulam pelo local.

Mão única. Embora as únicas duas estações da Linha Amarela liguem regiões onde há bastante movimento, o horário restrito entre 9h e 15h impede que mais pessoas usem o sistema sem recorrer aos ônibus ou carros.
Fernando Cha, estudante de Direito, por exemplo, trabalha na Avenida Faria Lima e mora perto da estação Paulista. Apesar de exaltar as qualidades da nova linha, ele reclama do trajeto para casa e é mais um dos passageiros que utilizam a linha em "mão única", por causa das restrições de horário. "O horário de início é ideal. Mas voltar é complicado. Preciso pegar um ônibus, com muito mais trânsito". Segundo ele, o tempo de viagem aumenta em pelo menos duas vezes sem o uso do Metrô.

Já Guilherme dos Santos Paiva, técnico em Eletrônica, trabalha dando suporte em diferentes locais, e considera a Linha 4 uma boa alternativa aos ônibus. Mesmo assim, tem ressalvas: "Já deu pra 'assistir' bastante, ver o que tem de certo e errado", diz ele sobre os testes feitos pelo Metrô, que impedem o funcionamento em horário comercial.

Na primeira quinzena de dezembro, segundo um usuário da linha que preferiu não se identificar, uma falha no sistema desabilitou o sistema driverless dos trens - que dispensa a presença de um condutor na composição - e elevou a duração da viagem para cerca de 20 minutos. Em média, o trajeto entre as estações Faria Lima e Paulista dura cerca de 3 minutos e meio.

"O driverless é um sistema seguro, e em casos de surgir algum problema ele automaticamente passa a operar em condição restritiva até a sua solução, uma característica de qualquer sistema de metrô", informa nota enviada pelo Metrô.

De acordo com balanço divulgado pelo Metrô em 2010, cerca de 3,7 milhões de passageiros utilizam o sistema em dias úteis. A Linha 4-Amarela responde por volta de 13 mil usuários (ou 2,8% dos passageiros que utilizam a rede metroviária diariamente). Já a Linha 3-Vermelha, a mais movimentada, recebe aproximadamente 1,2 milhão de pessoas.

Fonte: Estadão

1 comentários:

Diego Silva disse...

Sou blogueiro dos transportes sobre trilhos de São Paulo, e achei bastante interessante sua matéria. A linha 4-amarela foi entregue com muita pompa, muita expectativa e de fato, pudemos conferir algo bastante diferente no sistema do Metrô. Mas o que acontece de fato é que esse é o primeiro sistema do gênero na América Latina, o que realmente precisa ser muito testado. Além de tudo pertencer a uma concessionária (não é do Metrô, sim da ViaQuatro), estamos fadados a esperar pelos testes da concessionária. O Metrô passa por algo semelhante nas estações Tamanduateí e Vila Prudente (Linha 2-Verde), porém, com sinalização em CBTC. Mas de toda forma, opera em horários ainda maiores que a linha 4, com um volume maior de passageiros (Tamanduateí integra com a linha 10-turquesa da CPTM). Várias promessas de entregar duas estações ainda em 2010 foram feitas, todavia, não saíram. Todos os trens já chegaram (16 nessa primeira fase), então, acredito que essa demora seja por conta dos testes em todas as unidades coreanas. Sua reportagem aborda a realidade, todavia, há de se esperar muito dessa linha até a conclusão de suas obras. Parabéns pela matéria.

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960