Rio de Janeiro: Ônibus vão ser divididos por cor em regiões

sábado, 18 de setembro de 2010

O festival de cores, algumas em combinações duvidosas, e a poluição visual provocada pela falta de padronização dos ônibus da cidade deverão chegar ao fim no prazo de um ano. A prefeitura assinou, nesta sexta-feira, o contrato com os quatro consórcios vencedores da licitação para operar, pelos próximos 20 anos, as linhas municipais. Uma das regras é a nova identidade visual dos 8,5 mil veículos: eles serão brancos, com só alguns detalhes em outra cor, para identificar a região onde o coletivo circulará no Rio.

Assim, verde identificará as linhas da concessionária Santa Cruz (Zona Oeste); laranja, as da Internorte (Zona Norte); amarelo, as da Transcarioca (Jacarepaguá, Barra da Tijuca e Recreio); e azul, as da Intersul (Zona Sul e Grande Tijuca).

— Os ganhos estéticos para a cidade serão imensos. Todos os veículos terão a mesma cor, como acontece nos lugares mais civilizados do mundo — disse o prefeito Eduardo Paes.

Lelis Marcos Teixeira, presidente do Rio Ônibus (sindicato das empresas do setor), explicou que já foi preparada toda uma campanha para divulgar a nova identidade visual dos ônibus.

— O contrato nos deu regras claras para operar e também segurança jurídica. Acredito que a transformação final será em 2016, quando os corredores e a infraestrutura da cidade estarão prontos. Vamos investir ainda em 600 ônibus articulados para colocar em todos os BRts (Bus Rapid Transit ) — prometeu Lelis

O contrato de licitação atualizou ainda o Código Disciplinar do Serviço Público de Transportes de Passageiros por Ônibus. As penalidades serão ainda mais rígidas aos operadores. Entre elas, a anulação da concessão no caso do mau serviço prestado e multas no caso de a demora para rebocar um ônibus enguiçado em via pública exceder o prazo de 30 minutos.

As operadores também serão obrigadas a instalar GPS, para acessar em tempo real a movimentação da frota, e um sistema de segurança como câmeras de vídeos e tacógrafos eletrônicos, para registrar a velocidade dos veículos.

— O novo código é mais rigoroso e aumentamos os valores das multas. Para se ter uma idéia, é considerado gravíssimo a operadora que não atender a demanda dos usuários que dependem do transporte noturno — detalhou o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão.
Tarifa menor e linhas mais organizadas
Alexandre Sansão lembrou ainda que a redução de 45 empresas administrando as linhas de ônibus para apenas quatro consórcios facilita a racionalização do serviço.

— Teremos agora apenas quatro empresas administrado o sistema. Isso, associado ao Bilhete Único Carioca, vai nos permitir fazer a integração tarifária e ordenar melhor as linhas. As empresas não competem mais entre si, desta forma fazemos a racionalização da frota. Retiramos o excesso de veículos de linhas onda não existe a demanda, como na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, e ofertamos mais ônibus em outras regiões, como em Santa Cruz — explicou o secretário.

O prefeito Eduardo Paes citou a importância da implantação do Bilhete Único Carioca, a partir do próximo dia 30 de outubro.

— É sensacional para os moradores de áreas mais carentes das zonas Oeste e Norte, que hoje pagam R$ 7 para se deslocar até o local de trabalho, e passarão a pagar R$ 2,40.

Fonte: Extra online

Share |

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960