Metrô multa em R$ 88 milhões empresa por quebra de contrato nas obras da Linha 17-Ouro

sexta-feira, 31 de maio de 2019

O Metrô de São Paulo aplicou uma multa de R$ 88 milhões a uma das empresas do Consórcio Monotrilho Integração por descumprimento do contrato das obras da Linha 17-Ouro. A empresa Scomi, responsável pela entrega dos trens, é originária da Malásia e faliu, não entregado os equipamentos.
Foto: Nelson Antoine/Framephoto/Estadão 

O prazo para recurso da multa é de 5 dias úteis e o consórcio responsável pelo monotrilho informou que não comentaria o caso.

A construção da linha se prolonga há anos sem solução, já que a obra era prevista para a Copa do Mundo de 2014.

Em março deste ano, o Metrô rescindiu unilateralmente um dos contratos de construção porque a obra, capitaneada pela empreiteira Andrade Gutierrez, estava em ritmo muito lento. Agora, não há previsão de entrega.

A construção da Linha Ouro é dividida em cinco contratos, um para o pátio de manutenção, três para construir nove estações e o principal, que contempla trens, as vigas por onde eles passariam e a sinalização, que foi rompido.

Isso porque, segundo o Metrô, era o único setor parado da obra. O governo informou que tentou por várias vezes acelerar o ritmo para que a obra fosse entregue em 2020. Procurada, a Andrade Gutierrez diz que não vai se pronunciar sobre o contrato.

Informações: G1 SP


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960