Com 21 estações, VLT vai ligar Salvador e Região Metropolitana

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Chefe da Casa Civil do governo Rui Costa (PT), Bruno Dauster falou sobre o projeto do VLT de Salvador e da Região Metropolitana em entrevista à Rádio Metrópole nesta quinta-feira (26). De acordo com Dauster, o governo já tem a verba assegurada para a intervenção do VLT, que terá 21 estações. Na última quarta-feira (25), o governo anunciou que, até agora, a empresa Indico PLC, sediada em Peterborough, na Inglaterra, foi a  primeira a apresentar proposta para financiar o projeto.

 “Através do Governo do estado da Bahia, temos mais de R$ 1 bilhão de um fundo inglês e o vencedor da licitação poderá optar por esse financiamento e qualquer outro. É o dinheiro necessário para fazer o primeiro trecho. O custo real seria em torno de 6%, é um modelo novo, nunca foi feita uma PPP [Parceria Público Pivada] com recursos privados sem recursos do governo federal, que deu a desculpa que não tinha dinheiro”, disse. 

O secretário explicou como será o trajeto do VLT em Salvador. “Do Comércio sai próximo ao Mercado Modelo, em frente ao terminal marítimo. Mais tarde, pretende-se fazer um prolongamento, passando pela Barroquinha e chegando a Lapa, fazendo a integração física com o metrô. Vai ter paradas na Av. da França, vai passar na Feira de São Joaquim, Calçada. Vai substituir o equipamento antigo do meado do século passado. Vão ser implantadas novas paradas, como na Baixa do Fiscal, do Lobato, ao longo de todo trecho e em Paripe, teremos substituídos todos os pisos de embarque”, explicou Dauster. 

De acordo com o chefe da Casa Civil, o equipamento vai assegurar todo o conforto e segurança ao passageiro. “Vai ser rápido, com horário marcado e com ar condicionado. Estamos levando para o Subúrbio o conforto e o respeito que o Subúrbio merece. Faremos uma segunda reunião, vieram muitas empresas interessadas na audiência pública que fizemos em Paripe. Vamos fazer em São Paulo na Bovespa uma reunião pública. Havia uma demanda de empresas, por isso marcamos a reunião para detalhar e possíveis interessados em ser concessionários mostrarem seu interesse”, completou.

Informações: Metro1
READ MORE - Com 21 estações, VLT vai ligar Salvador e Região Metropolitana

Tarifa de ônibus de Manaus é reajustada para R$ 3,30

O valor da tarifa de ônibus do transporte coletivo de Manaus será reajustado de R$ 3 para R$ 3,30. O novo preço foi anunciado pela Prefeitura de Manaus na manhã desta quinta-feira (26), uma semana depois da greve que paralisou 100% da frota na capital. A meia passagem estudantil seguirá R$ 1,50.

O novo valor começa a valer a partir de sábado (28). A mudança foi discutida ao longo da semana em reuniões com empresários e trabalhadores do sistema rodoviário. A base da nova tarifa foi calculada em 10%, mesmo valor concedido ao reajuste salarial dos rodoviários.

"Fruto de muita discussão e pesquisa, levando em consideração o atual momento econômico do país, levando em consideração o pagamento do subsídio que a Prefeitura pagou sozinha, por conta própria, resolvemos impactar o menor possível para a sociedade e aumentar 10% o valor da tarifa", disse o prefeito em exercício, Marcos Rotta.

Rotta afirmou que Prefeitura arca com R$ 0,25 de subsídios na passagem convencional. O valor referente à passagem estudantil é de R$ 0,15. Os valores representam R$ 5 milhões por mês em subsídios.

Em contrapartida, as empresas se comprometeram em renovar e aumentar a frota de ônibus. A Prefeitura anunciou também que deve reforçar a fiscalização de transporte irregular. Além disso, os pontos de ônibus voltam a ser responsabilidade da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos(SMTU).

Na segunda-feira (23), o vice-prefeito havia confirmado à Rede Amazônica que o valor da tarifa do transporte coletivo da capital seria reajustado. Rotta, que intermediou a discussão, justificou que defasagem no valor.

Impasse
Desde o ano passado, o aumento da passagem tem sido alvo de luta judicial entre o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amazonas (Sinetram) e a Prefeitura de Manaus.

No dia 17 deste mês, rodoviários de diversas empresas do transporte público paralisaram as atividades. Nenhum dos 1,4 mil ônibus da capital circulou por mais de 10 horas. A paralisação da categoria descumpriu a decisão da Justiça do Trabalho, que determinou, na segunda (16), que 100% da frota estivesse nas ruas, após anúncio de greve pela classe. Ao todo, 400 mil usuários são prejudicados.

Segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviários de Manaus (STTR), Demógenes Egleses, a categoria exige o pagamento do dissídio coletivo de 2016 e o adicional de insalubridade, que também está atrasado.

Para 2016, a categoria deveria ter recebido reajuste entre 8,5 e 9,5%, segundo Egleses. Na semana anterior, os rodoviários tinham anunciado a greve da categoria, que foi suspensa após o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) acatar o pedido feito pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram).

Informações: G1 AM
READ MORE - Tarifa de ônibus de Manaus é reajustada para R$ 3,30

No DF, Reajuste nas passagens volta a valer neste sábado

As passagens de ônibus e metrô no Distrito Federal voltam a ficar mais caras a partir deste sábado (28). Segundo a Secretaria de Mobilidade, as catracas devem estar atualizadas já nas primeiras horas do dia, com os mesmos preços que vigoraram entre os dias 2 e 18 deste mês.

Com isso, os valores das passagens passam de R$ 2,25 para R$ 2,50 nas linhas circulares e alimentadoras do BRT; de R$ 3 para R$ 3,50 em linhas metropolitanas "curtas", e de R$ 4 para R$ 5 no restante das linhas, além do metrô. As tarifas são as mais caras do país, e já acumulam alta de 66% desde que o governador Rodrigo Rollemberg assumiu o cargo, em 2015.

Cartões do Metrô e de vale-transporte que foram recarregados durante a vigência dos preços mais baixos deverão ser cobrados pelo valor antigo. Segundo o governo, esse reajuste é necessário para manter o sistema funcionando e pagar as gratuidades de estudantes e pessoas com deficiência.

No último dia 12, a Câmara Legislativa aprovou um decreto legislativo que sustava a decisão do Palácio do Buriti e devolvia as passagens aos preços originais. O texto chegou a entrar em vigor em 18 de janeiro, e os valores nas catracas foram reduzidos, mas o governo conseguiu restabelecer o aumento na Justiça.

Na última terça (24), o Conselho Especial do Tribunal de Justiça decidiu por 15 votos a 6 que os reajustes poderiam ser aplicados novamente, pelo menos, até que o mérito da ação judicial seja julgado. No processo, o governo alega que a Câmara ultrapassou as próprias competências ao interferir na decisão do Executivo.

'Agilidade'
Se o cronograma anunciado pela Secretaria de Mobilidade for cumprido, o governo do DF terá usado apenas três dias para restabelecer o aumento. A "agilidade" repete o tempo gasto na implementação original do reajuste, em pleno réveillon. Os preços novos foram anunciados em 30 de dezembro, uma sexta-feira, e passaram a valer na outra segunda (2).

Quando o reajuste foi suspenso pela Câmara, no entanto, o governo do DF usou o dobro do tempo para cumprir a alteração. Na época, a Casa Civil afirmou que o procedimento era complicado e envolvia publicação dos textos em Diário Oficial, contato com as empresas que operam no transporte e atualização dos sistemas de cobrança (validadores).

Na Justiça
Apesar do retorno dos reajustes neste sábado, o tema segue sob contestação na Justiça local. A ação protocolada pelo governo, referente ao decreto da Câmara, ainda será julgada no mérito. Isso significa que a permissão do Conselho Especial para o aumento é temporária, e que a validade da decisão tomada pelos deputados ainda será avaliada. Não há prazo para que isso ocorra.

Nesta quarta (25), partidos de base e oposição a Rollemberg, movimentos sociais e sindicais entraram com uma nova ação no Tribunal de Justiça para contestar o reajuste. O grupo sustenta que o texto elaborado pelo Buriti é ilegal e que os novos preços deveriam ter sido aprovados pelo Conselho de Transporte Público Coletivo (CTPC), que não se reúne desde 2014.

De acordo com o grupo, uma ação que tinha o mesmo teor chegou a ser arquivada porque o Tribunal alegou faltar documentos comprovando que o CTPC não havia sido ouvido. Desta vez, o processo tem as atas das últimas reuniões da entidade como anexos.

O deputado Wasny de Roure (PT) informou que o partido também entrará na Justiça contra o aumento nas passagens. Segundo o distrital, a medida deverá ser protocolada até a próxima sexta-feira (27). A Câmara Legislativa também deverá assumir uma terceira ofensiva judicial.

Segundo Roure, um dos questionamentos levantados pelos consultores jurídicos do PT é de que o estudo que justifica o reajuste tem como base apenas alegações feitas por uma cooperativa. Análises de outras empresas só chegaram ao governo um dia antes do anúncio do aumento.

Informações: G1 DF
READ MORE - No DF, Reajuste nas passagens volta a valer neste sábado

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960