Metrô do Recife sofre com comércio informal e muito lixo

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Uma vergonha e muita falta de consciência, quem circula pelo metrô do Recife percebe a sujeirada deixada por usuários maus educados e também pelo comércio informal que ficam dentro dos trens e estações, pois este problema aumentou e muito depois do aumento de ambulantes dentro do sistema.

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) gasta aproximadamente R$ 8,5 milhões por ano com limpeza. “É um dinheiro que faz falta, sim. Com esse dinheiro, poderíamos investir na organização da frota, no conserto de escadas rolantes e elevadores, numa maneira geral, melhorar o sistema para o próprio passageiro”, afirmou Salvino Gomes, assessor de comunicação da CBTU. Ele ressaltou ainda que o lixo atrai ratos, que roem os cabos de transmissão de dados, causando problemas e atrasos nos trens.

Em vários trechos foram encontradas montanhas de sujeira. Na Estação Joana Bezerra, havia embalagens plásticas e sacos de pipoca entre os trilhos. Fora da estação, o lixo parece ter se acumulado há muitos dias perto de barracos. Dentro da estação, é possível ver caixas e copos vazios jogados no chão. Cenário semelhante é visto nos terminais de Afogados e Ipiranga.

Para Salvino Gomes, isso reflete a falta de consciência da população. “A primeira coisa que tem que ser feita é, infelizmente, que as pessoas tenham mais consciência, que não transformem a nossa via do metrô em uma grande lixeira”, pediu.

Com Informações do G1 PE


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960