No Rio, Avenida Brasil tem nova interdição

domingo, 9 de agosto de 2015

Motoristas que nesta última semana enfrentaram longos engarrafamentos na Avenida Brasil, devem se preparar para dias de congestionamentos ainda maiores. A partir deste sábado (8), a Avenida Brasil terá a pista central, no sentido Zona Oeste, vai ser totalmente interditada no trecho entre o Trevo das Missões, em Cordovil, e o Trevo das Margaridas, em Irajá. As interdições são para a realização das obras do BRT Transbrasil.

Inicialmente programada para o dia 1º de agosto, essa interdição causou tantos transtornos no trânsito, que precisou ser adiada para a realização de ajustes. O trecho fechado ao tráfego tem aproximadamente quatro quilômetros.

A faixa reversível será mantida neste trecho, na pista central sentido Centro. Sendo o que o início da sua implantação, no sentido Zona Oeste, vai funcionar nos dias úteis, das 11h às 21h. Caminhões e carretas estão proibidos de circular pela faixa reversível.

Nos demais dias e horários, essa faixa vai funcionar normalmente como exclusiva de ônibus, no sentido Centro.

A Secretaria de Transportes observa ainda que a faixa reversível deve ser usada somente por veículos que vão seguir para a Zona Oeste. Motoristas que forem para a Rodovia Presidente Dutra devem seguir pela pista lateral. Inclusive os ônibus.

Os caminhões com altura superior a 4,5 metros não vão poder seguir pela Avenida Brasil após o acesso à Via Dutra. Eles devem seguir pela Avenida Brasil, Via Dutra, entrar no Viaduto Coronel Phidias Távora (no Jardim América), seguir pela Avenida Rio D’Ouro pegar novamente a Via Dutra e a Avenida Brasil.

A CET-Rio calcula que haverá impacto no trânsito da própria Avenida Brasil, no sentido Zona Oeste, com reflexos na Rodovia Washington Luís. Por isso, aconselha a população a usar o transporte público e, se possível, optar pela Linha Vermelha ou rotas alternativas, como o corredor da Rua Vinte e Quatro de Maio, Avenida Pastor Martin Luther King, Avenida Leopoldo Bulhões, em direção à Zona Oeste.

A CET-Rio lembra ainda que a faixa reversível no trecho entre o Caju e a Ilha do Governador continua a ter o horário de funcionamento das 13h às 21h e passou a ser implantada também aos domingos, desde 2 de agosto, com o objetivo de minimizar o impacto das interdições na Ponte Rio- Niterói.

Informações: G1 Rio

READ MORE - No Rio, Avenida Brasil tem nova interdição

Faixa exclusiva de ônibus começa a funcionar em Santos

A faixa exclusiva de ônibus da Rua João Pessoa, entre a Avenida Conselheiro Nébias e a Praça dos Andradas em Santos, no litoral de São Paulo, começará a funcionar a partir desta segunda-feira (10). Este será o primeiro corredor exclusivo para o transporte público.

De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o objetivo é reduzir o tempo de percurso dos coletivos em cerca de 25%. Cerca de 55 mil passageiros serão beneficiados pelo novo sistema.


Ao longo da segunda-feira, agentes de educação para o trânsito realizarão uma campanha educativa com motoristas e comerciantes, distribuindo folhetos. Quem estacionar no corredor pode ser multado em R$ 85,13, com quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Para quem circula na faixa da direita, a penalidade é multa de R$ 191,54, com acréscimo de sete pontos na CNH.

Informações: G1 Santos

Leia também sobre:
READ MORE - Faixa exclusiva de ônibus começa a funcionar em Santos

Obras avançam nos canteiros da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro

A um ano dos Jogos Olímpicos de 2016, o secretário de Estado de Transportes, Carlos Roberto Osorio​, acompanhado por representantes das associações de Moradores e Comercial, da Barra da Tijuca, visitou os canteiros de obras da Linha 4 do Metrô (5 de agosto). A Linha 4 é o maior legado em transporte que a população do Rio de Janeiro ganhará com as Olimpíadas.

Na Barra da Tijuca, as obras avançam nos canteiros da Ponte Estaiada e da Estação Jardim Oceânico, que está 100% escavada e em fase de acabamentos. A Ponte Estaiada - suspensa por cabos de aço - ligará os túneis construídos no Morro do Focinho do Cavalo à Estação Jardim Oceânico sobre o canal da Barra da Tijuca, única parte onde os trens da Linha 4 poderão ser vistos fora do subterrâneo.

Os dois pilones da ponte, estruturas de concreto onde os estais são fixados, ultrapassaram 50 metros de altura e, ao fim da obra, chegarão a 72 metros. O trecho estaiado terá 250 metros de extensão e, na semana passada, os primeiros conjuntos de cabos de aço (estais) começaram a ser instalados. A ponte terá iluminação cenográfica feita pelo artista das luzes Peter Gasper, responsável pela iluminação do Cristo Redentor, quando o monumento completou 80 anos, e do Planalto Central.

"Teremos a ponte estaiada concluída também até o final deste ano. Com isso entramos numa etapa de acabamento de colocação de trilhos, instalação da sinalização metroviária para que em abril e maio comecemos os testes, sem passageiros. No dia 1° de junho de 2016, o metr​ô entra em operação assistida, levando passageiros fora do horário de pico, e 1° de julho entra em operação comercial, ligando a Barra da Tijuca ao Jardim Oceânico até Ipanema", disse o secretário Carlos Roberto Osorio.

Na Estação Jardim Oceânico, ​o secretário e os demais convidados fizeram o mesmo trajeto dos passageiros que chegarão, à Barra da Tijuca, a partir de junho de 2016: caminharam pelas plataformas de embarque e desembarque e subiram as escadas até o mezanino, onde as bilheterias já foram construídas. A comitiva também acompanh​ou ​de perto a última fase de obra bruta desta estação, uma solução arquitetônica que valoriza a iluminação e ventilação naturais. Trata-se do “céu estrelado”, um arco de 68 metros de comprimento e 10,7 metros de largura no vão central da superfície da estação, que cobre a área de circulação de passageiros.

Feito em concreto, do lado de fora, este arco formará um telhado verde, que tem a vantagem de promover isolamento térmico no subsolo e garantir um diferencial estético e ambiental. Para os passageiros, no entanto, a impressão dentro da estação será de um céu estrelado, isso porque haverá mais de uma centena de pontos de captação de luz natural. A 12 metros de altura do mezanino da estação, na área de circulação de passageiros, o arco será circundado por vidraças e aberturas laterais.

Ao fim da visita, as autoridades deixaram a estação pelo acesso de passageiros da Rua Fernando de Matos, onde até as escadas rolantes já foram instaladas. Este acesso está finalizado, com pastilhas nas paredes, piso de granito, guarda corpo, estruturas metálicas e cobertura de vidro com película antirresíduo, o que contribui para o conforto térmico, melhor visibilidade dos passageiros e integração com o paisagismo do entorno.

Andamento da obra
Já foram escavados mais de 12 km de túneis entre a Barra e Ipanema e falta apenas 1,3 km na ligação metroviária que estará em funcionamento em junho de 2016, antes dos Jogos Olímpicos. Os trilhos também estão sendo instalados e somam 16 km de extensão.

Quatro estações estão completamente escavadas e em fase de acabamentos: além de Jardim Oceânico, São Conrado, Antero de Quental e Nossa Senhora da Paz. Na Estação Jardim de Alah, no Leblon, que recebeu o Tunnel Boring Machine, o ‘Tatuzão’, no último dia 10 de julho, os colaboradores constroem o último acesso de passageiros à estação.

O equipamento passa por manutenção programada, enquanto é arrastado por dentro da estação, e voltará a escavar em direção à Estação Antero de Quental em setembro. Ao mesmo tempo em que escava, o ‘Tatuzão’ instala anéis de concreto (aduelas) que revestem o túnel. A produção das 2.754 aduelas necessárias para a construção de todo o túnel da Zona Sul foi concluída em julho de 2014.

"Agora a velocidade média do Tatuzão está acima do esperado e nós temos absoluta confiança na execução dos prazos e no cumprimento do cronograma. Então chegamos nessa marca de um ano antes dos jogos olímpicos com a Linha 4 do metrô absolutamente dentro do cronograma  e com uma segurança muito grande", afirmou o secretário ​Osorio.

Nova linha será inaugurada em junho de 2016
Enquanto avançam as obras de infraestrutura da Linha 4 do Metrô, os sistemas que garantirão a energização para circulação dos trens estão sendo montados. O serviço de lançamento de cabos está sendo feito entre São Conrado e Leblon. Na primeira etapa, os cabos de energia da Linha 4 foram conectados à subestação Botafogo pela Linha 1 do Metrô, no trecho entre as estações Botafogo e Cantagalo. O serviço já foi executado nos túneis entre a Barra da Tijuca e a Estação São Conrado.

Em junho de 2016, a Linha 4 do Metrô entra em operação assistida, fora do horário de pico e com intervalos maiores no fluxo dos trens, para que os últimos ajustes operacionais sejam feitos. A operação comercial da nova linha nos mesmos horários das demais linhas do metrô será iniciada em julho de 2016, quando estarão funcionando as estações Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, São Conrado e Jardim Oceânico. A Estação Gávea teve o projeto alterado para ampliar a possibilidade de futuras expansões da malha metroviária do Rio. Por isso, o cronograma da estação foi modificado.

Doze dos 15 novos trens da Linha 4 chegaram à cidade e três deles já circulam com passageiros. As demais composições passam por testes e ajustes operacionais e, depois, vão operar na Linha 1 até que a Linha 4 seja inaugurada. Até dezembro, todos os trens estarão no Rio.

Informações: FSB Comunicação

READ MORE - Obras avançam nos canteiros da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro

Em Salvador, VLT vai substituir trens do subúrbio e terá 21 paradas

Os trens que ligam os bairros do Subúrbio Ferroviário à Calçada, em Salvador, irão dar lugar ao Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Em entrevista ao G1, o secretário da Casa Civil, Bruno Dauster, antecipou que a autorização de licitação das obras será assinada em 14 de agosto, com aporte de verbas estimado em R$ 1,1 bilhão. Conforme o secretário, diante da crise na economia nacional, o valor será dividido pela metade entre os governos estadual e federal. “Com a crise fiscal, corria o risco de atraso se o estado não assumisse”, disse. A presidente Dilma Rousseff foi convidada para participar da cerimônia de publicação do edital de licitação, mas a Casa Civil ainda aguarda resposta do Planalto.

Atualmente, os trens de Salvador ligam o bairro de Paripe à Calçada, num percurso de 13,6 km. Com o novo modal de transporte, o sistema será ampliado e se estenderá entre a Avenida São Luiz, em Paripe, e o bairro Comércio. São 4,9 km a mais de trilhos, que, integrados aos existentes, farão o VLT percorrer um total de 18,5 km.

Dauster detalhou que o projeto será dividido em duas etapas. A primeira delas ocorre entre os bairros do Comércio e de Plataforma (9,4 Km) e a segunda entre Plataforma e São Luiz de Paripe (9,1 Km). A previsão do governo é a de que ambas as fases estejam em operação no segundo semestre de 2017. Diferentemente do atual sistema que liga o subúrbio à Calçada, o VLT é composto por trens mais leves e com um maior roteiro de paradas.

Sistema de paradas
O secretário da Casa Civil explicou que as atuais 10 estações serão desativadas e reaproveitadas na prestação de serviços aos moradores. “Os prédios das estações terão outros usos. Poderá ser um posto da PM, centro de atendimento ao cidadão”, exemplificou.

Dauster informou que a desativação dos prédios é necessária por conta do perfil do novo modal. “O trem [do VLT] irá andar no chão, como se fosse ônibus. Você agora vai ter paradas e não estações”, afirmou. O secretário antecipou que a previsão é de que o VLT tenha 21 paradas. “Podem ser muitas. A depender das necessidades, criaremos novas”, disse.

Na primeira etapa das intervenções, entre Comércio e Plataforma, o secretário da Casa Civil apontou a criação de quatro novas paradas, além das estações já existentes: São Joaquim, Porto, Avenida da França e Comércio. Na segunda etapa, estão previstas novas paradas na Baixa do Fiscal, Viaduto Suburbana, União, São João e São Luiz de Paripe.

Perspectivas
O estado estima que, diante das intervenções, a média diária de público que utiliza o transporte sobre trilho suba de 15 mil para 150 mil. Embora ainda sem licitação, o estado espera que o VLT se estenda do Comércio para a Lapa.

Bruno Dauster afirmou que o novo VLT irá funcionar de forma interligada aos demais modais de transporte da capital.

Conforme o projeto, por meio do VLT, os usuários terão acesso às Linhas 1 e 2 do metrô e a dois roteiros de BRT (Transporte Rápido por Ônibus), todas com obras de conclusão previstas para 2017. “Logo que estiver operando, estará tudo integrado. Isso vai significar uma revolução na geografia de transporte”, avaliou.

Por Henrique Mendes
READ MORE - Em Salvador, VLT vai substituir trens do subúrbio e terá 21 paradas

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960