Recife: Parece com tudo de ruim, menos estações de BRT

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Enquanto a licitação para contratar uma nova construtora que substitua o Consórcio Mendes Júnior – Servix Engenharia S/A não sai, as estações de BRT (ônibus de trânsito rápido) do Corredor Leste-Oeste não concluídas se degradam a olhos vistos. As seis paradas da Avenida Conde da Boa Vista, no Centro do Recife (por onde circulam 22% das linhas de ônibus da Região Metropolitana) são o retrato de uma obra que se perdeu em meio à falta de planejamento do poder público. Seriam provisórias, tornaram-se definitivas e, com a obra paralisada desde novembro, estão tomadas por lixo, pichações e ferrugem. 
Estações de BRT da Conde Boa Vista são horríveis e não estão dentro do perfil do modal, fica a pergunta, onde tem R$ 316 mil em cada estação horrível dessa.

A situação mais crítica é a da estação em frente ao Colégio São José. Lá, móveis velhos dividem espaço com restos de comida, lixo e um mau cheiro insuportável. Comerciantes da área dizem que, à noite, o espaço “serve para tudo”, inclusive como abrigo de moradores de rua. Alguns pedestres se arriscam a cortar caminho por dentro da estação, outros tapam o nariz e mudam de rumo ao ver o cenário em que ela se encontra.

Na estação em frente ao Atacado dos Presentes a ferrugem se espalha por todos os lados. A estrutura de sustentação também está empenada, aparentemente vestígios de um acidente de trânsito. As outras não estão muito diferentes.

“É um descaso do poder público. Não sei o que estão fazendo com o dinheiro do povo, foi gasto muito aqui e não acredito que vão terminar a obra”, afirma a blogueira Liliane Messias, 25 anos. A aposentada Ana Falcão, 66, diz que é constrangedor não só as estações abandonadas, mas o fato de ver o BRT passando pela via sem poder usá-las. “Eu moro aqui perto, mas tenho que pegar um ônibus até a Avenida Guararapes para usar o BRT, isso é uma esculhambação”.

As estações da avenida foram projetadas como uma alternativa provisória para colocar o corredor – que liga Camaragibe a Recife – em funcionamento antes da Copa do Mundo. Ignorando quase todos os princípios do BRT, elas nasceram bem diferente das irmãs: são em chapa metálica perfura e vidro temperado, sem refrigeração como as demais. Bastante estreitas e fora do nível dos BRTs não deixam dúvida do desconforto a ser oferecido quando concluídas, apesar de terem sido orçadas em R$ 316 mil cada, totalizando R$ 1,9 milhão. Detalhe: na avenida circulam 82 linhas de ônibus que transportam, diariamente, cerca de 325 mil passageiros.
Paradas ou estações já viraram piadas entre a população

As obras do corredor não têm data para serem retomadas. A Secretaria Estadual das Cidades entrou com rescisão contratual e pedido de aplicação de penalidade contra a Mendes Júnior (acusada de envolvimento na Operação Lava Jato, que investiga lavagem de dinheiro e evasão de divisas da Petrobras, por ter parado a obra. Agora vai contratar empresa para levantar o que falta para concluir o corredor e, com esse diagnóstico, fazer nova licitação e contratar a construtora que dará continuidade à obra, orçada em R$ 145,3 milhões e prevista para ser concluída há 18 meses.

No Corredor Norte-Sul (que faz a ligação entre Igarassu e Recife), o passeio da Estação Nossa Senhora do Carmo, no Centro do Recife, também é utilizado como abrigo para a moradora de rua Rosali Freire da Silva, 60 anos. Ela diz que já está lá há dois meses, pois o local a protege do sol e chuva. Lá mesmo acomoda as doações que recebe da população. "Você não arruma uma casa da Cohab para mim?", perguntou ela quando falava com a reportagem. Há pouco tempo, um bar também se instalava no local às sextas-feiras.

Informações: JC Online

READ MORE - Recife: Parece com tudo de ruim, menos estações de BRT

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960