Prefeitura de SP proíbe circulação de táxis em corredores de ônibus

domingo, 16 de março de 2014

A prefeitura de São Paulo vai anunciar nesta sexta-feira a restrição da circulação de táxis nos corredores de ônibus da cidade. A decisão foi tomada depois de estudo da própria prefeitura mostrar que os táxis atrapalham a velocidade dos ônibus nesses locais. Essa é a primeira mudança de regras desde que os táxis foram liberados nos corredores, em 2005, e já começa a valer hoje. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

A decisão faz parte de um acordo entre o Ministério Público  - representado pelo promotor Maurício Ribeiro Lopes, que antes pediu o veto total a esses veículos em corredores -, a administração municipal e o secretário de Transportes, Jilmar Tatto. Desde 2005, o acesso ao corredor é livre para táxias a qualquer hora do dia, desde que estejam levando pelo menos um passageiro. 

Os usuários de táxi representam apenas 1% da população que é transportada nas pistas exclusivas, e uma simulação feita pela SPTrans na avenida Rebouças mostra que a velocidade dos coletivos cai de 24,4 km/h para 17,1 km/h por causa da concorrência com os veículos particulares: uma redução de 30%.

READ MORE - Prefeitura de SP proíbe circulação de táxis em corredores de ônibus

Goiás recebe R$ 570,3 milhões para construção de corredores de ônibus

A presidente Dilma Roussef (PT) anunciou na quinta-feira (14) a liberação de R$ 570,3 milhões para obras de mobilidade urbana em Goiás. Do total, R$ 545,3 milhões serão destinados à Prefeitura de Goiânia, para investimentos em corredores de ônibus e no Bus Rapid Transit (BRT) Norte e Sul. Já os outros R$ 25 milhões serão repassados ao governo estadual para obras na capital, como o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), extensão do Eixo Anhanguera e prolongamento do BRT até Aparecida de Goiânia.

A solenidade para repasse dos investimentos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Mobilidade Urbana foi realizada no Palácio do Planalto, em Brasília. Durante a cerimônia, Dilma disse que o país teve carência de investimentos no setor nas décadas de 80 e 90. “Temos que correr atrás do tempo. Vamos ter de diminuir essa defasagem que existe entre a necessidade da população e os investimentos”, afirmou.

Com a liberação dos recursos, a Prefeitura de Goiânia poderá dar andamento na execução em construção de corredores de ônibus e do BRT Norte e Sul, sistema de ônibus de alta capacidade como o utilizado atualmente do Eixo Anhanguera, mas que fará o eixo norte-sul da cidade.

Trânsito e transporte são principais desafios de Goiânia, diz pesquisa
O novo sistema terá 21,7 km de extensão e ligará as regiões noroeste (Terminal Recanto do Bosque) e sudoeste (divisa com Aparecida de Goiânia). Neste percurso, estão previstas as construções de trechos com corredores preferenciais para os ônibus e sete terminais. Para isso, algumas alterações serão necessárias no trânsito da capital, como a proibição de estacionamento ao longo de toda a Avenida Goiás e a duplicação da Avenida Rio Verde até a Avenida 4ª Radial.

Em entrevista ao G1, o coordenador da Unidade Executora do BRT, Ubirajara Alves Abud, explica que um dos diferenciais do projeto para o sistema que já está em funcionamento na capital é o aumento da velocidade. "Hoje a média em que os coletivos circulam é  de 14 km/h. Com o BRT, isso passará para 30 km/h, pois serão eliminados alguns pontos de passagens de carros e os semáforos terão uma operação especial, de acordo com a aproximação dos ônibus", explicou.

Inicialmente, segundo Ubirajara, a previsão é de que o BRT transporte 120 mil pessoas por dia. "Esse é um projeto que vai revolucionar o transporte de Goiânia, pois trará mais qualidade. Os estudos começaram em 2011 e estão em fase avançada, sendo que a parte executiva já está em andamento, até por isso o governo federal acabou o selecionando por meio do PAC. Agora, após a liberação dessa verba, a previsão é de que, até o fim deste mês, os contratos para realizações das obras comecem a ser assinados", destacou.

Além de Goiás, foram anunciados recursos para a Paraíba, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte, Tocantins, Maranhão e Goiás, além do Distrito Federal.

Veículo Leve Sobre Trilhos
Dos R$ 25 milhões que foram repassados ao governo estadual, R$ 5 milhões serão destinados à implantação do VLT no Eixo Anhanguera, em Goiânia. Os recursos devem ser usados para a elaboração de projeto de obras complementares e melhorias, segundo o governo.

A obra, que tem um custo total orçado em R$ 1,3 bilhão, será realizada pelo consórcio formado pela Odebrecht Transport e a Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC), empresa que opera as linhas de ônibus na capital e região. O grupo foi o único que a apresentou interesse na licitação, oficializada em dezembro do ano passado.

Para a implantação do metrô de superfície, os terminais e plataformas dos 14 quilômetros que já existem na Avenida Anhanguera serão reconstruídos. Dos 53 cruzamentos existentes, 18 devem ser fechados para garantir a velocidade do novo sistema. Com isso, entre uma ponta a outra da linha, cada viagem deve ficar 20 minutos mais rápida.

O VLT de Goiânia contará com 30 composições e de dois vagões. Cada um transportará 300 pessoas e as partidas ocorrerão a cada três minutos, segundo o consórcio. Atualmente, os ônibus biarticulados que circulam pelo Eixo Anhanguera transportam cada um cerca de 200 passageiros por hora, enquanto os dois vagões vão levar 600 por viagem.

O presidente do Grupo Executivo do VLT, Carlos Maranhão,  estimou durante o anúncio do consórcio vencedor, que as obras teriam início no final de janeiro e terminariam dois anos depois, em 2016. No entanto, segundo a entidade, o contrato do consórcio com o governo não foi formalmente assinado até esta sexta-feira (14) e os trabalhos ainda não foram iniciados.

Além do VLT, o governo estadual informou que vai investir R$ 2 milhões no projeto de extensão do Eixo Anhanguera já existente, onde serão implantados corredores exclusivos para o prolongamento.

O BRT de Goiânia também terá uma extensão até o Terminal Veiga Jardim, em Aparecida de Goiânia, cuja obra será de responsabilidade do estado. Nessa etapa, devem ser investidos mais R$ 3 milhões.

Já os outros R$ 15 milhões da verba do governo federal devem ser destinados ao prolongamento do BRT que ligará a cidade de Luziânia à divisa de Goiás com o Distrito Federal e na construção de 10 km de corredores exclusivos para ônibus em Novo Gama e Luziânia.

Por Fernanda Borges
Informações: G1 Goiânia

READ MORE - Goiás recebe R$ 570,3 milhões para construção de corredores de ônibus

Em Manaus, Ônibus começam a utilizar plataformas da Autaz Mirim

A partir de segunda-feira, 17, quatro linhas de ônibus passarão utilizar as oito plataformas do BRS da avenida Autaz Mirim para o embarque e desembarque de passageiros. Serão 52 ônibus articulados que saem do Terminal Jorge Teixeira – T4, fazem integração no Terminal São José – T5, ambos localizados na zona Leste, e seguem para as demais zonas da cidade.
Foto: skyscrapercity.com
Segundo o Superintendente da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos – SMTU, Pedro Carvalho, a transferência dessas linhas da faixa da direita para a da esquerda representa melhorias no tempo de viagem praticado por elas. “Os ônibus do transporte coletivo circulam com mais facilidade na faixa da esquerda, porque nessa faixa não existem carros estacionados e nem ruas de acesso com veículos entrando e saindo. Há um significativo ganho na velocidade e uma diminuição no tempo de viagem que será percebida pelos usuários que utilizam essas linhas”, afirmou Carvalho.


Este foi o segundo lote do BRS inaugurado de um total de quatro que totalizam 41 plataformas. O prefeito Arthur Neto destacou que nos próximos meses o BRS deve estar com a primeira fase toda em funcionamento podendo oferecer uma melhor qualidade no transporte coletivo oferecido a população.

Confira a localização das plataformas e as linhas que as utilizarão a partir de segunda-feira, 17:

Av. Autaz Mirim (ordem no sentido bairro/ Centro)

01 – Estação Platão
02 – Estação Bela Vista
03 – Estação Fuxico
04 – Estação 14º DIP
05 – Estação Evaldo Braga
06 – Estação Termoelétrica
07 – Estação Grande Circular
08 -  Estação Grande Família

Linhas da Plataforma:

600 - T4 / T5 / CENTRO
650 - T4 / T5 / TEFÉ / T2 / CENTRO
652 - T4 / T5 / V-8 / T1 / CENTRO
678 - T4 - T5 / V-8 / P. NEGRA  

Informações: d24am.com
READ MORE - Em Manaus, Ônibus começam a utilizar plataformas da Autaz Mirim

Em BH, Motoristas do BRT fazem treinamento na Avenida Antônio Carlos

Motoristas do BRT (sigla para Transporte Rápido por Ônibus em inglês) começaram um treinamento neste sábado (15) na Avenida Antônio Carlos, em Belo Horizonte. Eles aprenderam como parar o veículo na distância correta das plataformas.

O treinamento aconteceu entre o Viaduto São Francisco e a Avenida Abraão Karan. Quatro ônibus fizeram 22 viagens no total. O exercício vai continuar durante os dias úteis. De acordo com a Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), a ação faz parte do cronograma de implantação do BRT.

O sistema ainda não está pronto para receber passageiros. Muitas estações ainda estão em obras. A BHTrans informou que o BRT da Antônio Carlos está previsto para ser concluído até o final de maio.

Informações: G1 Minas

READ MORE - Em BH, Motoristas do BRT fazem treinamento na Avenida Antônio Carlos

Em SP, Passageiros a partir dos 60 anos poderão usar gratuitamente ônibus

Todas as pessoas, a partir dos 60 anos, poderão utilizar os ônibus municipais sem pagamento de tarifa a partir desta segunda-feira (17). A regulamentação foi publicada na última sexta-feira (14) no DOC (Diário Oficial da Cidade).

Anteriormente, a gratuidade era apenas a partir dos 65 anos para homens. Já as mulheres já tinha direito com 60 anos. Os idosos devem apresentar um documento com foto para o motorista ou cobrador e desembarcar pela porta dianteira.

Os interessados também podem fazer o Bilhete Único Especial. O cadastro para ter o cartão poderá ser feito em 24 postos diferentes da SPTrans na cidade, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h.

É necessário levar original e cópia da carteira de identidade (RG) e comprovante de residência de no máximo seis meses.

A foto para o cartão é feita no local, no momento do cadastro e não tem custo. O cartão tem validade anual e deve ser renovado próximo a data de vencimento. Segundo a SPTrans, cerca de 600 mil idosos possuem o bilhete na capital paulista.

Informações: R7.com

Leia também sobre:
READ MORE - Em SP, Passageiros a partir dos 60 anos poderão usar gratuitamente ônibus

Passageiros enfrentam aperto no metrô de Belo Horizonte

Exercício permanente de paciência, momentos de desespero e a certeza de que amanhã – independentemente de qual dia seja – poderá ser pior. Essa é a situação dos milhares de passageiros que circulam na única linha de metrô da Grande BH: a que vai da Estação Vilarinho, em Venda Nova, na capital, ao Bairro Eldorado, em Contagem. Ontem, no horário de pico da manhã (das 6h30 às 8h) as reclamações se multiplicavam, potencializadas por problemas em dois dias consecutivos. No início da manhã de terça-feira, uma falha na sinalização causou lentidão nos trens; anteontem, houve pane no fechamento das portas, obrigando a troca de composição. O certo mesmo é que, na semana em que a mobilidade urbana está na ordem do dia, com a estreia do BRT/Move, os usuários do metrô exigem mais comodidade e espaço.

Funcionária de um escritório no Centro e moradora do Bairro Jaqueline, na Região Norte de BH, Zilma de Jesus Soares Cardoso não esquece a demora na manhã de quarta-feira. “Perdi umas três horas nessa confusão, por isso mesmo gravei tudo no meu celular, para mostrar ao chefe”, disse Zilma, tirando o telefone da bolsa e mostrando as cenas de uma multidão à espera do transporte. Ao lado, um homem, que preferiu não se identificar, disse que o metrô manteve velocidade de 20km/h, “atrasando a vida da gente”. Antes mesmo de o trem parar na estação, por volta das 6h40 de ontem, um rapaz dava o alerta: “Não empurra, não, gente! Olha o desespero!”

Eram 7h na Estação Vilarinho quando o trem chegou à plataforma lotada de trabalhadores, estudantes, donas de casas, grávidas e mães com crianças no colo. “Às vezes, sou obrigada a esperar até pelo terceiro trem, de tanta gente que fica aqui”, contou a aluna de medicina Thaís Silva Nunes, moradora de Justinópolis, em Ribeirão das Neves, na Grande BH. “O meu pai me traz todos os dias, de carro, até a estação e, no total, seriam 35 minutos. Mas com essa superlotação, fica difícil ganhar tempo”, queixou-se a jovem, que faz estágio em um hospital no Bairro Santa Efigênia, na Região Leste. “O conforto é zero, precisamos de mais vagões e também de respeito, pois pouca gente lembra que há lugares preferenciais para idosos, gestantes e outros”, destaca Thaís.

Uma das principais reclamações dos passageiros diz respeito ao empurra-empurra. Na manhã de ontem, o Estado de Minas flagrou a dificuldade de uma mulher que tentava entrar no trem com duas sacolas. Na pressa de embarcar ela empurrava as pessoas e acabou deixando metade das bolsas do lado de fora da porta. O trem só pôde seguir depois que a passageira conseguiu segurar os seus pertences, ajudada por um homem que não embarcou. “Se a gente não fica velhaco, empurram e a gente pode se machucar”, disse o vendedor Mariano Florivaldo, que trabalha no Centro e já bateu com a perna ao ser projetado com violência para dentro do trem. “Doeu por uns 15 dias”, recordou-se, na manhã de ontem.

PÉS NO CHÃO Da Vilarinho até a Estação São Gabriel, de onde partem agora os ônibus do BRT/Move, não faltaram indignação e pedidos de melhorias no metrô. “É sempre um caos, anda todo mundo apertado de manhã cedo”, afirmou o estudante de gestão Alisson Guilherme, de 21 anos, morador de Ribeirão das Neves. A cabeleireira Rosane Modesto, que trabalha no Bairro Calafate, na Região Oeste, costuma chegar às 6h40 à Vilarinho e esperar pelo terceiro trem. “Há momentos em que não dá nem para pôr os dois pés no chão. Nunca consigo viajar assentada”, reclamou a cabeleireira. 

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), responsável pela operação do metrô de Belo Horizonte, foi procurada, mas não se manifestou sobre as queixas dos passageiros.

Informações: Estado de Minas

READ MORE - Passageiros enfrentam aperto no metrô de Belo Horizonte

Em Goiânia, Equipamentos eletrônicos começam a multar invasão no corredor T-63

Os equipamentos de fiscalização eletrônica instalados pela Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Trânsito Transportes e Mobilidade (SMT) na Avenida T-63, para implantação do corredor do transporte coletivo já começam a autuar,amanhã. Foram implantados inicialmente seis equipamentos, ao longo da avenida, em dois trechos, compreendidos entre o Parque Anhanguera e o Setor Nova Suíça, e o Setor Nova Suíça e o Setor Pedro Ludovico.

Os dispositivos instalados nos cruzamentos da T-63 com T-15 (Setor Bueno) e T-63 com Alameda Couto Magalhães (setores Pedro Ludovico/Bela Vista) começam a autuar neste sábado, após caráter educativo de 15 dias, informação divulgada por meio de placas fixadas nos locais de instalação dos dispositivos.

A fiscalização eletrônica registra avanços em sinal vermelho, parada sobre a faixa de pedestre, excesso de velocidade e uso indevido da faixa exclusiva para ônibus. A orientação da SMT é que o motorista só entre na faixa de ônibus para acessar residências ou estabelecimentos comerciais ou para virar na primeira rua à direita.


Gravidade das infrações e valores das multas – Os motoristas que forem flagrados pela fiscalização cometendo infrações serão penalizados com as seguintes pontuações e multas: avanço de semáforo (infração gravíssima, R$ 191,54); parar sobre a faixa de pedestre (infração leve, R$ 53,20); transitar na faixa exclusiva (infração leve, R$ 53,20); excesso de velocidade (de média a gravíssima, valores que variam de R$ 85,13 a R$ 574,00).

O corredor da Avenida T-63 foi instalado em 5 de março de 2013, com proibição de estacionamento ao longo da via, e integra uma rede de circulação do transporte coletivo, vinculada aos demais corredores, que tem como objetivo aperfeiçoar o serviço com ganho no tempo de viagem e aumento de velocidade dos ônibus por toda a cidade. O projeto da Prefeitura de Goiânia reúne sete corredores: o Universitário, já implantado há quase um ano,  da T-63, das avenidas T-7, T-9, 85, 24 de Outubro e Independência.

De acordo com o secretário municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade, José Geraldo Freire, o corredor Universitário está funcionando plenamente, tendo sido registrado uma redução significativa do número de acidentes. Na T-63, da mesma forma, a fluidez do tráfego melhorou e as mudanças implantadas estão tendo a aprovação dos usuários do transporte coletivo.

Local dos equipamentos:

Av. T-63 X Av. C-107 - Jardim América

Av. T-63 X Av. C-149 - Jardim América

Av. T-63 X Av. T-15 - Setor Bueno

Av. T-63 X Al. Couto Magalhães - Setor Pedro Ludovico/Bela Vista

Av. T-63 x Rua Coelho Neto – Bairro Anhanguera

Av. T-63 x Av. T-4 – Setor Bueno

Informações: Diário da Manhã
READ MORE - Em Goiânia, Equipamentos eletrônicos começam a multar invasão no corredor T-63

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960