Na Grande BH, Sistema BRT vai atender usuários de dez cidades

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Os passageiros da Região Metropolitana de Belo Horizonte não vão ter um gasto a mais com a implantação do chamado BRT Metropolitano (sigla em inglês para Transporte Rápido por Ônibus). De acordo com a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), inicialmente, moradores de dez cidades serão atendidos pelo sistema, que deve entrar em funcionamento no fim de abril.

O novo sistema ainda é uma incógnita para alguns usuários. “Eu não sei não, eu ouço falar por alto”, afirmou o auxiliar de cozinha Isac Magalhães, enquanto esperava na Rodoviária de Belo Horizonte o ônibus para Caeté. Ele acredita que o BRT Metropolitano vá trazer mais agilidade nas viagens. “Se não aumentar a passagem, beleza. Se aumentar, muita empresa vai dispensar muito trabalhador”, disse.

Segundo a secretaria, com a implantação do sistema, os passageiros vão utilizar duas linhas para chegar até o Centro da capital; as alimentadoras – que ligam as cidades às estações –, e as troncais – que têm o objetivo de transportar os passageiros às avenidas Santos Dumont ou Paraná e à Região Hospitalar, em Belo Horizonte. Atualmente, o trecho é feito com somente um ônibus que leva as pessoas das cidades da Região Metropolitana até a Região Central da capital.

A Setop explicou que as linhas troncais vão utilizar os corredores nas pistas exclusivas das avenidas Cristiano Machado e Antônio Carlos/Pedro I, em conjunto com o Move de Belo Horizonte, o que deve diminuir o tempo das viagens. Os veículos do BRT Metropolitano terão a cor predominante em verde, para diferenciar os dois sistemas, que vão operar em estações distintas, sem integração.

A bancária Arabelle Silva, moradora de Pedro Leopoldo, não demonstrou muita animação com o Transporte Rápido por Ônibus. “Pra mim não compensa. Acho que é mais trabalho para o passageiro, devido ao tempo gasto entre a saída de um ônibus até a entrada de outro”, falou. Entre os benefícios, Arabelle citou a possibilidade de diminuição da quantidade de ônibus no Centro da capital.

De acordo com a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas, os veículos do BRT Metropolitano já foram adquiridos pelos consórcios das empresas que atuam no Vetor Norte da Região Metropolitana. A frota total será de 289 veículos, entre articulados – com capacidade para 144 passageiros – e padrão BRT – com capacidade para 100 passageiros.

A pasta informou que as linhas de origem nos municípios de Santa Luzia, Caeté, Taquaraçu de Minas, Nova União e Jaboticatubas vão levar os passageiros para a Estação São Gabriel. Já os usuários que vêm de Confins, São José da Lapa, Pedro Leopoldo, Matozinhos e Capim Branco deverão embarcar nas linhas troncais na Estação Vilarinho. Como a implantação será gradual, nos demais municípios da Região Metropolitana, os passageiros serão transportados nas suas linhas atuais.

Por Pedro Ângelo
Do G1 MG

READ MORE - Na Grande BH, Sistema BRT vai atender usuários de dez cidades

Edital do metrô de Curitiba será lançado em março

O edital de licitação para a construção do metrô ficará pronto em março, junto com os anexos e a versão final do contrato. Assim que for publicado o edital, haverá um prazo de 45 dias para que as empresas ou consórcios interessados apresentem suas propostas.

Essas informações foram repassadas pelo secretário municipal da Administração e Planejamento, Fábio Scatolin, durante uma audiência para discutir o Metrô de Curitiba realizada nesta terça-feira (25), na Câmara Municipal. Scatolin reforçou a importância do processo democrático e das contribuições da sociedade na elaboração do edital do Metrô de Curitiba. “Recebemos mais de 500 contribuições, e isso é extraordinário”, disse.

Também participaram da audiência o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Sérgio Pires, o presidente da Urbs, Roberto Gregório, o secretário de Obras Públicas, Sérgio Antoniasse, e o secretário de Tecnologia da Informação, Paulo Roberto Miranda.

Fábio Scatolin disse que o período de consulta pública, que durou 30 dias, foi concluído em 10 de fevereiro. No momento, a equipe técnica da Prefeitura Municipal de Curitiba dedica-se à análise das sugestões apresentadas. O secretário anunciou que, nos próximos dias, a Prefeitura vai responder todos os questionamentos e sugestões apresentados. “E após a análise das contribuições da sociedade, vamos elaborar a versão final do edital de licitação, junto com seus anexos e com o contrato”, confirmou Scatolin.

O secretário também informou, durante a audiência, que técnicos da Prefeitura mantêm contato permanente com as equipes do governo federal que estão preparando a liberação dos recursos do Plano de Mobilidade de Alta e Média Capacidade de Curitiba que, além do metrô, também vão assegurar as obras do Inter 2, Linha Verde e Aumento da Capacidade do BRT, totalizando R$ 5,3 bilhões. A expectativa é que a portaria seja assinada nos próximos dias.

Durante a audiência, o presidente do Ippuc, Sérgio Pires, destacou que o metrô deve ser visto como uma oportunidade. “Com a implantação do metrô e dos demais projetos de mobilidade, Curitiba caminha para a adoção da multimodalidade. A cidade viverá uma transformação tão grandiosa quanto a que ocorreu após a aprovação do Plano Diretor de 1966, que terá impacto altamente positivo no desenvolvimento do município”, avaliou Pires.

Cronograma

Após o lançamento do edital e apresentação das propostas, a assinatura do contrato com a empresa vencedora da licitação deverá ocorrer em junho. O prazo para início das obras do metrô está previsto para julho desse ano. A partir daí, a empresa terá até seis anos para concluir a obra. “Mas a nossa expectativa é de que isso venha a ocorrer em cinco anos, pois a empresa vencedora do consórcio terá interesse de iniciar a operação do sistema o mais breve possível para que possa ter o retorno de seu investimento”, explicou Scatolin.

Pesquisa de Origem e Destino

Os vereadores pediram esclarecimentos a respeito da Pesquisa de Origem e Destino que a prefeitura de Curitiba irá elaborar. O presidente da Urbs, Roberto Gregório, explicou que o corredor norte-sul, por onde passará a linha do metrô, já tem estudos de demanda consolidados e, por isso, não depende dessa pesquisa. No entanto, a Pesquisa de Origem e Destino será fundamental para definir a futura integração do sistema de transporte coletivo ao metrô. “Essa nova malha de deslocamentos, para consolidar a integração multimodal, é que será definida a partir da pesquisa”, disse Gregório.

Informações: Bem Paraná


READ MORE - Edital do metrô de Curitiba será lançado em março

Em Campinas, Motorista de ônibus podem trabalhar com bermuda

A Câmara de Campinas (SP) aprovou nesta quarta-feira (26) o projeto de lei que libera o uso de bermudas para taxistas, motoristas e cobradores de ônibus no período mais quente do ano. A proposta agora depende da sanção do prefeito Jonas Donizette (PSB). Se o pessebista autorizar, os trabalhadores do transporte público poderão adotar a vestimenta de 1º de outubro a 31 de março.

Pelo texto do projeto, após ser promulgada, a Prefeitura tem um prazo de 30 dias para regulamentar a lei de forma que a roupa seja padronizada entre os funcionários das companhias de táxi e das empresas do transporte coletivo.

Na justificativa, o autor da lei, o vereador Carlinhos Camelô (PT), defende que ao garantir maior conforto para os trabalhadores, o serviço de transporte coletivo também deve melhorar. “Este [projeto] pode não atingir diretamente toda a população, mas, com certeza, alcançará categorias de trabalhadores que trabalharão mais tranquilos e menos incomodados, e certamente felizes, o que, com certeza, atingirá a todos os usuários diretamente”, escreveu.

READ MORE - Em Campinas, Motorista de ônibus podem trabalhar com bermuda

Em Curitiba, 40% da frota deve voltar a circular nesta quinta

Mesmo com a determinação de que 40% da frota dos ônibus volte a circular às 17 horas desta quarta (26), os motoristas e cobradores do transporte público de Curitiba e Região Metropolitana encontram dificuldades para chegar até as garagens por causa paralisação do transporte coletivo.

Na garagem da empresa Glória, no bairro Boa Vista, apenas dez veículos foram às ruas até as 17h30. O diretor de operações, Gelson Forlin, contou que pela manhã os motoristas e cobradores que foram ao local foram impedidos de trabalhar por outros funcionários, que montaram um piquete em frente a garagem. “Agora eles [os trabalhadores] não conseguem chegar até aqui”, disse Forlin. A Glória tem de 80 a 90 veículos.

Na garagem da empresa Marechal, no Centro Cívico, a situação era mais tensa. Em frente ao local há duas barracas e uma tenda de grevistas que são favoráveis à paralisação total. Os cinco veículos que saíram da garagem foram hostilizados pelos manifestantes. Os motoristas e cobradores também têm dificuldade para chegar ao local pela falta de meios de transporte.

Determinação

O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e região metropolitana (Sindimoc) acatou a determinação da desembargadora Ana Maria Zaina, do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT), de retorno de 40% da frota de ônibus a partir das 17 horas desta quarta-feira.

Durante a audiência com os trabalhadores, que ainda está em curso, a desembargadora exigiu também que 50% da frota volte a funcionar as 6 horas de quinta (27).

Os 40% serão mantidos nos horários de pico(entre 6h e 8h, de segunda-feira a sábado, e 17h às 19h, de segunda a sexta-feira). Já para os demais horários, a determinação é que circule 30% da frota. Conforme a Urbanização de Curitiba (Urbs), a quantidade corresponde a 1.186 veículos nos horários de pico e 607 nos demais horários.

Em uma pausa concedida durante a audiência para que o sindicato comunicasse os trabalhadores da decisão, o presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira, solicitou que os motoristas e cobradores fizessem o controle dos percentuais na porta das garagens.

A quantia determinada para a frota de 30% e 40% vale para todas as linhas que operam no transporte coletivo de Curitiba e Região Metropolitana, além das linhas Turismo e Aeroporto Executivo.

A multa aplicada ao sindicato em caso de descumprimento subiu de R$ 10 mil para R$ 100 mil por dia. O advogado do Sindimoc, Elias Mattar Assad, disse que o sindicato deve cumprir a determinação judicial, mas aguardará a notificação oficial.

Mesmo com a ordem da Justiça, a paralisação não deve ser encerrada a tempo do horário de pico do fim da tarde. Questionado se a categoria atenderia imediatamente à determinação judicial, o advogado do sindicato disse que "enquanto não acabar a audiência, as coisas ficarão como estão”.

Representantes do sindicato e das empresas de ônibus de Curitiba estão reunidos nesta tarde em audiência no TRT. "Talvez saiamos do tribunal com acordo, mas caso isso não aconteça, faremos de tudo para cumprir a ordem judicial que vier", afirmou Assad.

Na audiência, a Urbs entregou um documento que especifica a quantiodade que representa 30% e 40% dos ônibus por linha. O sindicato recebeu o documento e disse que deve colocar em prática.

A ordem judicial que determinou o retorno imediato da circulação de ônibus é da desembargadora Ana Carolina Zaina. "A lei do direito de greve prevê multa em caso de uso abusivo desse direito, por isso estabelecemos R$ 100 mil diários. Porém estou convicta de que a categoria encontrará um caminho de paz", comenta a desembargadora.

Esse caminho de paz está longe está longe de ocorrer. Depois de 1h30 de audiência, o sindicato patronal ainda não propôs o reajuste aos trabalhadores acima da inflação, principal pedido da categoria. Representantes do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano (Setransp) afirmam que a categoria suporta oferecer no máximo o reajuste da correção do INPC, que é de 5,26% acumulado até fevereiro. O sindicato pede aumento de 22% para cobradores e 16% para motoristas de ônibus.

Para minimizar os problemas com a falta de ônibus, a Urbs abriu cadastramento de veículos particulares para fazer transporte alternativo. Até o meio dia desta quarta, 260 veículos estavam cadastrados. A maioria deles são vans, além de dez micro ônibus e um ônibus.

Os motoristas desses veículos precisam estar com a documentação pessoal e do veículo em dia e com o carro em boas condições. Além disso, os donos desses transportes precisam cobrar no máximo R$ 6 de tarifa, caso contrário respondem a sanções previstas no previstas no Código Brasileiro de Trânsito.

Táxis

Desde a madrugada, as centrais telefônicas de táxi estão congestionadas. Às 11h30, a reportagem tentou entrar em contato com quatro empresas que prestam o serviço. Apenas em uma delas foi possível falar com a atendente. Quantos às outras, a ligação sequer completou.

A empresa que atendeu a reportagem informou que mantém toda a frota em circulação, o que equivale e 240 carros. A quantidade é insuficiente para atender a todos os pedidos, e não estão sendo estabelecidos horários para a busca dos clientes em suas casas. Segundo a empresa, a tendência é de que no horário do almoço aumente ainda mais demanda pelos táxis.

A situação de contato com as centrais telefônicas não mudou muito desde o início da manhã. No período, a reportagem tentou os mesmos contatos e também só conseguiu conversar com uma única central - a mesma do fim da manhã. Para conseguir falar com a telefonista foram necessários aproximadamente cinco minutos de espera.

De acordo com a empresa, por volta das 7h15, toda a frota estava circulando no período, e, apesar dos contatos, também não havia previsão de tempo para que as pessoas fossem buscadas em casa. Na mesma empresa, a fila de espera começou por volta das 5h30.

Para economizar e agilizar o transporte, uma alternativa para quem precisa chegar ao trabalho é dividir uma viagem de táxi com colegas e vizinhos. É o que fez a auxiliar de serviços gerais Lenir Batista, de 49 anos. Moradora do Sítio Cercado, ela e mais três amigas dividiram o valor de uma corrida até o centro, de onde elas seguiram a pé para seus locais de trabalho para economizar. "Agora vou a pé até perto do [Hospital] Evangélico para economizar um pouco porque não tenho dinheiro", declarou Lenir, que ficou no telefone para conseguir um táxi das 5h30 até as 7 horas.

Pouco antes das 7 horas, na região central, havia táxis em pelo menos dois pontos - nas praças Rui Barbosa e Tiradentes -, porém, não havia passageiros.

Informações: Gazeta do Povo

READ MORE - Em Curitiba, 40% da frota deve voltar a circular nesta quinta

Mulher perde o braço ao ser empurrada nos trilhos do Metrô em São Paulo

Uma mulher teve o braço direito amputado após cair nos trilhos do Metrô na Estação Sé na manhã desta terça-feira, 26. Testemunhas informaram à polícia que um homem, que aparentava ter distúrbios mentais, empurrou a encarregada Maria da Conceição de Oliveira aleatoriamente e saiu correndo com um sorriso no rosto. O caso foi registrado na Delegacia do Metropolitano (Delpom) como tentativa de homicídio.

Segundo a Santa Casa, Maria da Conceição está internada na UTI em estado estável. Ela completou 28 anos no dia do acidente, informou a família no hospital.

Maria da Conceição mora na Vila Guilherme, zona norte, e usaria a Linha 3-Vermelha no sentido Itaquera para chegar à empresa em que trabalha como atendente. "Ela disse que nasceu de novo e que o acidente foi muito feio", diz a amiga da vítima, Ana Lívia de Souza. Segundo familiares, Maria da Conceição chegou ao hospital consciente. Eles a visitaram nesta tarde na UTI da Santa casa, onde ela está em observação para novas cirurgias que a paciente deverá passar: uma na coluna cervical e outra no ombro direito.

O Metrô afirmou que o incidente ocorreu às 7h16. A circulação na Linha 3-Vermelha foi interrompida em um sentido para o resgate. De acordo com depoimento dos familiares, três usuários do Metrô entraram nos trilhos para remover a vítima. Quando viu a atendente caindo, o maquinista acionou os freios e teria ficado em estado de choque, segundo testemunhas.

De acordo com a polícia, o suspeito usava uma camiseta branca e importunou outras passageiras na fila de embarque. Imagens da câmera de segurança mostram o momento em que esse suspeito, ainda não identificado, empurra a vítima e depois foge para a rua.

Informações: Estadão

Leia também sobre:
READ MORE - Mulher perde o braço ao ser empurrada nos trilhos do Metrô em São Paulo

Greve de ônibus em Curitiba afeta cerca de 2,3 milhões de pessoas

Decisão dos motoristas e cobradores do transporte coletivo da Curitiba e da Rede Integrada de Transporte (RIT), da noite de terça-feira (25), deixa a capital sem ônibus nesta quarta-feira (26). A paralisação afeta cerca de 2,30 milhões de pessoas que dependem do uso diário dos ônibus.

Reunido nas garagens, motoristas e cobradores afirmam que não há linha alguma em circulação na cidade. Segundo a Secretaria de Trânsito, além dos ônibus convencionais, também estão sem operar as linhas Turismo, Hospitais e Aeroporto - tanto a convencional (ligeirinho), como a linha executiva.

Para os grevistas, a orientação do sindicato da categoria (Sindimoc) é manter os braços cruzados até que as empresas façam uma proposta que agrade aos trabalhadores, o que não havia ocorrido até às 10 horas desta quarta. Para impedir saída de ônibus das garagens, algumas delas bloquearam o portão de acesso. Na garagem do Parolin, onde ficam os veículos da Auto Viação São José, que opera 15 linhas da região metropolitana, um ônibus foi atravessado no portão e teve seus pneus esvaziados para impedir a remoção.

Apesar do ato, o clima é tranquilo nesses locais, sem maiores mobilizações.

O resultado da greve pôde ser percebido desde cedo: várias estações-tubo e pontos sem passageiros, nenhum veículo do transporte coletivo circulando na Rui Barbosa, no Terminal Guadalupe, na Avenida Getúlio Vargas, Rua Alferes Poli e outras vias importantes da capital. Por volta das 6h15, também não havia cobradores nos tubos Água Verde, Sete de Setembro e Alferes Poli e no Guadalupe - pelos quais a reportagem passou entre 6 e 6h30.

Táxis

Pouco antes das 7 horas, na região central, havia táxis em pelo menos dois pontos - nas praças Rui Barbosa e Tiradentes -, porém, não havia passageiros.

Nas centrais telefônicas de táxi, foi possível completar ligação em apenas uma das quatro empresas contatadas pela reportagem. Para ter acesso à telefonista, foram necessários aproximadamente cinco minutos de espera. De acordo com a empresa, por volta das 7h15, todos os 240 carros que fazem parte da frota estavam circulando no período, e, apesar dos contatos, não havia previsão de tempo para que as pessoas fossem buscadas em casa. Na mesma empresa, a fila de espera começou por volta das 5h30.

Para economizar e agilizar o transporte, uma alternativa para quem precisa chegar ao trabalho é dividir uma viagem de táxi com colegas e vizinhos. É o que fez a auxiliar de serviços gerais Lenir Batista, de 49 anos. Moradora do Sítio Cercado, ela e mais três amigas dividiram o valor de uma corrida até o centro, de onde elas seguiram a pé para seus locais de trabalho para economizar. "Agora vou a pé até perto do [Hospital] Evangélico para economizar um pouco porque não tenho dinheiro", declarou Lenir, que ficou no telefone para conseguir um táxi das 5h30 até as 7 horas.

Transporte alternativo

Sem ônibus, a Urbanização de Curitiba S.A. autoriza desde as 6h desta quarta-feira o cadastro de veículos particulares para circular transportando passageiros. Os interessados devem se dirigir à Rodoferroviária de Curitiba.

Até às 9 horas, 40 veículos alternativos já estavam circulando na capital - 25 carros a mais do que os registros das 7h30. Segundo a Urbs, a indicação é de que os automóveis sigam itinerários semelhantes a linhas que rodam diariamente.

Funcionários da Urbs fazem a vistoria dos veículos e checam a documentação. Após a liberação, vans e automóveis recebem os cartazes de identificação. A tarifa máxima que pode ser cobrada por pessoa é de R$ 6,00.

Segundo a Urbs, as vans e carros cadastrados, assim como táxis, têm direito de circular pelas canaletas. A empresa informou que estes carros atendem a vários pontos da capital e da região metropolitana. Até as 10 horas, no entanto, não havia informações de quais as regiões que não contavam com o serviço.

Mesmo com a circulação das vans, o transporte é insuficiente para transportar os curitibanos. Na Praça Rui Barbosa, por exemplo, em meia hora, apenas dois veículos de transporte alternativo passaram pelo local. Além da pouca quantidade, a reclamação também é de que não existem pontos específicos para a parada destes carros.

O segurança Christopher Lee de Carvalho Rodio, de 21 anos, passou a noite toda em seu trabalho, na região central de Curitiba. Sem ter como voltar até sua casa, no bairro Xaxim, ele esperava por uma condução no terminal da Rui Barbosa desde que encerrou o expediente, às 5h30. Neste período, passaram por ali apenas três conduções, mas nenhuma delas com o destino necessário para o segurança. "Falaram que 70% dos ônibus estariam circulando, mas até agora não vi nenhum passando por aqui. Se fosse na sexta-feira até dava para desconto", disse. Sem alternativa, ele teve que ligar para o avô, que dirige um caminhão de transporte de gás, para conseguir uma carona de volta pra casa.

Além do aumento de carros e táxis em circulação , também é visível a maior quantidade bicicletas nas ruas de Curitiba.

Decisão da Justiça

O diretor de Transportes da Urbs, Rodrigo Grevetti, afirmou nesta manhã que o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana foi notificado da decisão judicial que determinava que 70% dos veículos do transporte coletivo teriam de circular nos horários de pico. A determinação foi expedida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 9ª região (TRT-9ª) nesta terça-feira.

Segundo Grevetti, a Urbs estuda como irá proceder, já que a decisão não está sendo cumprida nesta quarta.

Advogado do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e região metropolitana (Sindimoc), Elias Mattar Assad declarou que a entidade não foi notificada sobre a decisão, e que isto deveria ocorrer ainda nesta manhã.

Contudo, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) disse à reportagem que a a notificação da decisão foi entregue ao diretor do Sindimoc Adão Faria às 17h15 de ontem. Até as 10h15, ninguém do sindicato foi procurado para falar sobre o comunicado oficial.

READ MORE - Greve de ônibus em Curitiba afeta cerca de 2,3 milhões de pessoas

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960