No Rio, Transcarioca também terá ônibus biarticulado

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Com capacidade para transportar 270 passageiros — o que equivale a cerca de quatro ônibus comuns —, o novo veículo biarticulado do BRT Transoeste, que liga a Barra da Tijuca a Santa Cruz, está circulando desde segunda-feira durante o horário do rush. Atualmente, faz o trajeto entre as estações de Mato Alto e Alvorada sem paradas. O novo ônibus é formado por três carros (unidos por duas sanfonas) e tem 28 metros de comprimento. São dez metros a mais que os primeiros BRTs e cinco a mais que os articulados. Um outro veículo, com as mesmas dimensões do biarticulado, entrará em operação também no Transcarioca.
Foto Guito Moreto / Agência O Globo. - Guito Moreto / Fotos de Guito Moreto
Segundo o gerente geral do sistema BRT, Alexandre Castro, o novo ônibus serviu para agilizar a operação. Segundo ele, o aumento gradativo da extensão dos veículos ocorreu em sintonia com a demanda.

— Os fabricantes foram se adaptando à realidade do sistema e também estão de olho no mercado em expansão. Afinal, já são 26 corredores de BRT no país que estão em projeto ou em andamento. Somente no Rio, serão quatro — Transoeste, Transcarioca, Transolímpico e Transbrasil. Em 2017, os quatro estarão transportando, em média, dois milhões de pessoas — avaliou Alexandre Castro.

O biarticulado é confortável, tem temperatura agradável em toda a sua extensão e um excelente sistema de amortecimento. Mesmo nos trechos em que existem imperfeições na pista do corredor expresso, o ônibus se mantém estável. Segundo os operadores, ele dispõe de um moderno sistema de computador que opera bolsões de ar para nivelar o carro.

Para dirigir o gigante, foi necessário muito treino. Daniel Luís é motorista da categoria E (apto a dirigir carretas e ônibus articulados) e já conduzia os articulados do BRT. Fazer as manobras com o biarticulado é para poucos. Numa curva, o terceiro carro parece sumir do campo de visão.

— Nesse tipo de ônibus, é preciso mais atenção na frenagem, porque a resposta do freio é mais lenta. Para algumas manobras, é preciso sempre ter alguém ajudando — disse Daniel.

Para quem embarca na Estação Mato Alto, a entrada em operação do biarticulado representa a esperança de conseguir viajar sentado.

— Antes, eu tinha que esperar vários veículos. Com esse ônibus, a estação fica quase vazia — disse a garçonete Natália Cristino Resende, que mora no Mato Alto e trabalha na Barra.

Informações: O Globo

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960