São Paulo: Sem carro no Largo 13, ônibus dobra velocidade

sexta-feira, 5 de abril de 2013

A velocidade média dos ônibus que circulam no corredor Santo Amaro, na zona sul da capital, dobrou nos primeiros dias de operação da zona livre de carros da cidade, criada na região do Largo 13 de Maio. É o que disse nesta quinta-feira (4) o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto.
Luiz Claudio Barbosa - Futura Press/Estadão Conteúdo
Na segunda-feira (1º), primeiro dia de funcionamento das restrições a automóveis, a velocidade média dos ônibus foi de 11 km/h, segundo ele. Na manhã de quinta, chegou a 21 km/h. As medições são online, feitas a partir de aparelhos GPS embarcados nos coletivos e que estão disponíveis na internet (chamado Sistema Olho Vivo).

As restrições ocorrem apenas nos horários de pico. Na parte da manhã (entre 5h e 10h), inclui a alameda Santo Amaro, a rua Paulo Eiró e as avenidas Padre José Maria e Adolfo Pinheiro, no trecho entre o Largo 13 de Maio e rua Promotor Gabriel Nettuzzi Perez. Na parte da tarde, entre 16h e 20h, a proibição é na rua Barão do Rio Branco, entre avenida Mário Lopes Leão e avenida Padre José Maria.

READ MORE - São Paulo: Sem carro no Largo 13, ônibus dobra velocidade

Após impasse, Governo da Bahia assume metrô em obras há 13 anos

Em construção há 13 anos, a Linha 1 do metrô de Salvador passará a ser administrada pelo Governo da Bahia. O acordo foi firmado em reunião realizada na manhã desta sexta-feira (5), entre o governador Jaques Wagner e o prefeito ACM Neto, na Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia.

O objetivo é fazer com que o sistema seja concluído e comece a operar na capital baiana. O valor da tarifa no transporte não ficou definido. Também não foram designados prazos para o início da operação. 

Segundo a Secretaria de Comunicação do Governo, a tarifa de integração entre o metrô e o sistema de ônibus era o principal ponto de discussão entre estado e prefeitura. O prefeito ACM Neto disse que essa tarifa de integração ficou definida em R$ 1,10 - esse é o valor que o sistema do metrô vai repassar para o sistema de ônibus municipal por passageiro. Coletivos farão o transporte de usuários para o metrô.

"Com o prefeito ACM Neto, nós chegamos em um denominador comum sobre as questões que estavam pendentes. A questão da tarifa/integração, a questão dos terminais, no caso Lapa e Pirajá. Lapa fica com a prefeitura e Pirajá com estação metrô [governo]. Toda a cobrança, a questão da administração é só governo", afirmou o governador após a reunião.

Segundo ACM Neto, o trem do Subúrbio também será administrado pelo Governo da Bahia. "Estamos transferindo para o estado não apenas a responsabilidade pela operação [do metrô], mas também estamos passando o trem do subúrbio. A verdade é que a prefeitura está transferindo a CTS [Companhia de Transporte de Salvador], que é a empresa que tem a propriedade do trem do subúrbio e do metrô para o estado. Todo sistema público sobre trilhos será administrado pelo estado", disse.

Para ACM Neto, mesmo com a transferência governo e prefeitura terão que trabalhar em conjunto para melhorar o sistema de transporte na capital baiana. "Vai ser necessária a integração e essa integração terá o trabalho conjunto da prefeitura com o governo do estado, porque boa parte dos passageiros do metrô também andarão de ônibus. Então, nós vamos ter que fazer dois sistemas que se comuniquem, que se complementem e possam dar mais qualidade ao transporte público".

Em relação ao prazo de operação do metrô, o governador prefere ainda não definir uma data." Não me pergunte de prazos. Prazos não posso falar por enquanto porque batido o martelo, segunda-feira [8] a gente bota isso no papel na forma de um acordo. Existem coisas que ainda vão para a Assembleia Legislativa, para a Câmara de Vereadores. Todas elas são de rápida resolução, mas a partir de segunda-feira o processo já passa o comando para o estado", afirmou o petista.

Impasse
No dia 21 de março, uma audiência pública para discutir o metrô de Salvador foi realizada no Centro de Cultura da Câmara Municipal. No encontro, que foi marcado por tumulto, governo e município não chegam a um acordo a respeito da integração entre ônibus e metrô.

A reunião contou com a presença de vereadores e líderes comunitários de vários bairros de Salvador, que assistiram apresentações de representantes do estado e da prefeitura.

A Linha 1 foi projetada para ter 12 km ligando o centro de Salvador ao bairro de Pirajá. Até agora, só 6 km ficaram prontos. Cerca de R$ 700 milhões foram investidos. Durante a sessão, líderes comunitários entraram em conflito. A reunião terminou em bate-boca e muita confusão, sendo amparada pela Polícia Militar.

"Toda vez que for de interesse da cidade, não só essa, como várias audiências poderão ser marcadas. O importante é ter disciplina e respeito, porque o que a Casa não vai permitir é baderna e desordem, como foi feito nesse momento", disse na ocasião o presidente Paulo Câmara (PSDB).

READ MORE - Após impasse, Governo da Bahia assume metrô em obras há 13 anos

Metrô de São Paulo estuda criação de bilhete mensal

O governo do Estado de São Paulo está estudando a viabilidade de adotar o bilhete único mensal, previsto para entrar em operação em novembro. O pagamento das viagens de trem e metrô com o cartão, porém, depende de uma garantia financeira, segundo o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes.
AYRTON VIGNOLA/AE
"A Prefeitura avaliou que (a adoção do bilhete) pode ter impacto de até R$ 400 milhões (para o município) ", disse o secretário. "Eles têm uma linha de aporte de subsídio. No caso do Metrô, não temos. Hoje o Metrô é autossustentável operacionalmente. Se deixar de ser, perde financiamentos." Fernandes afirmou que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) pediu uma análise detalhada da questão.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), anunciou nesta terça-feira (2) que o Bilhete Único Mensal entrará em vigor em novembro deste ano ao custo aproximado de R$ 140 . Uma das principais promessas de campanha de Haddad, o novo modelo permitirá que o usuário viaje de ônibus quantas vezes quiser durante o mês.

De acordo com o prefeito, o cálculo se baseou na passagem unitária (R$ 3). Por esse motivo, o valor de R$ 140 deve sofrer alguma alteração com o reajuste da tarifa, previsto para junho . “O valor será de R$ 140 tendo janeiro de 2013 como data referência”, afirmou Haddad durante o anúncio, na sede da prefeitura, no centro da capital.

Para que o programa comece a valer em novembro, o cadastro pela internet e em postos autorizados terá início no dia 15 de abril e seguirá até o dia 31 de outubro. “Ainda não sabemos em que dia exato o bilhete começará a valer”, completou o secretário de Transportes, Jilmar Tatto.

READ MORE - Metrô de São Paulo estuda criação de bilhete mensal

360 km de metrô. Era a previsão em 1968 em São Paulo

Uma linha amarela ligando a Estação Jockey Club, na zona oeste, à Via Anchieta, na sul, cruza com a linha vermelha, que vai da Estação Casa Verde à Vila Maria, ambas na zona norte. O projeto original do metrô paulista, que está completando 45 anos, se parece só um pouco com o que virou realidade. A proposta indicava que São Paulo deveria ganhar 75 estações, oito a mais do que as existentes hoje.

O traçado da rede básica, entregue em 1968 à gestão do prefeito José Vicente Faria Lima (1965-1969) - à época, a Companhia do Metropolitano pertencia ao governo municipal -, era composto por quatro linhas, denominadas conforme o traçado.

Elaborado pelo consórcio alemão HMD (das empresas Hochtief, Montreal Empreendimentos e Deconsult), o esquema era ousado, com ambição de transformar a mobilidade em uma metrópole que já sofria com os congestionamentos e a falta de um bom transporte coletivo.

Visto hoje, o projeto pode ser interpretado como o "futuro do pretérito" da rede metroviária da capital, feito para uma cidade que acabou não acontecendo. Talvez, a própria não concretização dessa cidade idealizada se deva, em parte, ao fato de que apenas algumas das projeções para o metrô tenham saído do papel. A principal é o que se chama atualmente de Linha 1-Azul, aberta em 1974, três anos após a data prometida.

No tempo de Faria Lima, até os prazos eram arrojados. Os estudos tinham como cenário e meta o ano de 1987.

Pela proposta alemã, naquele ano, os paulistanos deveriam ter à disposição 66,2 quilômetros de metrô, uma extensão que só seria atingida (pasmem) mais de duas décadas depois.

Hoje, a rede metroviária tem 74 quilômetros de comprimento, acanhada perto de cidades menores, como Londres (402 quilômetros) e Santiago do Chile (103 quilômetros).

Cultura do carro. O então prefeito foi ainda mais longe e, na introdução que escreveu para o projeto original, afirmou que São Paulo precisaria de 360 quilômetros de linhas de metrô em 1990. Mas por que os sucessivos governos do município e, depois, do Estado falharam em seguir até mesmo o plano de 1968, entregando os ramais em um ritmo muito lento?

De acordo com o Metrô, além da insuficiência de recursos, a cultura do automóvel "refletiu-se diretamente, então, no ritmo insatisfatório de metrô para a dimensão em que a metrópole foi se transformando".

Por sua vez, o presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (Aeamesp), José Geraldo Baião, avalia que a execução foi estancada porque a fonte de dinheiro secou. "Depois de inaugurarmos a primeira linha em 1974, houve a crise do petróleo. Foi um incentivo a mais para investir em transporte eletrificado, mas, ao mesmo tempo, tivemos problemas financeiros que ficaram mais latentes nas décadas de 1980 e 1990."

Em 1968, a cidade tinha 5,8 milhões de habitantes. Hoje, são 11 milhões de moradores. Muitos deles vivendo nos extremos da capital, que são carentes de metrô.

A arquiteta e urbanista Lucila Lacreta, diretora do Movimento Defenda São Paulo, acredita que a capital seria melhor hoje se, em 1987, todo o projeto tivesse sido concretizado. "Provavelmente, teriam a capacidade de continuar planejando mais metrô conforme o crescimento da cidade." Para ela, o curso da administração pública na época da ditadura militar seguiu pelo caminho errado, apostando no modelo rodoviário.

Fantasmas. A maior das linhas do projeto inicial era a que ligaria o Jockey à Via Anchieta, com 23,8 quilômetros e 26 estações. A mais parecida com as de hoje, a Santana-Jabaquara, teria 21 quilômetros, 23 estações e um ramal até Moema, na zona sul, parcialmente construído a partir da Estação Paraíso.

Na atual Estação Pedro II é possível ver outra construção fantasma: a plataforma do que seria a parada do ramal Pedro II-Vila Bertioga, na zona leste.

O atual governo do Estado promete "a maior ampliação de metrô" da história paulistana, com quatro linhas em obras (extensões da 4-Amarela e da 5-Lilás e construção da 15-Prata e 17-Ouro).

Espera-se que, desta vez, o plano seja seguido. 

ARTUR RODRIGUES E CAIO DO VALLE - O Estado de S.Paulo

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - 360 km de metrô. Era a previsão em 1968 em São Paulo

Metrô do Cariri circula com apenas um veículo

Os usuário do Metrô do Cariri estão insatisfeitos com o funcionamento do equipamento. Atualmente, as linhas entre as cidades de Crato e Juazeiro do Norte estão sendo atendidas por apenas um vagão. Há cerca de um ano, os outros dois Veículos Leves sobre Trilhos (VLT s) existentes estão parados no galpão da fabricante aguardando manutenção. A previsão era que as composições retornassem às atividades ainda no início de dezembro de 2012. Devido ao problema, o percurso entre uma viagem e outra demora cerca de uma hora.

Na estação Teatro, em Juazeiro do Norte, uma das mais movimentadas, o primeiro horário de circulação é a partir das 7h29. Um segundo trem só volta a passar às 8h49. No turno da noite, a última viagem é feita até às 19h29. Já nos sábados, o expediente é reduzido até às 14h09.

Outro grande obstáculo para quem utiliza o Metrô do Cariri está relacionado à quantidade de estações e a localização das mesmas. De acordo com os passageiros, os pontos de embarque e desembarque são distantes dos centros comerciais e também não contemplam a maioria dos bairros das duas cidades.

Como alternativa para solucionar a questão, eles indicam que o meio de transporte deveria funcionar através do modo de integração com as linhas de ônibus que circulam nos municípios, como acontece na Capital. Segundo o excursionista Paulo Rodrigues Bezerra, os trens oferecem segurança e são limpos, mas, ainda não atendem às necessidades dos caririenses. "Quanto a demora, a gente pega a tabela de horários e se adequa à ela. Mas, não dá para evitar ter que pegar um ônibus após o desembarque. Acho que está faltando um investimento em integração. Enquanto isso, a gente deixa de andar no metrô".

Apesar de oferecer conforto, muitos acentos e ambiente refrigerado, o Metrô do Cariri ainda não conquistou a adesão dos passageiros. Entre eles, a preferência é pelos meios de transporte viário. Quando optam por embarcar nos ônibus que fazem o transporte coletivo ou em vans alternativas, os viajantes, em muitas ocasiões, enfrentam o calor e aperto dentro dos veículos. Entretanto, contam com uma quantidade bem maior de paradas para embarque e desembarque, o que contempla aqueles que desejam parar próximo aos centros comerciais, além de abranger os bairros. Enquanto a viagem de metrô dura apenas 20 minutos, nas linhas feitas pela empresa Via Metro, entre Crato e Juazeiro do Norte, o intervalo entre a saída dos ônibus é de apenas dez minutos. O percurso é realizado em 45 minutos.

Manutenção

Em nota, a Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos, que administra o Metrô do Cariri, informou que há dois Veículos Leves sobre Trilhos em manutenção junto a empresa Bom Sinal, que deveriam ter voltado ao funcionamento no início de fevereiro. Contudo, durante os testes prévios para retorno de circulação, os VLTs apresentaram problemas no freio e aquecimento, sendo recolhidos novamente para reparos. O novo prazo que a empresa deu para voltar a operação comercial foi até o próximo dia 15 de abril. A empresa ressalta ainda que, desde o início do atraso, a Companhia vem cobrando a volta dos equipamentos para atender à população o mais rapidamente possível. Infelizmente, mesmo assim houve problemas com os fornecedores.

O Metrô foi inaugurando em 1º dezembro de 2009, quando foi iniciada a operação assistida, a chamada fase de testes. Antes gratuito, agora cobra o valor de R$ 1,00. É o primeiro do Interior e foi projetado pelo Governo do Estado para requalificar o transporte ferroviário de passageiros, integrar as cidades e fomentar o desenvolvimento local.

Valor

R$ 1 é o preço cobrado na passagem do Metrô do Cariri. O transporte foi instalado em dezembro de 2009 e, durante a fase de teste, as viagens eram gratuitas.

Informações: Diário do Nordeste - Fortaleza

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Metrô do Cariri circula com apenas um veículo

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960