Baixada Santista: Início de obra de VLT tem novo atraso

domingo, 14 de outubro de 2012

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), SP, estatal responsável pelo projeto, diz, em nota, que o atraso é decorrente de “pedidos de esclarecimentos e recursos impetrados pelos licitantes durante o processo de pré-qualificação”.

Essa pré-qualificação deveria selecionar empresas aptas a executar as obras. Há sete consórcios pré-qualificados. A divulgação do consórcio vencedor e a assinatura do contrato estão previstos para novembro.

O projeto é discutido há quase uma década. O VLT da Baixada deverá retirar 23% dos ônibus em circulação nas saturadas vias da ilha de Santos. Cada trem do VLT deve transportar 400 pessoas, com velocidade máxima de 80 km/h.

O traçado tem extensão total de 24,8 quilômetros e haverá integração tarifária com a rede de ônibus intermunicipal – que hoje transporta os moradores de São Vicente, Praia Grande, Itanhaém e Mongaguá até o trabalho, em Santos.

A entrega de todos os trens deve ser concluída até abril de 2015 e a previsão de investimento é de R$ 284,3 milhões nos veículos. O total do projeto é estimado em R$ 670 milhões.

Complexidade

A execução da obra passa por um complicado processo de licitação. São três certames diferentes em andamento ao mesmo tempo: um para compra dos 22 trens, outro para a elaboração dos projetos executivos dos quatro trechos e o terceiro para a escolha das empresas que farão as obras civis.

Esse modelo de licitação foi adotado após o fracasso da proposta estadual de executar a obra por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP). O processo foi lançado em fevereiro do ano passado e pretendia repassar à iniciativa privada a responsabilidade para execução das obras. O problema foi que o projeto não atraiu nenhum interessado.

Com o desinteresse, o Estado assumiu o projeto sozinho e passou a selecionar as empresas. As obras que devem começar em janeiro serão do chamado “trecho prioritário”, entre o Terminal Barreiros, no leste da ilha, e o Terminal do Porto, no oeste. Os demais trechos não têm data prometida para início das obras.

Fonte: O Estado de S.Paulo, Por Bruno Ribeiro e Mônica Reolom


Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Baixada Santista: Início de obra de VLT tem novo atraso

Em BH, Avenida Cristiano Machado é interditada para obras do BRT

A avenida Cristiano Machado foi interidtada, neste sábado (13), na altura do número 4.000, no bairro São Paulo, no sentido centro - bairro, em BH. Segundo a BHTrans, as duas faixas foram fechadas em função de uma obra da Copasa, o que deve possibilitar a construção da pista de concreto do BRT (Transporte Rápido por Ônibus).

A obra está sendo realizada em meia pista, e os motoristas podem usar a faixa marginal de acesso ao Minas Shopping. Agentes da BHTrans monitoram o trânsito na região, e faixas foram colocadas na via para sinalizar as mudanças. Não houve alterações no transporte coletivo.

Informações: R7.com

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Em BH, Avenida Cristiano Machado é interditada para obras do BRT

Brasil pode ganhar 21 linhas de trens regionais de passageiros

Depois de quatro décadas de abandono, os trens regionais voltaram à pauta dos governos estaduais e federal. Atualmente, está em estudo pelo poder público a construção de 21 ramais ferroviários para passageiros. Caso todos os projetos planejados no Brasil saiam do papel no prazo previsto, o País pode ganhar 3.334 km de trilhos para transporte em 14 Estados até 2020.

O número é mais que o dobro do que existe hoje em operação. Apenas duas linhas de passageiros funcionam atualmente no País: uma liga Belo Horizonte (MG) a Vitória (ES) e outra, São Luís (MA) a Carajás (PA) - ambas são operadas pela Vale. O atual cenário contrasta com o que era esse mercado há meio século: na década de 1960, cerca de 100 milhões de passageiros eram transportados em trens interurbanos anualmente. Hoje, esse número é de cerca de 1,5 milhão de pessoas por ano.

Para Vicente Abate, presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer), o ressurgimento de projetos de trilhos pelo País é reflexo do recente aumento da preocupação com a mobilidade. "O transporte ferroviário de passageiros é normalmente rápido, seguro, confortável e não poluente. Trens de velocidade média, entre 100 e 150 km/h, são uma alternativa para a mobilidade entre as cidades, que hoje está um desastre."

Entre os projetos mais avançados estão a ligação entre Brasília e Goiânia, passando por Anápolis, e cerca de 500 km de trilhos em Minas que fariam a conexão entre Belo Horizonte e cidades como Sete Lagoas, Ouro Preto e Brumadinho. O primeiro, orçado em R$ 800 milhões, está prometido para 2017 e deve vencer todo o trajeto em cerca de uma hora. Já o segundo está divido em três trechos e deve ser feito por meio de uma parceria público-privada (PPP) que já tem 18 interessados em preparar estudos de viabilidade. A expectativa é de que as obras comecem em 2014.

Em São Paulo, o governo estadual realiza estudos para três ramais - ligando a capital a Jundiaí, Santos e Sorocaba. Além disso, o Trem de Alta Velocidade (TAV), previsto pelo governo federal para ficar pronto em 2020, vai cortar grandes cidades do Estado, como Campinas, São Paulo e São José dos Campos, no caminho até o Rio.

Informações: Terra

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Brasil pode ganhar 21 linhas de trens regionais de passageiros

São Paulo: Integração CPTM-Metrô será grátis na Zona Leste

O governo do Estado vai parar de cobrar passagem  para usuários dos trens das Linhas 11-Coral e 12-Safira da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) que quiserem fazer baldeação para o Metrô nas Estações Corinthians-Itaquera e Tatuapé, ambas da Linha 3-Vermelha, na zona leste. Será um benefício válido apenas nos dias úteis, das 11h às 15h e depois das 21h. A medida começa a valer no dia 22, uma segunda-feira.

A ideia do governo é redistribuir melhor pela rede os passageiros da zona leste, que atualmente só têm a Estação Brás para fazer a troca entre os modelos. Atualmente, a mudança de ramal em Itaquera e no Tatuapé é tarifada - são os dois únicos locais na cidade onde quem está na CPTM precisa pagar para trocar para o Metrô e vice-versa.

Nesta segunda-feira também começa a valer o desconto dado pelo governo para quem quiser usar os trens da Linha 9-Esmeralda (que liga a zona sul a Osasco, passando pela Marginal do Pinheiros). Entre 9h e 10h, no lugar de R$ 3, a tarifa vai custar R$ 2,50 - um incentivo para as pessoas deixarem de usar a linha no horário de pico. Também nesta segunda, o Estado vai começar a pagar a passagem de ônibus de moradores da zona sul que usam o Metrô até a Estação Largo 13, da Linha 5-Lilás, e descem no Terminal Santo Amaro da SPTrans. A medida vai valer até que as obras de expansão da Linha Lilás até a Chácara Klabin, na zona sul, fiquem prontas - a previsão de conclusão é 2015.

O anúncio oficial da integração entre CPTM e Metrô na zona leste será feito na segunda-feira pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) na Estação Corinthians-Itaquera. O evento vai servir também para o governador anunciar o edital de licitação das obras de prolongamento até Guarulhos da Linha 2-Verde do Metrô, que passa pela Avenida Paulista. O ramal, que para hoje na Estação Vila Prudente, vai receber mais 12 estações e chegará à futura Estação Dutra. O prolongamento terá 13 quilômetros e a estimativa de custo da obra é de R$ 2 bilhões. A promessa do governo do Estado é que o novo ramal fique pronto até 2017. 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - São Paulo: Integração CPTM-Metrô será grátis na Zona Leste

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960