Curitiba vai investir R$ 48 milhões na modernização dos terminais

sábado, 11 de fevereiro de 2012



Curitiba vai investir, em cinco anos, R$ 48,8 milhões na modernização, implantação de sistemas de monitoramento e manutenção dos 21 terminais de transporte urbano e também no terminal do Guadalupe, que atende linhas metropolitanas.

O edital de licitação para contratação de empresa especializada está disponível no site da Urbs (www.urbs.curitiba.pr.gov.br) e pode ser baixado gratuitamente por qualquer interessado. Até a segunda semana de fevereiro, 72 interessados baixaram o edital.

A iniciativa faz parte do processo de melhoria e modernização do sistema de transporte coletivo que inclui desde a licitação da operação do transporte coletivo, feita em 2010, à implantação do sistema Expresso Ligeirão, passando pelo novo padrão de biarticulado, agora com 28 metros de comprimento e capacidade para 250 passageiros.

Tecnologia - Também fazem parte deste processo projetos já em teste com implantação prevista para este ano, como TV a bordo nos ônibus, câmeras de monitoramento nos ônibus, estações tubo e terminais, e instalação de GPS e outros equipamentos e softwares de comunicação em tempo real do motorista do ônibus com a central de operações do transporte da Urbs.

No projeto de melhorias nos terminais está prevista, por exemplo, a instalação das câmeras de monitoramento, com centrais de acompanhamento de imagens nos próprios terminais, garantindo maior segurança aos usuários.

Estão previstas ainda reforma dos sanitários, recuperação das estruturas em alvenaria, recuperação das pistas de rolamento, recuperação das plataformas, substituição e complementação da comunicação visual, melhorias na sinalização horizontal e vertical, na acessibilidade, no sistema elétrico, adequações nas coberturas, nos jardins, nos gradis, no sistema anti-incêndio, nas guaritas, na infra-estrutura da tecnologia da informação, utilizando materiais de primeira qualidade.

Recursos próprios - A licitação (001/2012), na modalidade concorrência, do tipo menor preço, tem como objeto seleção e contratação de empresa especializada para a prestação de serviços de apoio à administração, manutenção civil, elétrica e hidráulica, execução de reformas, revitalizações e adequações, bem como implantação, manutenção e operação de sistema de monitoramento nos terminais urbanos do Município de Curitiba. O investimento será feito com recursos próprios da Urbs.

O objetivo é garantir a qualidade dos serviços prestados nestes equipamentos urbanos e aos usuários do Sistema de Transporte Coletivo Urbano e também proporcinar mais segurança a estes usuários através da utilização de sistema de monitoramento nestes locais, salientando que este sistema estará integrado ao Centro de Controle Operacional – CCO da URBS.

Licitação - Os documentos de habilitação e preço serão recebidos às 9h do dia 27 de fevereiro próximo, na sede da Urbs – Urbanização de Curitiba S/A, na avenida Presidente Affonso Camargo, 330, Bloco Central, Estação Rodoferroviária de Curitiba. Informações também podem ser obtidas pelo telefone (41) 3320-3329 e fax (41) 3320-3330.

Para acompanhar a licitação e baixar documentos pela internet basta entrar no site da Urbs clicando em “Licitações”, fazendo o cadastramento para ter acesso à documentação do processo.
A reforma e manutenção dos 22 terminais previstos na licitação vão beneficiar diretamente mais de 1 milhão de pessoas que passam por dia, em média, nestes equipamentos. O custo da obra e dos serviços de modernização e manutenção não entra na planilha de cálculo da operação do transporte, não tendo portanto, qualquer impacto sobre a tarifa.

O projeto de melhoria envolve, além do Guadalupe, os terminais de transporte Boa Vista, Cabral, Portão, Capão Raso, Pinheirinho, CIC, Fazendinha, Caiuá, Hauer, Carmo, Boqueirão, Sítio Cercado, Capão da Imbuia, Oficinas, Centenário, Bairro Alto, Campina do Siqueira, Campo Comprido, Santa Felicidade, Barreirinha e Santa Cândida.

Além das melhorias previstas nesta licitação, os terminais Santa Cândida e Pinheirinho vão passar também por outras obras. No caso do Terminal Pinheirinho será licitada a troca da cobertura, resolvendo de uma vez por todas problemas registrados em dias de chuva.

O terminal Santa Cândida será totalmente reformado e ampliado para receber o Ligeirão Norte e novas integrações com a Região Metropolitana. A obra já está licitada e a previsão é que esteja pronta até meados do ano. A licitação aberta agora prevê implantação de monitoramento eletrônico e manutenção do terminal Santa Cândida.

Conheça a Rede Integrada de Transporte

A Rede Integrada de Transporte (RIT) conta com 21 terminais urbanos e nove metropolitanos. A Rede transporta, por mês, em média, 26 milhões de passageiros atendendo 94% da demanda por transporte em Curitiba e 74% da demanda por transporte coletivo na Região Metropolitana. No ano passado foram em torno de 670 milhões de passageiros transportados.

A Rede tem 355 linhas, cerca de oito mil pontos de parada de ônibus, 364 estações tubo, além dos 30 terminais. A frota operante, de 1.915 ônibus, percorre por dia quase 500 mil quilômetros (o suficiente para dez voltas à terra, que tem 48 mil quilômetros). No total, são 21 mil viagens e 45 mil horários monitorados.

Avanços - O sistema de transporte coletivo de Curitiba vem registrando avanços significativos. A partir de 2005, por exemplo, acessibilidade e GPS passaram a ser exigência da Urbs para renovação da frota. Só nos três últimos anos, os curitibanos passaram a contar com uma série de avanços no sistema. Confira:

Linha Verde Sul – Sexto eixo de transporte, ampliou o sistema de canaletas exclusivas de 71 para 82 quilômetros. Com um projeto voltado à redução de impacto do trãnsito e do transporte sobre o meio ambiente, a Linha Verde foi o primeiro eixo da cidade a permitir a ultrapassagem dos ônibus na canaleta, abrindo caminho para mais uma inovação, o Sistema Expresso Ligeirão.

Ligeirão – Depois da Linha Verde, em 2009, o Ligeirão chegou ao Eixo Boqueirão, reduzindo o tempo de deslocamento entre o terminal e o centro em 15 minutos. A implantação exigiu o desalinhamento das estações tubo (que deixaram de ficar uma em frente à outra) e a criação de áreas de ultrapassagem. O mesmo será feito agora nas canaletas que ligam o terminal Santa Cândida à Praça do Japão; e os terminais Centenário e Campo Comprido, com implantação dos ligeirões Norte e Leste/Oeste.

Novo ônibus – Depois do sistema Ligeirão veio o novo ônibus, no ano passado. Em cor diferenciada (azul), facilitando a identificação pelo usuário, o Ligeirão tem 28 metros de comprimento, capacidade para 250 passageiros e tecnologia avançada garantindo maior conforto e segurança para passageiros e motoristas.

Novo Expresso – Também no ano passado, o novo ônibus - agora na cor vermelho ferrari - passou a ser o padrão de biarticulado em Curitiba. Ele já está circulando no eixo Leste/Oeste (Centenário/Campo Comprido) e a partir de agora, passa a ser o modelo nas renovações de frota.

Integração temporal – Resultado do programa de melhoria tecnológica, esta integração, feita com cartão, com tempo e local determinado (no caso as estações Santa Quitéria e São Pedro) beneficia passageiros que não eram atendidos pela Rede Integrada. Agora eles podem desembarcar de uma linha não integrada e embarcar numa estação tubo podendo a partir dali, fazer qualquer roteiro, em qualquer tempo sem pagar nova passagem.

Frota nova
– A idade média da frota curitibana é de 4,6 anos. De 2005 para cá, 1,8 mil ônibus zero quilômetro entraram na frota. Mais modernos, com motor Euro III que faz queima de combustível com menos emissão de poluentes.

Cartão Transporte
– A modernização tecnológica permitiu a implantação, em 2010, do sistema que permite a carga automática do cartão transporte no próprio validador que destrava a catraca. Com isso, o usuário não precisou mais procurar por carregadores antes instalados nos terminais e alvo constante da ação de vândalos.

Inter 2 - Mais da metade (40) da frota de 70 ônibus da linha Inter 2 passaram a ser articulados, ampliando em 20% a capacidade da linha. As 28 estações do Inter 2 foram reformadas e ampliadas em 50% ganhando mais uma porta, agilizando o processo de embarque e desembarque.

Licitação – Feita em 2010, foi a primeira licitação do transporte coletivo de Curitiba. O edital, considerado um dos melhores do país estabeleceu novos parâmetros de qualidade, incluindo a satisfação do usuário, como critério de avaliação do serviço.

Biocombustível - Iniciado em 2009, o projeto tornou Curitiba na única cidade de que se tem notícia, a dispor de uma frota em operação regular, movida exclusivamente com biocombustível, sem adição de óleo mineral, como diesel. Hoje são 30 ônibus e a expectativa é de 140 ônibus até o fim deste ano.

Hibribus – Testado em 2010, teve sua compra anunciada no ano passado, devendo entrar em operação até o início do ano que vem. Movido a biocombustível e eletricidade (bateria) representa uma economia de combustível de 54,68% na média km/l em relação a um ônibus comum. A projeção anual é que a utilização de 30 hibribus, prevista, signifique uma redução de 32 toneladas na emissão de monóxido de carbono; 473 kg de óxido de nitrogênio; e 11,2 kg de material particulado.

Informações: Prefeitura de Curitiba



READ MORE - Curitiba vai investir R$ 48 milhões na modernização dos terminais

Em Porto Alegre, Sistema ineficiente, ônibus vazio: tarifa cara

A tarifa de ônibus de Porto Alegre de R$ 2,85 - que entrou em vigor esta semana -, tornou-se uma das mais caras dentre as capitais, só sendo inferior a São Paulo. No Rio de Janeiro, por exemplo, a tarifa subiu em janeiro para R$ 2,75. Este reajuste na Capital gaúcha - contestado e criticado por entidades do movimento comunitário e estudantil -, mantém o preço da passagem num patamar extremamente elevado.
Se tomarmos como parâmetro o IPCA, de julho de 1994 até janeiro deste ano, o aumento acumulado dos preços atingiu 281,6%. Já a tarifa de ônibus da Capital subiu 691,6%, ou seja, praticamente dobrou em termos reais. É evidente que todo cidadão porto-alegrense atento exige uma explicação: por que paga hoje quase duas vezes mais do que pagava em meados dos anos 1990? Como o poder público não trata o tema com a transparência necessária, resta apenas a alguns setores da sociedade – os que mais sofrem os efeitos negativos – a mobilização e o protesto.
Desde meados dos anos 1990, o Índice de Passageiro por Quilômetro (IPK) diminuiu quase 40%, pressionando o aumento da tarifa. Em 2011 o fato se repetiu. Vale dizer: se os ônibus andarem com menos passageiros, cada usuário vai pagar mais. A questão é: por que os ônibus da cidade estão cada vez mais vazios? A resposta é simples, o serviço prestado é cada vez pior e os ônibus estão cada vez mais lentos.
O governo Fortunati tem boa parte da culpa. Há quatro anos promete implantar o sistema rápido de transporte nos corredores, projeto conhecido por BRT, e até o momento não aplicou um centavo. No orçamento de 2011, previa-se R$ 44 milhões para as obras que não foram realizadas. A outra questão é o modelo do cálculo tarifário, aliás, defendido pelo prefeito. Questionado sobre o os supostos lucros excessivos dos empresários, que defende a manutenção de atual taxa de lucro de 12%, extremamente elevado. Conclui-se que um sistema ineficiente combinado com uma elevada taxa de lucros resulta numa passagem de ônibus que lesa diretamente o usuário.
Fonte: Jornal do Comércio
   
READ MORE - Em Porto Alegre, Sistema ineficiente, ônibus vazio: tarifa cara

Governo do Pará assinou acordo que viabilizará BRT


O governo do Pará assinou ontem acordo para empréstimo de R$ 320 milhões para obras de mobilidade urbana que vão beneficiar toda a Região Metropolitana de Belém. O acordo firmado com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) vai garantir a construção do corredor viário entre o município de Marituba e o mercado do Ver-o-Peso, no centro de Belém. As obras terão início em 2014 com conclusão prevista para 2015. O governo estadual vai apresentar contrapartida de R$ 160 milhões.

Com a conclusão da segunda etapa do projeto Ação Metrópole, pode ser resolvido um dos mais graves problemas de trânsito entre as capitais do país, que é o estrangulamento do tráfego de veículos no acesso à cidade, no trecho que envolve a rodovia BR-316, o Entroncamento e a avenida Almirante Barroso, que faz a ligação com o centro da capital. A construção de um corredor de transportes de ônibus exclusivo vai desafogar o trânsito em todo o entorno da RMB.

O acordo foi assinado em Brasília e contou com as presenças do diretor-geral do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), César Meira; do coordenador do projeto Ação Metrópole, Paulo Ribeiro; da coordenadora técnica do projeto, Marilena Mácola e do representante sênior da Jica no Brasil, Masayouki Eguchi.

APROVAÇÃO

O próximo passo para a viabilização do projeto é a aprovação do Ministério da Fazenda. Técnicos do MF participaram esta semana das reuniões de avaliação do documento que permite o empréstimo. Em seguida, o projeto será enviado para a Casa Civil da Presidência da República e depois para o Senado Federal, onde deverá ser analisado e votado.

Nos próximos dois meses deverão estar concluídos os editais para licitação das empresas interessadas na construção da obra. Segundo Paulo Ribeiro, as obras do Ação Metrópole devem começar em janeiro de 2014. No final de 2015, o Bus Rapid Transit (BRT) deve entrar em operação.

O BRT é um sistema de ônibus de alta capacidade, com serviço rápido, confortável, eficiente e de qualidade. Com a utilização de corredores exclusivos, o BRT apresenta o desempenho e outras características atrativas dos modernos sistemas de transporte urbano sobre trilhos a um custo muito inferior.

Apesar de o BRT ter sua origem baseada em ônibus, tem pouco em comum com os sistemas tradicionais dos coletivos. Com mais de 160 sistemas operando atualmente ou em construção, o BRT tem se tornado a melhor escolha para melhorar a mobilidade urbana em 23 países dos cinco continentes.

Na Região Metropolitana de Belém, o BRT terá capacidade para 180 passageiros por veículo. Interligando a Alça Viária ao centro de Belém, terá estações de integração ao longo do itinerário, sendo duas já definidas: em Marituba e no Conjunto Júlia Seffer.

Falando sobre o acordo assinado nesta quinta, Masayouki Eguchi disse que o governo do Japão se sente realizado com o investimento na melhoria da qualidade de vida em uma das cidades mais importantes da Amazônia, uma região de grande valor para o mundo. “A mobilidade urbana é um desafio para as grandes cidades e nós, com esse acordo, estamos promovendo isso”, ressaltou Eguchi.

Para Meira, o projeto é um dos principais compromissos do governo Simão Jatene, fazendo parte da Agenda Mínima. “O problema de mobilidade urbana na entrada de Belém já se arrasta há 20 anos e agora, com esse acordo, damos um passo importante para resolvê-lo”, afirmou Meira. “Não é apenas um projeto para o trânsito. É um projeto para melhorar a qualidade de vida das pessoas”, concluiu o diretor. 

Fonte: Agência Pará




READ MORE - Governo do Pará assinou acordo que viabilizará BRT

Frota de Coletivos de Porto Velho recebe mais 10 ônibus

Mais dez ônibus foram entregues ao prefeito, Roberto Sobrinho, para a ampliação da frota de coletivos que circulam em Porto Velho. A entrega foi feita pela empresa Rio Madeira, na quinta-feira, 09/02, como parte do acordo firmado entre a Prefeitura Municipal de Porto Velho e o Sindicato das Empresas de Transportes de Porto Velho-SET, onde ficou pactuado que em contrapartida ao último reajuste tarifário as empresas aumentariam a frota de ônibus circular em mais 20 (vinte) unidades. Outros dez ônibus já haviam sido entregues em dezembro pela empresa Três Marias.
O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte explicou que houve um atraso na entrega devido à grande demanda que surgiu na Mercedes, fabricante dos veículos. “O importante agora é destinar estes veículos para as linhas que mais necessitam e melhorar o atendimento aos usuários do transporte coletivo”, disse.

O prefeito fez questão em ressaltar que os novos ônibus somarão aos atuais. “Eles não substituirão outros ônibus, vão ampliar a frota. Assim linhas que precisam de mais veículos poderão oferecer um melhor serviço. Terão mais ônibus circulando e isso traz mais conforto ao usuário que ainda ficará menos tempo esperando nos pontos. Esta é apenas uma das medidas que estamos adotando para melhorar a qualidade deste serviço, que tem uma importância muito grande na cidade. Grande parte da população necessita deste transporte para se locomover, seja para trabalhar, seja para ir para casa ou demais destinos. Serão instalados em breve os aparelhos de GPS dessa forma vamos ter como melhorar o monitoramento, sabendo em tempo real qual itinerário ele está fazendo e se está cumprindo ou não o horário estabelecido pela prefeitura”, disse Sobrinho.

O prefeito destacou ainda que todos os coletivos estão adaptados com elevador para o embarque e desembarque de passageiros portadores de necessidades especiais. “O que mostra que também estamos trabalhando em prol da acessibilidade”, disse.

Informações: Prefeitura de Porto Velho
READ MORE - Frota de Coletivos de Porto Velho recebe mais 10 ônibus

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960