Governo de SP tenta convencer governo federal sobre a importância do monotrilho para capital e obter nova linha de financiamento

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

O governo de São Paulo terá de correr atrás do prejuízo para concluir as obras da linha 17-Ouro, o monotrilho que ligará a região do Jabaquara, na zona sul, ao bairro do Morumbi. Como a primeira etapa do trecho só será entregue após a Copa de 2014, prazo anunciado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), o projeto foi retirado da lista de prioridades do governo federal, o que significa a perda do financiamento de R$ 1 bilhão, cerca de um terço do custo total (R$ 3,2 bilhões).

Os recursos estavam garantidos enquanto a linha-17 fez parte da chamada matriz de responsabilidades das cidades que irão sediar jogos do mundial. A Caixa é a responsável pelo repasse dos recursos.

Ontem, a STM (Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos) confirmou que o projeto foi retirado da matriz. Segundo a Pasta, a medida ocorreu não por causa do prazo de entrega, mas devido à escolha do estádio do Corinthians, em Itaquera, na zona leste, para abrigar os jogos em São Paulo. A região, segundo a STM, já é atendida pelas linhas 3-Vermelha, do metrô, e 11-Coral, da CPTM.

De acordo com o governo estadual, a inclusão do monotrilho era justificada enquanto se cogitou o estádio do Morumbi, na zona sul, como sede dos jogos.

O Estado agora tenta convencer o governo federal sobre a importância da obra e, como consequência, obter outra linha de financiamento para manter o cronograma de execução, que prevê a entrega dos primeiros 7,7 quilômetros, que ligarão o aeroporto de Congonhas à região do Morumbi, no segundo semestre de 2014. O trecho prevê uma estação a 100 metros do terminal.

O governo ressalta que, somente com a primeira etapa em operação, será possível transportar 100 mil pessoas por dia. No total, o monotrilho terá 17,7 quilômetros até 2016.

Informações: Band

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960