No Rio, Obras da Linha 4 do metrô afetará o trânsito na Zona Sul por 18 meses

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

A Linha 4 do Metrô, que visa facilitar a locomoção do carioca, provocará muito estresse e engarrafamentos durantes sua construção. Criada para ligar a Zona Sul à Barra da Tijuca (Zona Oeste), a obra obrigou a prefeitura a fazer algumas mudanças no trânsito, que começam no próximo dia 17.

Durante os 18 meses de obras, tempo estimado pela prefeitura, os transtornos serão inevitáveis, e a população, segundo o prefeito Eduardo Paes, deve buscar meios alternativos ao trânsito.

"Não será tempo de vida fácil no trânsito com essas intervenções na Zona Sul. Por isso, apelamos pela compreensão da população. Trata-se de uma obra grande e necessária. Acabou aquela lógica de governo anteriores de que cada governador inaugurar uma estação do metrô para chamar de sua. Pedimos desculpas pelos transtornos e pedimos para que os moradores apelem para a carona solidária, a bicicleta ou as viagens a pé durante esse período. Estamos apoiando a obra do metrô que vai ser muito importante para a cidade", garantiu o prefeito reeleito.

As modificações começam com a interdição de uma faixa, em dois trechos, da Avenida Ataulfo de Paiva na altura da Rua Venâncio Flores e Avenida Bartomeu Mitre, e entre as avenidas Afrânio de Melo Franco e Borges de Medeiros. 

No sábado seguinte (24/11), a interdição da Avenida Ataulfo de Paiva será total. Com o intuito de minimizar o impacto das modificações, algumas vias terão a mão invertida e outras ruas serão exclusivas para o tráfego de carros, de acordo com a Prefeitura do Rio.

A partir do dia 17, os motoristas que vierem da Avenida Ataulfo de Paiva poderão virar à esquerda, na Rua General Artigas, que terá a mão invertida. Depois, o tráfego segue pela Rua Humberto de Campos até a Avenida Borges de Medeiros. Em seguida, os veículos podem entrar à direita e voltar para a Avenida Ataulfo de Paiva, no sentido Ipanema.

Já na segunda fase de interdições, a partir de 24 de novembro, todas as faixas da Avenida Ataulfo de Paiva serão interditadas nos trechos entre a Rua Venâncio Flores e Avenida Bartomeu Mitre, e entre as avenidas Afrânio de Melo Franco e Borges de Medeiros.

O trânsito de todos os ônibus e também de carros será desviado pela Avenida Visconde de Albuquerque, seguindo pela Avenida Delfim Moreira. Parte dos ônibus vai entrar pela Avenida Epitácio Pessoa e parte pela Avenida Henrique Dumont, que também terá a mão invertida. Depois, os veículos seguem o trajeto normal.

Os carros que vierem da Avenida Niemeyer não poderão seguir pela Avenida Visconde de Albuquerque. Os veículos deverão seguir pela Avenida Delfim Moreira e entrar na Avenida Bartolomeu Mitre. Para permitir todos os desvios, a Prefeitura vai fazer obras nos canteiros.

Orla da Zona Sul toda em reversível

Nos domingos e feriados, a área de lazer continua na pista junto à praia. Junto aos prédios, a mão será invertida até o fim de Ipanema. Pontos de ônibus serão implantados na Avenida Delfim Moreira, e para isso será utilizado um pedaço da ciclovia para dar conforto aos passageiros. A ciclovia avançará sobre parte do calçadão do Leblon.

Segundo o secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, o transporte público deve ser privilegiado.

"Se trata de uma obra longa e com grande impacto. Por isso, pedimos à população para que priorizem o transporte público. Vamos proteger a circulação de ônibus e seremos rigorosos ao coibir os estacionamentos irregulares e as operações de carga e descarga para garantir a velocidade e a fluidez do trânsito principalmente em Ipanema e no Leblon", disse o ex-secretário de Conservação.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960