Em Natal, Guanabara é vendida a Empresa Metropolitana de Pernambuco

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

A Guanabara, uma das maiores empresas de ônibus do Rio Grande do Norte, passou a ser controlada pela Empresa Metropolitana (EME). A negociação, que teve início em agosto de 2010, foi fechada a três meses da primeira licitação para transporte público de Natal, discutida desde 2003. A venda foi confirmada pelo Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município do Natal (Seturn). O valor da operação, porém, não foi divulgado. A EME, com sede em Pernambuco, detém agora 70% da Guanabara.
Foto: Junior Santos
A equipe de reportagem entrou em contato com os antigos donos Fernando Queiroz e João Carlos Queiroz para saber os detalhes da transação e o que mudaria com a venda, mas Fernando não atendeu as ligações e João Carlos disse que não podia comentar o assunto. A família de Olinto Gomes, antigo controlador, se torna sócia no negócio, com 30% da participação. Segundo o Seturn, a Empresa Metropolitana, também estaria interessada em comprar outras empresas de ônibus em Natal. A equipe entrou em contato com a empresa para confirmar o interesse, mas o diretor executivo estava viajando e não pôde responder.

O Seturn esclareceu que, com a saída de Fernando e João Carlos Queiroz do negócio, a gestão da Guanabara será substituída. "Os funcionários, porém, permanecem", tranquiliza Augusto Maranhão, diretor de comunicação do sindicato. A venda, segundo ele, não se trata de uma questão pontual. "O sistema de transporte coletivo vem capengando. Os custos de operação das empresas que atuam em Natal subiram em até 60%".  Isso porque o número de viagens diárias  caiu de 10 para seis, com os engarrafamentos, reduzindo o número de pessoas transportadas e, consequentemente, a receita. "Desta forma, fechar a conta no final do mês está cada vez muito difícil". Segundo ele, o fato dos usuários bancarem a gratuidade dos ônibus e da Prefeitura não subsidiar a viagem dos não pagantes está levando o sistema a bancarrota. "Hoje foi a Guanabara. Amanhã será outra". Outras empresas de ônibus municipais e intermunicipais já foram vendidas. Entre elas, a extinta Pirangi, vendida em 2002, ao grupo carioca Coesa, e a Trampolim da Vitória, que teve 70% de sua participação vendida em março de 2010, ao também pernambucano Itamaracá.

"As empresas potiguares estão com os dias contados. Não há a mínima condição de se manter, em razão dos prejuízos acumulados. Desta vez, foi a  Guanabara. Cidade do Natal, Transflor, Nossa Senhora da Conceição e Rio Grandense podem ser as próximas".

A dificuldade em 'fechar a conta' não seria de hoje, segundo ele. Sem capital para renovar a frota, as empresas locais temem ficar fora da licitação, prevista para março de 2012. "Talvez não consigamos nos adequar", preocupa-se. Segundo ele, um dos critérios é que a frota tenha idade máxima de 3,5 anos, média nacional. Os ônibus que circulam em Natal tem em média 5 anos - 1,5 anos a mais que o recomendado.

"Como as empresas não têm condição de renovar a frota, estão vendendo ou se associando a grupos mais fortes. A tendência no mercado natalense será essa", afirma Augusto Maranhão. Para ele, a venda de parte da Guanabara para a EME será benéfica. "A frota da Guanabara será renovada. Outras empresas tentarão acompanhar estas mudanças, se não serão abatidas". Segundo o Seturn, o RN conta com 21 empresas de ônibus, entre municipais, metropolitanas e intermunicipais. Só em Natal, circulam 750 ônibus. Eles transportam por dia meio milhão de pessoas.


READ MORE - Em Natal, Guanabara é vendida a Empresa Metropolitana de Pernambuco

Metroviários do DF marcam nova assembleia para discutir paralisação

Os metroviários do Distrito Federal decidiram durante assembleia manter a greve iniciada nesta segunda-feira (12) e marcaram nova assembleia para a noite desta quarta-feira (14).

Segundo um dos diretores do Sindicato dos Metroviários do DF, Anderson Oliveira, representantes da categoria se reuniram na tarde desta segunda no Palácio do Buriti para discutir a greve.

De acordo com Oliveira, o governo do DF afirmou que discutirá as questões econômicas dos metroviários apenas no próximo ano.

A direção do Metrô-DF informou que a empresa protocolou na última sexta-feira (9) uma ação de pedido de ilegalidade da greve junto à Justiça.

A assessoria de imprensa do metrô afirmou que uma audiência de conciliação entre as partes deve acontecer ainda nesta semana.

Cerca de 1.200 funcionários participam da paralisação. Dos 24 trens que circulam diariamente e atendem 160 mil pessoas, apenas nove estão circulando em horário de fluxo e quatro em horário de baixa procura durante o período da greve, informou a direção da empresa.

O governo do DF anunciou um reforço de 180 ônibus em Samambaia, Ceilândia e Taguatinga – regiões que são atendidas pelo Metrô-DF.

Os metroviários alegam que houve fraude no Plano de Emprego e Salários dos funcionários, reivindicam melhorias no sistema de trens, estações e manutenção, cumprimento do acordo coletivo e igualdade em relação aos benefícios conquistados por funcionários da Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb), Companhia Energética de Brasília (CEB) e outras empresas do governo.


Fonte: G1

Share |
READ MORE - Metroviários do DF marcam nova assembleia para discutir paralisação

Na Grande Vitória, VLT está fora dos planos do Estado para resolver mobilidade urbana

Os problemas de mobilidade urbana na Região Metropolitana estão ganhando outra configuração e fechando 2011 com algumas decisões. O prefeito da Capital, João Coser (PT), anunciou, em entrevista à Rádio CBN Vitória, na semana passada, que o projeto de VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos), o metrô de superfície, foi substituído pelo BRT (Bus Rapid Transit), o corredor exclusivo para ônibus.

A justificativa da substituição, embora com características estruturais diferentes, é a questão financeira. Coser admitiu que o VLT, uma das suas bandeiras de campanha para prefeito, realmente sairia bem caro para os atuais padrões da Região Metropolitana. O prefeito também deixou claro que sua opinião é fruto de um entendimento com o governo estadual sobre o tema.

Enquanto o Ministério Público Estadual (MPES) instaurou Procedimento Preliminar para acompanhar o andamento do projeto, circula na internet um abaixo-assinado com pedido de uma ciclovia para o Centro de Vitória. Na última quinta-feira (7), o MPES realizou uma audiência pública, com as secretarias de Estado dos Transportes e Obras Públicas (Setop) e secretarias de Transporte dos municípios da Grande Vitória.

O objetivo do procedimento instaurado pelo órgão estadual é acompanhar o projeto com mais proximidade. A presença do MPES na implantação do BRT também pode significar a fiscalização da obra, no que diz respeito à promessa de uma melhor qualidade de vida aos moradores. 

Deixar o carro em casa e optar pelo transporte público ainda é um desafio para os usuários. Também para os administradores públicos, que têm que pensar em soluções para a quantidade de veículos que aumenta a cada ano.

O próprio Coser reconheceu que são carros de mais e vias de menos. “Daqui a pouco, em cinco anos, teremos o dobro de carros”, afirmou.

Outros procedimentos para a Capital serão a ampliação da Avenida Fernando Ferrari e da Avenida Adalberto Simão Nader, além da reforma do Portal do Príncipe, com a possível construção de outro viaduto, no acesso entre Vitória e Cariacica. A intervenção forte, segundo Coser, vai ter que ser realizada pelo próximo prefeito. Isso implica na desapropriação de imóveis, um tema que gera polêmica e morosidade.

Ciclistas querem dignidade

A construção de ciclovias é outra atribuição do próximo chefe do Executivo municipal. O abaixo-assinado que circula na internet, via site Petição Pública, é dirigido a “moradores de Vitória e usuários das ciclovias de Vitória”. O documento pede que a ciclovia seja construída para proporcionar dignidade aos ciclistas que trafegam no local perigoso.

A petição argumenta que: “Uma bicicleta a mais na rua significa menos veículos nas ruas, nenhuma bicicleta nas calçadas e, além de menos poluição, menos engarrafamentos.” Outro argumento é que a ciclovia está prevista no último Plano Diretor Urbano de Vitória, de 2006, mas em cinco anos foi implementado “um trecho minúsculo”.
 
Outro apelo da população para resolver o problema da mobilidade é a volta do sistema de transporte aquaviário integrado ao rodoviário. A Setop já divulgou seu projeto de catamarã, com capacidade para cinco mil pessoas, o que simboliza a volta do sistema, fora de circulação há 11 anos.

READ MORE - Na Grande Vitória, VLT está fora dos planos do Estado para resolver mobilidade urbana

Cuiabá tem uma das tarifas mais caras do país

Com o reajuste da tarifa de ônibus anunciado "de sopetão" pelo prefeito Chico Galindo (PTB) na última sexta (9), Cuiabá passou a ser uma das cidades com  mais de 500 mil habitantes com a passagem mais cara do país. O valor, que passou a ser de R$ 2,70 é superior, inclusive, ao praticado em capitais como Curitiba, referência no transporte coletivo. Lá, os passageiros pagam R$ 2,50 para percorrer distâncias maiores que os cuiabanos.

Além disso, a medida fere o art. 206 da Lei Orgânica do Município, que determina que o valor do transporte público seja condizente com o poder aquisitivo da população e o aumento só poderá ocorrer com a mesma freqüência e período do reajuste salarial dos servidores públicos municipais e numa taxa nunca superior ao percentual desse mesmo reajuste.

Quem precisa utilizar o ônibus para ir e voltar do trabalho,por exemplo, compromete, em um só dia, cerca de 1% do salário mínimo com o transporte. Ao final de um mês, o valor gasto será de quase 1/3 do vencimento.

Baseado nisso, o vereador Domingos Sávio (PMDB) protocola nesta quarta-feira (14) um requerimento junto ao Ministério Público Estadual (MPE) questionando o aumento da passgem de ônibus de Cuiabá, que passou a vigorar a partir da zero horas deste domingo (11). Para ele, não existem justificativas suficientes para o acréscimo e a medida adotada pelo prefeito, contraria os interesses da população.





READ MORE - Cuiabá tem uma das tarifas mais caras do país

Prefeitura de Curitiba retoma estudos do desvio ferroviário

A Prefeitura de Curitiba encaminhou, nesta segunda-feira (12), ofício ao diretor geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Bernardo Figueiredo, pedindo a retomada dos estudos e a avaliação de alternativas tecnológicas e de localização para implantação do Contorno Ferroviário Oeste de Curitiba.  O projeto prevê o desvio do ramal ferroviário no trecho entre o município de Rio Branco do Sul e a Rodoferroviária de Curitiba.

O Contorno Ferroviário Oeste é uma das etapas do Plano Multimodal para a retirada do ramal ferroviário que passa no centro de Curitiba, Pinhais e Almirante Tamandaré.

“A Prefeitura entende que é necessário que este assunto seja retomado com urgência, principalmente no trecho maior que corta Curitiba. Em conjunto com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) temos que afinar os objetivos e seguir para uma solução integrada com a Região Metropolitana”, afirma o presidente do Ippuc, Cléver de Almeida.

Há uma semana, técnicos do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) e da ANTT estiveram reunidos em Brasília tratando do assunto. A retomada da obra do Contorno Ferroviário de Curitiba também foi discutida pelo governador Beto Richa e a ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann semana passada.

“Existe um consenso entre município, governo do estado e do próprio governo federal de que essa é uma obra necessária e urgente. Por determinação do prefeito, vamos reforçar essas parcerias para fazer com que ela aconteça”, disse Cléver de Almeida.

O Plano Diretor Multimodal, - elaborado pelo Ippuc em conjunto com a superintendência do DNIT no Paraná, Coordenação de Região Metropolitana de Curitiba (Comec) e as prefeituras da Região Metropolitana -, pretende desativar 42 km do ramal existente e implantar 52 km de novos ramais, sendo 36 km a oeste e 16 km a leste da capital.

O Plano cria uma ligação entre ferrovia, porto, aeroporto e rodovia, além da malha urbana da Região Metropolitana e uma malha cicloviária metropolitana.

O espaço liberado com a retirada do ramal poderá ser utilizado para a implantação da rede metropolitana de ciclovias. Conforme o espaço disponível, local, futuramente poderão ser implantados  outros modais de transporte como o ônibus e o VLT (veículo leve sobre trilho), desde que a opção em cada situação esteja interligada à Rede Integrada de Transporte existente.

“O ganho para as cidades seria múltiplo, tanto do ponto de vista da multimodalidade de transporte, como também do ponto de vista ambiental, com a diminuição da poluição sonora e a possibilidade da implantação de um parque com funções de drenagem, circulação e integração com a população”, avalia o presidente do Ippuc.


Mais Notícias do Paraná


READ MORE - Prefeitura de Curitiba retoma estudos do desvio ferroviário

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960