Assetur terá que adequar frota para Capital receber corredores de ônibus

segunda-feira, 4 de julho de 2011

No último dia 30 de junho, o Ministro das Cidades, Mário Negromonte, afirmou que podem ser liberados R$ 338 milhões para os programas Pró-Transporte, Corredores Estruturais e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade Urbana para Campo Grande.
Segundo o prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho, a Assetur terá que se adequar “de um jeito ou de outro".
Rudel Trindade, diretor-presidente da Agência Municipal de Transporte e Trânsito, afirmou, por telefone ao Capital News, que, inicialmente, devem ser construídos três corredores de ônibus, Aero-Rancho-Shopping, Nova Bahia-Centro, e Guaicuris-Shopping, em um total de 64 quilômetros.
Ainda segundo Rudel, para receber o projeto, a Assetur terá que se adequar a normas do Ministério das Cidades. Novos 20 ônibus articulados devem ser adquiridos para realizarem o transporte nos três corredores, cada um custa R$ 800 mil. Outros quarenta coletivos "normais" precisam ser comprados, ao custo individual de R$ 250 mil a R$ 300 mil.
Rudel está em Londrina (PR), analisando os corredores já instalados na cidade, além de questões ambientais do transporte urbano.
Todos os coletivos devem ser adaptados para portadores de necessidade especial, hoje apenas 65% deles possuem elevador. Todos também deverão contar com câmeras de segurança, atualmente apenas 20% dos ônibus possuem o sistema. A Assetur também precisará se responsabilizar por garantir acesso informativo aos passageiros.
A questão ambiental também é exigida, com as garagens sendo obrigadas a ter certificado ambiental.
O investimento total da Assetur, em forma de contra-partida, gira em torno de R$ 40 milhões, que também serão investidos na qualidade do asfalto dos corredores de ônibus, entre outros itens.
Em reunião entre representantes da Prefeitura e das empresas de ônibus, a Assetur teria pedido como garantia pelo investimento que, ou se estenda a validade da concessão às empresas (que vence em 2014), ou que se aumente o valor da passagem
Nelsinho afirmou que, juridicamente, não é possível atender essas solicitações da empresa. O tema foi para a Procuradoria Jurídica do Município, que tem dez dias para apresentar um relatório.
Não está descartado a possibilidade da abertura de concessão para atender somente os novos corredores viários.
“Vai ter que adequar de um jeito ou de outro. Se eles falarem que não dão conta, tenho fortemente em minha cabeça de abrir novo processo para quem pode dar conta de fazer isto”, afirmou Nelsinho.

Um dos principais itens o projeto de mobilidade urbana para Campo Grande, o Pró-Transporte e Corredores Estruturais, depende de contra-parida da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano da Capital (Assetur) para sair do papel. O projeto visa melhorar e facilitar o transporte na Capital.

Projeto
O Projeto de Mobilidade Urbana prioriza o transporte coletivo urbano, sendo que estão previstos investimentos de R$ 20 milhões para construir cinco terminais; outros R$ 7,5 milhões para reforma de sete unidades; R$ 160 milhões para construção de 68,4 quilômetros de corredores de transporte coletivo; R$ 9,7 milhões para implantar 56 quilômetros de ciclovias; R$ 4,5 milhões para modernização do sistema de controle eletrônico; R$ 67,3 milhões para intervenções viárias; e R$ 9,5 milhões para estações de pré-embarque.
O valor total é de R$ 280 milhões.
O Pró Transporte, com investimentos de R$ 58 milhões, tem como meta asfaltar 100% das linhas de ônibus da Capital, que vai beneficiar moradores de 30 bairros. Os recursos se destinam à implantação, recuperação e requalificação de vias exclusivas para veículos de transporte coletivo, terminais de grande e pequeno porte, pontos de conexão entre linhas, abrigos nos pontos de parada, obras de acessibilidade de pedestre e ciclistas às vias.
O programa é implementado com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e sua viabilização foi conseguida no ano passado por Nelsinho em apresentações ao Conselho Monetário Nacional (CMN), que autorizou o empréstimo para execução da obra.



Fonte: Vinícius Squinelo e Wendell Reis - Capital News (http://www.capitalnews.com.br/)

 

READ MORE - Assetur terá que adequar frota para Capital receber corredores de ônibus

Segundo secretário, Metrô de Salvador vai operar com quatro trens

O titular da Secretaria de Infraestrutura e Transportes (Setin), José Mattos, afirmou ontem que quatro composições serão usadas no metrô de Salvador, quando o transporte, que já leva mais de 11 anos em obras, começar a funcionar - supostamente em janeiro de 2012.
“Temos seis trens e a previsão inicial de operação é de quatro veículos. Os outros dois ficarão nas pontas caso haja aumento de demanda”, disse, negando informação da própria Setin, na sexta-feira, de que o metrô usaria apenas dois trens.
O secretário da Casa Civil, João Leão, afirmou que a oxidação dos trilhos é benéfica. “Ela tem cerca de 1mm de espessura e serve para proteger o aço. Aquilo é pra enferrujar mesmo e pode ser visto como uma pintura”, disse. “Isso só não aconteceria se fosse de aço inoxidável, mas este não aguentaria o atrito”. A assessoria da Setin havia negado a existência de ferrugem.



READ MORE - Segundo secretário, Metrô de Salvador vai operar com quatro trens

Em Fortaleza, Motoristas de ônibus entram em estado de greve

Motoristas, cobradores e fiscais de ônibus estão em estado de greve. A informação foi divulgada pelo vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Ceará (Sintro), Francisco Sérgio Barbosa Medeiros.

De acordo com Francisco Sérgio, a decisão foi tomada neste sábado, 2, em assembléia, por conta de um impasse entre o Sintro e o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros (Sindiônibus) em relação o reajuste salário anual. Segundo o sindicato dos trabalhadores, a categoria pediu 25% de reajuste salarial e vale refeição de R$ 8,50, entretanto o sindicato patronal ofereceu 6.3% - de acordo com a inflação.

Cinco rodadas de negociação já foram realizadas, mas o impasse continua. Os sindicatos devem se encontrar para uma nova tentativa de negociação no próximo dia 8.






READ MORE - Em Fortaleza, Motoristas de ônibus entram em estado de greve

Em Cuiabá, VLT sem sistema alimentadores de outros modais pode ser um sistema de transporte moderno, mas sem passageiros

O Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) que foi o sistema de transporte coletivo escolhido pelo governo do Estado de Mato Grosso para atender dois ramais tronco cortando Cuiabá e Várzea Grande, de olho na Copa do Mundo de 2014 e nas obras de mobilidade urbana, pode ser feito com apenas U$S 500 milhões ou cerca de 25 milhões de dólares por quilômetro.

A Agência Executiva de Obras da Copa do Mundo do Pantanal 2014 (Agecopa) estimou os gastos para a obra executada pelo governo com 23 quilômetros de extensão em R$ 1,1 bilhão, ou seja, R$ 47,8 milhões por quilômetro. Fazendo a conversão para o dólar da última sexta-feira, U$S 1,555, as obras em reais custariam R$ 300 milhões de reais a menos.

As estimativas são do presidente da Portal Solution, Alex Chung, que representa um consórcio de indústrias coreanas que formam o Grupo Dohwa, que segundo ele está interessado e tem know-how de diversas ações que resultaram em projetos ou na instalação de VLTs, monotrilhos, metrôs ou trens em vários países do mundo. "É difícil de se falar em valores sem um projeto pronto e acabado, mas pelas dimensões, quilômetros e exigências de 2 ramais em Cuiabá acredito que U$S 500 milhões ou R$ 780 milhões seriam suficientes para a execução das obras que estão atrasadas", disse Alex Chung.

Para o diretor-presidente da Portal Solutions, empresa que tem entre seus clientes empresas como Samsung, Hyundai, Daelim, Daewoo e a LG, entre outras, os prazos de 24 meses para execução das obras vão exigir três turnos de trabalho para que se atenda ao cronograma de 2014, sem contar as obras complementares que um sistema VLT exige, como elevadores, estações climatizadas, linhas auxiliares e outra infinidade de medidas que já deveriam ter sido tomadas.

"A falta de prazos pode pressionar os valores e aumentar os custos", disse Chung, sinalizando que mesmo as obras se iniciando no ano que vem, as encomendas dos veículos, que são fabricados em outras empresas, já deveriam estar reservadas, pois diante da limitação no número de fornecedores que constroem esses veículos é bem provável que existam atrasos difíceis de compensar mais tarde.

Alex Chung disse que não houve tempo hábil, nem projetos concluídos que permitam ao governo de Mato Grosso escolher o VLT e sinalizou que existe um erro em se definir modais de transportes que não contemplem outros meios. "Pelo pouco de informações que temos e conhecemos de Cuiabá e Várzea Grande, já dá para saber que somente o VLT não é a solução e que as autoridades deveriam pensar em sistemas alimentadores dos ramais do VLT sob pena de se ter um transporte moderno, mas sem passageiros", assegurou o CEO que está entre os mais respeitados do país, preocupado com custos e viabilidade nos custos das passagens que serão colocadas à disposição da sociedade que usa o atual sistema e a que também passará a utilizar o novo sistema.

Ele ponderou ainda que a grande maioria dos projetos de todo o Brasil não saíra do papel, justamente por falta de experiência e de know-how daqueles que estão se colocando à frente das decisões, ponderando que uma obra de VLT, metrô, BRT, monotrilho, deve levar em consideração o crescimento populacional, econômico e a necessidade constante de investimentos para que o sistema se torne independente e possa se custear depois de iniciada a sua operação. "O Grupo Dohwa tem 2 mil engenheiros só para projetos e planejamentos que são essenciais à alma de investimentos como o VLT ou outros sistemas de transporte. Essa questão tem que ter várias engrenagens que giram para o mesmo lado e ao mesmo tempo, e como estamos vendo tem engrenagem para frente, engrenagem para trás e engrenagem parada. Tudo caminha para o colapso", explicou.



Fonte: A Gazeta


READ MORE - Em Cuiabá, VLT sem sistema alimentadores de outros modais pode ser um sistema de transporte moderno, mas sem passageiros

Em Apenas 04 Anos, China constrói a maior ponte do mundo sobre o mar

O governo chinês colocou em operação nesta quinta-feira (30) a maior ponte sobre o mar do mundo.

O empreendimento, que liga a Baía de Jiaozhou à cidade de Qingdao, na província de Shandong, tem oito faixas para automóveis, incluindo os acostamentos, possui 36,4 km de extensão e custou R$ 3,6 bilhões (US$ 2,6 bilhões) para ser construída, segundo a agência estatal de notícias Xinhua.



A ponte, que demorou pouco mais de quatro anos para ser levantada, encurta a rota entre as duas localidades em 30 km e reduz o tempo de viagem de 40 minutos para 20 minutos.

Com a obra, as autoridades chinesas esperam impulsionar o desenvolvimento industrial da região e facilitar a entrada e saída de mercadorias pelos portos.

Antes, a maior ponte do mundo sobre o mar era a que liga as cidades de Jiaxing e Ningbo, na Província de Zhejiang, também na China. Essa obra tem 36 km de distância.

Fonte: eBand

READ MORE - Em Apenas 04 Anos, China constrói a maior ponte do mundo sobre o mar

Salvador: Metrô - onze anos, seis quilômetros e dois trens

A verba investida aumenta, o tempo passa, a paciência do soteropolitano incha e o número de trens... diminui. Há dois anos e meio, Salvador  recebeu seis trens para usar no metrô, mas agora a prefeitura anunciou que o primeiro trecho vai  operar apenas com duas composições.

A informação é da própria Secretaria de Infraestrutura e Transportes (Setin). O órgão prevê que a viagem de seis quilômetros da Lapa até o Acesso Norte  dure 12 minutos e explica que, com quatro trens, o tempo médio de espera seria de seis minutos. Porém, como só haverá duas composições operando, o tempo médio de espera dobra e passa a ser de 12 minutos.

Cérebro das estações está ativoSó falta andar. Essa é a impressão que se tem ao passear pelos trilhos e estações do interminável metrô de Salvador. No Acesso Norte uma voz feminina ao alto-falante já pede que os passageiros não fumem e mantenham-se atrás da faixa de segurança.
O letreiro eletrônico já informa as horas e avisa como crianças devem ser conduzidas nas escadas rolantes. Todos os pormenores das estações indicam que, aparentemente, a estrutura de suporte já está pronta para funcionar. O Centro de Controle de Operações (CCO), sistema de observação das quatro estações de metrô já está instalado, assim como todas as câmeras.

Os ATC´s - computadores de bordo do trem, que funcionam como o cérebro do metrô - estão sendo implementados. Eles permitirão a comunicação em tempo real nos vagões e funcionam como o cérebro do sistema de transporte. O ATC informa tudo o que ocorre no trem e é usado também em caráter preventivo. A subestação do metrô também está pronta e energizada e o Pátio Auxiliar de Manutenção (PAM), pré-concluída. Resta saber quanto falta para andar.

Orçamento não é apresentado (Por Priscila Chammas) O Exército tinha prazo até ontem para apresentar um reorçamento das obras de Salvador. O secretário da Casa Civil da prefeitura, João Leão, foi então a Brasília buscar o documento, mas ontem à noite, ele retornou a Salvador de mãos abanando. Segundo ele, o trabalho não ficou pronto. “Estão faltando alguns ajustes”, disse Leão, sem explicar os motivos do atraso. 

Segundo o secretário, o novo prazo para a apresentação do relatório é na próxima quarta-feira, quando terá que fazer nova viagem à capital do país. O orçamento foi uma exigência do Tribunal de Contas da União (TCU), depois de uma suspeita de superfaturamento nas obras. “Eles não têm compromisso com o cronograma, nem com nada. O TCU fez a determinação, mas quem teve que bancar os R$ 3,5 milhões foi a prefeitura”, reclamou o prefeito João Henrique, na quarta-feira.

Enquanto a construção do primeiro trecho do metrô se arrasta, a primeira audiência pública para tratar do transporte que será usado na Paralela já tem data marcada: dia 19 de julho, às 15h, na Câmara de Vereadores. Na ocasião, o secretário estadual do Planejamento, Zezéu Ribeiro, secretários municipais e a população em geral poderão debater acerca da escolha do modal.
Os trilhos de todo o percurso estão prontos, mas tomados por ferrugem. Apesar de a Setin insistir em negar que os trilhos estejam enferrujados, o técnico de segurança Everaldo Cardoso, que trabalhava nas obras, minimizou a questão. “Isso não é problema, porque quando o trem começar a andar, ficará limpo”.

futuro A etapa de obras civis já está concluída e as instalações elétricas - que abrangem energização e automação dos serviços - têm conclusão prevista para julho, mas os testes finais só devem acontecer em dezembro.

De acordo com a engenheira Teresa Barreto, uma das responsáveis pelo projeto do transporte, tudo depende da finalização da parte de automação do metrô, ou seja, ligar o sistema de controle eletrônico à estrutura física e fazer os trens rodarem.

Em 2012, o metrô finalmente começa a rodar para a população, com o regime de tarifa assistida, que também fará parte dos testes. Nesse período, os passageiros poderão andar gratuitamente no transporte, para que conheçam e se habituem à cultura do metrô.
O preço da passagem ainda é uma incógnita, mas, para o município, o bilhete deverá ser subsidiado para que esteja ao alcance do bolso da população. “A prefeitura de Salvador, como qualquer outra prefeitura onde exista o sistema metrô, buscará ter a tarifa subsidiada e integrada aos demais modais”, informou a assessoria da Setin.
O Pátio Auxiliar de Manutenção (PAM) está em fase de pré-conclusão. De acordo com a Setin, a obra teve que ser adicionada em função da determinação do governo federal em dividir o metrô em dois trechos de seis quilômetros cada. No começo da semana, o titular da Setin, José Mattos, informou que vai pedir mais R$ 28 milhões ao Ministério das Cidades para conseguir concluir o pátio, que servirá para as manobras das composições.
A prefeitura informou também que já foi feito um levantamento para abertura das vagas dos futuros funcionários do metrô, conforme determinação da Procuradoria Geral do Município. Mattos afirmou que o treinamento de 14 técnico da CTS estavam previstos para o segundo semestre deste ano. “Serão funcionários com experiência, que atuarão como maquinistas e técnicos de manutenção”, disse. Hoje, cerca de 300 operários e técnicos trabalham na finalização das obras.

De acordo com a Setin, esse serviço  serve satisfatoriamente à população baiana. A prefeitura, porém, não informou onde estão os outros trens - três composições chegaram em Salvador em novembro de 2008 e outras três em janeiro de 2009. Em agosto do ano passado, todos foram colocados nos trilhos.

Os vagões permanecem adormecidos sobre os trilhos enferrujados. Em visita às obras na quinta-feira, a equipe do CORREIO registrou uma composição na Estação da Lapa - com a proteção de uma lona e coberta por uma quantidade de poeira suficiente para impedir parcialmente que o interior fosse visto. Dentro, os assentos  continuavam cobertos pelo plástico. Outro trem estava na Estação Bonocô. 
Locotrator Enquanto a população de Salvador espera sentada - ou engarrafada -, o único meio pra fazer o metrô de Salvador andar é o “locotrator”, um equipamento específico para puxar o veículo sobre trilhos.

Os trens, que estão sob a guarda da Companhia de Transporte de Salvador (CTS), são puxados para frente e para trás constantemente pelo “locotrator”, entre as estações Lapa e Campo da Pólvora - 33 metros abaixo da superfície - para que não permaneçam parados, já que a falta de movimento pode causar uma espécie de “calo”  nas rodas dos vagões - quatro em cada composição, que permitirão transportar 1.200 passageiros por viagem.



READ MORE - Salvador: Metrô - onze anos, seis quilômetros e dois trens

Transporte público de Maceió é sinônimo de espera, sufoco e desrespeito

Andar de ônibus em Maceió não é tarefa das mais fáceis. É preciso tempo e paciência, muita paciência. Na capital alagoana, usuários do transporte público são submetidos, diariamente, a condições que demonstram a falta de respeito com a qual as pessoas são tratadas, sendo obrigadas a esperar, por horas, pelo ônibus que vai levá-las ao trabalho, à escola, ao médico. Para não se atrasar, é preciso mesmo madrugar.
Atualmente, seis empresas de ônibus são responsáveis por transportar cerca de oito milhões de pessoas por mês na capital, fazendo uso de aproximadamente 600 veículos. Para uns, a esperança de melhoria passa pela realização da primeira licitação do transporte público; para outros, essa realidade só tende a piorar.
Adeilta Nascimento de Souza, 29 anos, é uma das pessoas que passam, todos os dias, pelo sacrifício de pegar ônibus. Moradora do conjunto Paulo Bandeira, no Benedito Bentes, ela precisa pegar dois veículos para chegar ao destino final, o bairro da Pajuçara, onde trabalha. O ônibus que pega não tem um horário fixo para passar e por isso ela precisa sair de casa às 4h30, ainda escuro, para conseguir chegar às 6h30 no local de trabalho. Ir sentada durante o percurso, nem pensar. 
Foto: José Feitosa
Número de veículos é baixo para demanda
Para o superintendente municipal de Transporte e Trânsito, José Pinto de Luna, os dois maiores problemas existentes hoje no transporte público coletivo de Maceió são a falta de ônibus e a má qualidade da frota, que é antiga e quebra a todo momento. Com a realização da licitação, ele acredita que esses problemas poderão ser resolvidos, mas a médio prazo.
Ainda segundo Pinto de Luna, o transporte coletivo tem como uma de suas características a lotação, onde pessoas são transportadas sentadas e em pé.
“O ônibus é uma lotação e não prevê que só transporte pessoas sentadas. Sempre irá alguém em pé também. Se vai todo mundo sentado, então não estamos falando de transporte coletivo. Isso é uma coisa que acontece em
cidades de todo o País, não é uma questão específica de Maceió. Com a licitação, esperamos resolver esses problemas, mas não a curto prazo, porque quem ganhar a licitação não vai começar a atuar da noite para o dia, não é assim que funciona”, afirma.

Audiência pública discutirá o assunto
As empresas vencedoras da licitação do transporte público de Maceió devem começar a operar no início de 2012. Pelo menos essa é a expectativa do superintendente municipal de Transporte e Trânsito, José Pinto de Luna. Segundo ele, apesar da sanção, pelo prefeito Cícero Almeida, da lei que regulamenta as concessões do serviço de transporte coletivo já ter acontecido, o processo seguirá um cronograma já estabelecido, com a realização de uma audiência pública, no dia 8 de julho, no auditório da Faculdade Integrada Tiradentes (Fits), às 8 horas.
De acordo com a assessora especial de Transporte da SMTT e integrante de um grupo de trabalho criado para traçar um cronograma do processo licitatório, Josemee Lima, é somente depois da audiência pública que os detalhes relacionados, por exemplo, ao aumento da frota e das linhas de ônibus serão definidos. Por enquanto, nada é certo ainda.

 
Fonte: Gazeta de Alagoas - JAMYLLE BEZERRA - Repórter

READ MORE - Transporte público de Maceió é sinônimo de espera, sufoco e desrespeito

Obesos têm problemas com a acessibilidade no transporte público de Fortaleza

Escadas, catracas, assentos diminutos, falta de sensibilidade e preconceito. Estes são alguns dos obstáculos que os obesos enfrentam para utilizar os transportes coletivos nas grandes cidades. Em Fortaleza, apenas 40,6% da frota de ônibus possui assentos especiais, ou seja, com dimensões aumentadas para o uso de pessoas com obesidade.

De acordo com pesquisa realizada em 2009 pelo Ministério da Saúde nas capitais brasileiras, 47% da população de Fortaleza acima de 18 anos sofre de sobrepeso. O dado aponta para a necessidade de garantir mais conforto e condições de acesso para este tipo de usuário. A incompreensão e o desrespeito à exclusividade do assento tornam esta luta mais cansativa e frustrante.

Acessibilidade

Conforme o chefe da Divisão de Planejamento da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), Antônio Ferreira Silva, 710 veículos adaptados circulam, atualmente, na Capital cearense, numa frota operante de 1.748 ônibus. No caso do transporte alternativo, somente 84 dos 320 micro-ônibus contam com estrutura de acessibilidade, o que representa 26,25% da frota hoje operante.

"Com a norma 1.402/2008, todo o transporte coletivo deve ser feito com veículos adaptados para pessoas com necessidades especiais. As empresas têm até 2014 para se adaptarem".

Segundo a lei municipal 7.163/92, a pessoa com obesidade deve ter o acesso facilitado no transporte coletivo, cabendo ao motorista permitir o acesso pela porta da frente para quem não consegue passar pela catraca. Antônio Silva lembra que o usuário também precisa ter mais consciência e não ocupar os assentos reservados.

"A Etufor capacita motoristas e cobradores, recomendando que observem a ocupação dos assentos de forma indevida. Sabemos que isso nem sempre é possível, em especial nos horários de maior fluxo".

A endocrinologista Fabiana Araripe ressalta que a obesidade deve ser entendida como uma condição patológica, e que por isso essas pessoas precisam de condições especiais para se locomover. "Dependendo do grau da obesidade, o paciente não consegue subir escada ou passar pela catraca. Já tive uma paciente que ficou presa na catraca por ter os quadris largos".

A médica acredita que os obesos deveriam ter as mesmas prerrogativas dos idosos e portadores de necessidades especiais, não só quando o assunto é transporte, mas também em filas, restaurantes e espaços, como cinemas e auditórios. "Junto com isso é preciso pensar em como diminuir o número de casos de obesidade. E isso só será possível quando tivermos uma política de saúde pública voltada para o problema".


Informações de KAROLINE VIANA - Diário do Nordeste




READ MORE - Obesos têm problemas com a acessibilidade no transporte público de Fortaleza

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960