Nenhum projeto de mobilidade urbana ainda saiu do papel no Recife

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Um dos projetos mais importantes que a Prefeitura da Cidade do Recife enviará para a Câmara do Vereadores, em 2011, é o Plano de Mobilidade Urbana. Com um atraso de quase dois anos, o plano chegará à Casa através de uma exposição por parte do Executivo, no dia 15 deste mês e com a pretensão de ´romper com a abordagem tradicional da circulação e do transporte`. Segundo o presidente da Câmara, Jurandir Liberal (PT), não basta só o Executivo enviar o projeto para que seja votado, é preciso conhecê-lo e discuti-lo.

O ´processo`, que vai da chegada do plano até a sanção do prefeito, será dividido, de acordo com Liberal, em quatro momentos. ´Primeiro, no dia 15, Milton Botler (coordenador do Instituto da Cidade) vai fazer uma exposição na Câmara para os vereadores. Depois ele envia o projeto detalhado e nós, paralelamente, nomeamos uma comissão especial para analisá-lo. O terceiro passo é marcarmos audiência pública para debater e colher o máximo de sugestões com pessoas e entidades ligadas a àrea de mobilidade. E, por último, votamos e enviamos para sanção do prefeito`, antecipou Liberal.

´Já estou com o material pronto e vamos discutir vários aspectos do plano, mas o enunciado básico é o deslocamento das pessoas. Tirá-las do isolamento e fazê-las ter acesso ao transporte coletivo é algo fundamental`, explicou Milton Botler. Ele afirmou que esta preocupação vem do número de pessoas que moram em morros e não têm acesso a transportes coletivos próximos de suas casas: são cerca de 500 mil, ou seja, mais um terço da população da cidade.

Por outro lado, a tão esperada solução para os engarrafamentos no Recife, ao que parece, não será contemplada no Plano de Mobilidade. E a justificativa é que não existe uma única ação que resolva o problema. ´O transporte individual tem que ser restrito, mas vamos discutir isso com a sociedade`, disse Botler.

Engarrafamento
De acordo com o técnico, não é possível resolver os engarrafamentos sem a redução do número de veículos em circulação.Questionado se o rodízio de placas seria a solução para Recife, ele disse ser contra e apontou a taxação por circulação de veículos próprios, como é adotado em Londres, na Inglaterra, como o melhor caminho.

A eficiência nos transportes intermodais é um dos obstáculos que será enfrentado pela prefeitura, para isso, uma série de medidas compõem o plano. Entre elas, oferecer um serviço de transporte coletivo de qualidade, utilizando faixas exclusivas para o transporte público, o aumento do número de ciclovia, além de uma rede de mobilidade hidrográfica e instalação de teleféricos.

Outra prioridade do plano é a melhoria e recuperação das calçadas. ´Costumo dizer que o deslocamento das pessoas começa pelas calçadas. Isso também será prioridade, daí a importância do conjunto de ações como o controle do comércio no Centro do Recife, por exemplo`, disse.

O Recife possui 372 linhas de ônibus e, pensando nelas, será implantada uma malha que alimente e integre os principais corredores de trânsito. ´A Avenida Norte e aEstrada de Belém se conectam com a Encruzilhada, então, na Encruzilhada, terá uma estação de integração para facilitar o deslocamento`, anunciou Antônio Machado, assessor técnico do Instituto da Cidade. Diante da importância do Plano, que propõe medidas que podem alterar o cotidiano dos recifenses, a prefeitura sabe que não agradará a todos. E, entre os desafios, espera contribuir para melhor qualidade de vida das pessoas, não permitindo que o transporte seja um dificultador, mas, sim, um facilitador para a rotina da população.

Fonte: Diário de Pernambuco

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960