Paralisação de ônibus confirmada em BH

domingo, 15 de agosto de 2010


Usuários de transporte coletivo na capital devem ficar em alerta. A partir desta segunda-feira, os motoristas de ônibus e trocadores que atendem BH e também a Região Metropolitana prometem uma nova paralisação. Assim como na sexta-feira, a greve será parcial, segundo o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de BH (STTR). A decisão foi tomada durante assembleia da categoria, nesse sábado.
A nova greve poderá ocorrer nas garagens, nos corredores e nas estações. Segundo os organizadores, quantas e quais serão as linhas afetadas não pode ser divulgado para não perder o efeito surpresa. "Para que o movimento não seja prejudicado, essa informação sigilosa", adverte o coordenador de comunicação do STTR, Carlos Henrique Marques. Segundo ele, caso os donos das empresas de transporte não negociem com os trabalhadores haverá novas paralisações. “Não queremos isso, mas se não houver diálogo para que as nossas reivindicações sejam atendidas, é isso que vai ocorrer”, ameaça.
Na última sexta-feira, 200 ônibus e duas garagens aderiram ao movimento, o que prejudicou cerca de 30 mil usuários. De acordo com Carlos, a intenção é repetir e até aumentar esse número. "A nossa estratégia é preparar para uma greve geral. A paralisação deve voltar a mobilizar os trabalhadores para a causa."
O sindicado garante que os trabalhadores cruzam os braços alegando que patrões não estão cumprindo com o que foi acordado na Convenção Coletiva do Trabalho, firmada após a última greve, em fevereiro. A paralisação se estendeu por três dias e provocou um verdadeiro caos na região metropolitana. Outros pontos que motivam a paralisação são os descontos de multas de trânsito e administrativas nos salários da categoria, além de mudanças nos planos de saúde sem o consentimento dos rodoviários.

Fonte: Uai - Minas


READ MORE - Paralisação de ônibus confirmada em BH

Política de transporte no Rio está ultrapassada, diz especialista


Tema de um seminário que acontecerá amanhã, segunda-feira, dia 16, o trânsito e o sistema de transportes é a principal dor de cabeça de quem mora na Barra ou de quem passa pelo bairro da Zona Oeste.

Walter Porto, professor da Coppe, instituto da UFRJ:

1-O senhor teria algumas propostas para melhorar o trânsito naquele bairro?

Resposta: Sim! Entretanto, os principais problemas de trânsito da Barra não são exclusivos do bairro e, sim, de ordem mais ampla, relacionada à política de transporte, que prioriza o carro particular em detrimento do transporte coletivo. Porém, existem algumas características específicas da localização que dificultam a fluidez do trânsito. São elas:
- a Barra está confinada entre o mar e a montanha;
-o centro principal da cidade localiza-se longe e atrai muitas viagens dos residentes da Barra;
- possui grandes PGVs (Pólos de Geração de Viagens), como por exemplo: hipermercados, áreas de lazer, entre outros;
- é utilizada como rota de tráfego de passagem para realizar viagens interurbanas.
As duas últimas características atraem muito trânsito de outras zonas da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, que somados ao trânsito local dos residentes ampliam o número de conflitos. Com tudo isso, o grande gargalo do Trânsito na Barra são suas “portas” de entrada e de saída.
2-As BRTs (corredores expressos) serão uma solução para a região?
Resposta: Os corredores expressos de ônibus, que estão sendo projetados, além da provável ampliação de uma linha de metrô, por serem sistemas com alta capacidade de transporte, são, sem sombra de dúvida, intervenções que irão facilitar o acesso e a saída da Barra da Tijuca, aliviando seus gargalos.
3-A duplicação da Avenida Niemeyer seria uma boa opção?
Resposta: Não! A causa dos congestionamentos urbanos é consequência da "Tradicional Política de Transporte", que prioriza os investimentos na ampliação da infraestrutura viária para circulação dos automóveis e estimula a aquisição do carro particular. Enquanto isso, os Sistemas de "Transporte Coletivo Regulamentado" permanecem anos afio sem alteração.
Essa Política equivocada é responsável pela reprodução de um processo insustentável, no qual a oferta de mais vias atrai mais automóveis particulares que provocam mais congestionamentos.
4-Quais são os principais entraves para a solução do problema?
Resposta: Ausência de prioridades na aplicação de investimentos em infraestrutura e no gerenciamento da mobilidade que favoreçam a ampliação e diversificação dos sistemas de transporte coletivo;
-Regulamentação dos transportes públicos obsoleta. A atual regulamentação cria uma camisa de força, pois estabelece concessões por até 20 anos para a oferta e operação de linhas de transporte público com serviços padronizados, homogêneos e rígidos, o que limita a atuação de empresário de ônibus a mero operador de transporte. Em outras palavras, a referida regulamentação não reconhece demandas distintas, nem a necessidade de ajustes periódicos nos serviços prestados. A cidade funciona como um organismo vivo, se desenvolve e cresce. Portanto, a legislação deveria ser aprimorada para permitir;
-Ajustes periódicos nas rotas das linhas de ônibus para acompanhar variações da demanda;
-Reconhecer a necessidade de diversificar os serviços ofertados para atrair outras demandas mais exigentes, como por exemplo: ser capaz de atrair o usuário do automóvel particular;
5-Os gargalos ficam em que locais?
Nas “portas” de entrada e de saída da Barra.



READ MORE - Política de transporte no Rio está ultrapassada, diz especialista

Prefeitura de Campo Grande entrega novos ônibus para o transporte coletivo na segunda


A Prefeitura de Campo Grande vai realizar a primeira etapa da entrega de novos ônibus que deverão integrar a frota de coletivos da Capital nesta segunda (16.08). A solenidade será às 8h30min, na Praça do Rádio Clube, centro da cidade. Serão entregues na segunda 52 ônibus do total de 111 novos ônibus que entrarão em circulação.
A novidade é que todos os 111 ônibus serão adaptados para o uso de deficientes físicos, desde os coletivos urbanos até os micro-ônibus urbanos e micro-ônibus executivos (com ar condicionado). Com estes novos carros, a frota total de Campo Grande passará de 540 veículos para 563, sendo 84% dos veículos adaptados.

Outra novidade é a ampliação dos micro-ônibus urbanos, que antes tinham 24 lugares e agora passarão a ter 32, além de segunda porta. Por norma contratual, os ônibus novos são pagos pelas 5 empresas de transporte público atuantes no município. A segunda entrega de novos ônibus será no dia 1º de setembro, também na Praça do Rádio Clube, às 8h30.

Fonte: Correio do Estado


READ MORE - Prefeitura de Campo Grande entrega novos ônibus para o transporte coletivo na segunda

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960