Dia do Motorista: homenagem justa, mas pouco a comemorar

domingo, 25 de julho de 2010


Ônibus automáticos, com suspensão que prioriza o conforto, ar condicionado, sistema de computador de bordo que auxilia as operações e vias mais largas e com planejamento melhor.Seriam características ideais para quem é motorista de ônibus.

Mas, dados relacionados à saúde e segurança pública, mostram que a profissão é cercada de várias adversidades que colocam em risco a saúde, a integridade física e a qualidade de vida dos mestres do volante.

Pode-se dizer, sem usar jargões ou frases feitas, que os motoristas em geral, de ônibus, caminhão, carros de socorro e de diversos serviços conduziram e continuarão a conduzir o progresso, ainda mais num país que a partir dos anos de 1950 privilegiou a política rodoviarista e abandonou os transportes ferroviários quase que completamente.

Motoristas de ontem e de hoje podem ser considerados heróis, mas de diferentes batalhas.

Uma pesquisa nacional, com mais de 1300 motoristas de diversas capitais e regiões metropolitanas do País, realizada pela UnB – Universidade de Brasília – em 2008 mostrou dados alarmantes.

O número de afastamentos do trabalho pelos motoristas de ônibus e caminhão registra aumento praticamente em todos os anos. A primeira causa destes afastamentos, quando analisado somente o universo de motoristas de ônibus, são dores nas costas. O segundo maior motivo pelo qual os motoristas “caem no INSS”, quando os afastamentos são superiores a 15 dias, está relacionado a problemas psicológicos, entre os principais, estresse, depressão e síndrome do pânico.

A coordenadora da pesquisa foi a médica laboral Anadergh Barbosa Branco, que resume a realidade relatada por motoristas durante a pesquisa:“A gente sabe que existem linhas que só conseguem ser feitas com escolta [policial, por conta do número de assaltos].

A insegurança é um fator que contribui muito para depressão”. Para a médica, o tempo ideal de trabalho diário é de seis horas. “A posição do motorista é um muito desgastante. Além disso, ele precisa se concentrar no trânsito. Toda essa situação de estresse resulta em outros problemas de saúde.Ainda dentro da análise, foram feitas blitze em diversas regiões do País com motoristas de ônibus e caminhoneiros.

Mais uma vez, os resultados impressionam:
71% dos motoristas estão acima do peso.
34% sofrem de pressão
33% possuem problemas de visão que não sabiam
23% admitiram beber, em alguns casos até o ponto de se embriagar, 3 vezes por semana ou mais
14% declararam ter distúrbios do sono.

No caso dos motoristas de ônibus urbanos, a situação é pior ainda.Os assaltos são mais constantes e as ações de criminosos têm se tornado mais violentas. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo não forneceu o número de motoristas que morrem ou se ferem em ações criminosas, mas os casos assustam a categoria.Em relação ao trânsito, a violência também aumentou.

Os congestionamentos, a impaciência dos motoristas de carros e até mesmo de outros motoristas de ônibus e a imprudência de motoboys fazem com que os condutores trabalhem sobre dupla pressão: a de não colocar a própria vida e de diversas pessoas em risco e também de não serem responsabilizados pelos acidentes e acabarem bancando o conserto dos ônibus e outros veículos envolvidos. E uma peça de ônibus é bastante cara.

Quanto ao vandalismo por parte dos passageiros e moradores, embora a regra seja condenada, em alguns casos, o motorista do ônibus acaba pagando por pequenos prejuízos, como de bancos, luminárias, vidros riscados.Já em casos mais extremos de violência gratuita, uma moda que atormenta a vida de motoristas e passageiros contribui para que as tensões aumentem: os constantes incêndios em ônibus.

Basta qualquer coisa acontecer para um grupo de criminosos disfarçados de manifestantes, queimarem um ônibus. É só a polícia, dar um tiro de raspão num traficante de drogas que domina uma favela que pronto, um ou mais ônibus viram enormes fogueiras.

E mesmo quando as reivindicações dos moradores são justas, ônibus também são queimados, o que não se justifica em hipótese nenhuma. Outro agravante na situação dos motoristas de ônibus se intensificou no final dos anos de 1990, com o crescimento do uso dos microônibus. Os veículos são mais ágeis e fáceis de dirigir, porém, os motoristas têm de cobrar a passagem. Nos anos 2000, o acúmulo de serviços que é contestado até mesmo no plano jurídico, se disseminou em quase todas as cidades brasileiras com a adoção dos ônibus midis, os famosos micrões, que são um pouco menores que os veículos convencionais (praticamente do mesmo tamanho de modelos antigos, como o Caio Gabriela). Nos micrões também não há cobrador.

O ato de prestar a atenção no trânsito, receber o passe ou o dinheiro, calcular o troco e entregar aos diversos passageiros, muitas vezes com os ônibus já em movimento também é outra queixa da categoria. Isso sem contar com valores de tarifas que não facilitam em nada o troco, como R$ 2,65, R$ 5,85, etc.

READ MORE - Dia do Motorista: homenagem justa, mas pouco a comemorar

Rio de Janeiro: Projeto quer implantar transporte público na Lagoa Rodrigo de Freitas


Um projeto feito em parceria por dois escritórios de arquitetura cariocas pretende utilizar a Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul, como uma alternativa para o caótico trânsito da cidade do Rio de Janeiro. Os arquitetos desenvolveram um projeto aquaviário para a Lagoa, onde pequenos barcos, com capacidade de passageiros semelhante a dos ônibus urbanos, cruzariam o espelho d'água, interligando diferentes pontos, como o viaduto que dá acesso ao Túnel Rebouças, ao Corte do Cantagalo, ou aos bairros da Fonte da Saudade e do Humaitá à Praia de Ipanema, através do Canal do Jardim de Alah.
“O projeto não vai resolver o problema do trânsito no entorno da Lagoa, mas será mais uma alternativa de transporte público”, ressalva o arquiteto Leonardo Lattavo, um dos idealizadores. “O transporte aquaviário é pouco explorado no Rio”, acrescenta. Lattavo ressalta que os barcos poderiam fazer a integração com ônibus em pontos no entorno da Lagoa. “Seria um transporte intermodal, onde, por exemplo, a pessoa pegaria um barco em Ipanema rumo a um ponto de ônibus na boca do Túnel Rebouças”, explica o arquiteto.



Quiosque flutuante está previsto no projeto
Além da possibilidade de se criar um transporte público atravessando o espelho d'água, Lattavo destaca a vocação turística do projeto. “Muitos turistas certamente gostariam de pegar um barco e passear pelo meio da Lagoa, e tirar fotos da cidade de um ângulo que hoje não é possível”, observa. “Às vezes, o turista está com o tempo escasso e, utilizando os barcos, pode atravessar a Lagoa de forma mais rápida do que a pé, ou mesmo de ônibus”, complementa o arquiteto.
Um dos tópicos do projeto contempla a construção de um quiosque flutuante, que poderia ser deslocado para qualquer ponto da Lagoa. “Hoje, não existe o uso da parte central da Lagoa. As pessoas chegariam ao quiosque nos barcos, de pedalinho ou até de caiaque. E o deslocamento do quiosque permitiria posicioná-lo próximo ao ponto de chegada de competições de remo ou de vela”, diz Lattavo.
Fonte: G1.com.br
READ MORE - Rio de Janeiro: Projeto quer implantar transporte público na Lagoa Rodrigo de Freitas

Novo terminal de ônibus BH Shopping entra em operação


A partir da próxima segunda-feira, dia 26/7, os passageiros do transporte coletivo das linhas de ônibus que trafegam na MG-030 e BR-356 vão contar com novo terminal de ônibus interligado ao BH Shopping. Mais de 30 linhas terão pontos de parada no local, trazendo mais conforto, segurança e comodidade para cerca de 10 mil pessoas que utilizam diariamente as linhas no local.

O terminal, idealizado pelo arquiteto Carlos Rizzo, especialista em mobiliário urbano, tem 60 assentos, cobertura em toda extensão e uma estrutura moderna em policarbonato alveolar. O projeto contempla ainda iluminação e paisagismo, humanizando e urbanizando a área. Em um prazo de aproximadamente 20 dias, quando o terminal será oficialmente inaugurado, os usuários ainda contarão com passarela coberta até o shopping.

Os passageiros do transporte coletivo serão informados sobre o novo terminal através de folhetos que serão distribuídos a partir de sábado nos antigos pontos de parada. Além disso, os ônibus contarão com cartazes informativos e uma equipe da BHTRANS estará disponível, na segunda-feira de manhã, para orientar os usuários sobre a localização dos novos pontos e das novas opções de travessia de pedestres.

Sobre as obras

A reforma do terminal integra as obras dos melhoramentos urbanos exigidos no licenciamento ambiental concedido pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente (COMAM) para a V Expansão do BH Shopping. Elaboradas e executadas pelo BH Shopping conforme diretrizes da BHTRANS, as obras contemplam ainda o alargamento da MG-030 e da BR-356. As mudanças vão permitir a ampliação da capacidade da via, proporcionando mais fluidez ao tráfego e mais conforto e segurança para os pedestres. Os ônibus terão duas pistas exclusivas para embarque e desembarque de passageiros.

A segurança dos pedestres também foi contemplada no projeto. Serão implantadas novas travessias semaforizadas, além de amplos passeios com 3m de largura em piso intertravado colorido, totalizando 4.600 m2 de área, com todas as adequações para pessoas de mobilidade reduzida, como piso do tipo tátil em ladrilho hidráulico, que proporciona a correta orientação de chão para deficientes visuais, evitando acidentes e indicando a direção do percurso.

Linhas que serão beneficiadas com o novo terminal:
Terminal 1 – Linhas MG 030

3051 - Flávio Marques Lisboa / Savassi Via Nossa Sra. Do Carmo
4150 - Shopping Del Rey / BH Shopping
3052 - Estação Diamante / BH Shopping Via Havaí
8106 - Santa Cruz / BH Shopping Via Belvedere
4110 - Dom Cabral / Belvedere
9250 - Caetano Furquim / Nova Cintra Savassi
4113 - Bom Jesus / Belvedere
8001A - Santa Inês / BH Shopping
S21 - Dom Cabral / BH Shopping

Terminal 2 – Linhas BR - 356
1000 - Bairro Regina/Alameda da Serra
3937 - Campinho Via Córrego Ferreira / Retiro do Chalé / Belo Horizonte
1320 - Cidade Industrial /Alameda da Serra
3938 - Condomínio Pasárgada/ Belo Horizonte
2004 - Bandeirantes / Pilar Vila Olhos D’água
3942 - Casa Branca Via Serra Rola Moça / Belo Horizonte
3050 - Estação Diamante / Hospitais Via BH Shopping
3943 - Suzana / Belo Horizonte
3055 - Estação Barreiro / Savassi Via BH Shopping
3947 - Condomínio Alphaville / Belo Horizonte
3150 - Regina-Lindeia/BH Shopping Via Anel Rodoviário
4030 - Terminal São Benedito / Alameda da Serra Via Anel Rodoviário
3900 - Condomínio Retiro das Pedras / Belo Horizonte
4905 - Alameda da Serra / Cidade Industrial Retorno Av. Catalão
3905 - Jardim Canadá II / Belo Horizonte
4925 - Vila Barraginha Via Cidade Industrial / Alameda da Serra
3910 - Jardim Canadá / Belo Horizonte
5020 - Justinópolis / Alameda da Serra Via Anel Rodoviário
3915 - São Sebastião das Águas Claras / Belo Horizonte
5055 - Terminal Morro Alto / Alameda da Serra Via Anel Rodoviário
3932 - Casa Branca / Belo Horizonte
S10 - BH Shopping / São Francisco
3933 - Morro do Chapéu / Belo Horizonte

Fonte: BHTrans
READ MORE - Novo terminal de ônibus BH Shopping entra em operação

Rio de Janeiro: Ônibus poderão ficar praticamente isentos de ISS


A oito dias da data marcada pela Secretaria municipal de Transportes para licitar a concessão dos ônibus do Rio, o prefeito Eduardo Paes encaminhou , nesta sexta-feira, à Câmara de Vereadores um projeto de lei que torna simbólica a cobrança de Imposto Sobre Serviços (ISS) do novo sistema. O ISS será reduzido de 2% para 0,01% da arrecadação pelo transporte de passageiros, implicando uma renúncia fiscal de R$ 33 milhões por ano. A mensagem, em pleno recesso do Legislativo, surpreendeu os vereadores. Segundo a oposição, Paes, embora negue, com a renúncia fiscal vai subsidiar a tarifa e forçará o Legislativo a discutir a proposta diante de um fato consumado: o recesso só termina em agosto, após a licitação ter sido realizada.
- Não há mistério algum. A redução da alíquota estava prevista no edital. O projeto de lei só não foi enviado antes porque não haveria tempo para votar o bilhete único e a redução do ISS - argumentou o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão.
Hoje, as empresas de ônibus já têm benefícios fiscais, pois o ISS cobrado de outros setores da economia chega a 5%. A redução do imposto também não será o único benefício para as novas operadoras. A prefeitura vai arcar ainda com o custo das gratuidades - cujo valor ainda não foi divulgado.
Para os vereadores Paulo Pinheiro (PPS) e Andrea Gouvêa Vieira (PSDB), a votação da redução do ISS apenas depois da licitação cria uma insegurança jurídica:
- A concorrência se dará com base em regras não aprovadas por lei. Isso pode ser uma brecha para as empresas que operam o sistema tentarem, na Justiça, cancelar a licitação - disse Pinheiro.

Fonte: O Globo
READ MORE - Rio de Janeiro: Ônibus poderão ficar praticamente isentos de ISS

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960