Reunião da Comissão de Transporte e Meio Ambiente teve palestra sobre energia nos ônibus brasileiros

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Uma palestra de Guilherme Wilson, da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) marcou a realização da 4ª Reunião da Comissão de Transporte e Meio Ambiente da ANTP, no manhã de 23 de setembro de 2010, na sede da ANTP, em São Paulo.

Participaram do encontro: Adalberto Felício Maluf (Fundação Clinton), Ailton Brasiliense Pires (ANTP), Berenice Santana (ANTP), Cacilda B P Silva (Metrô-SP), Cássio Belvisi (Setpesp), Cláudio de Senna Frederico (Artificium), Eduardo A. Vasconcellos (ANTP), Guilherme Wilson (Fetranspor), Hélcio Raymundo (Setpesp), João G. Haenel Filho (SOCICAM), Karin Regina de C.C. Martins (EMTU-SP), Marcos Bicalho (ANTP), Plínio Assman (Brain Engenharia), Reginaldo Paiva (CPTM, ANTP), Renato Boaretto (IEMA), Rosemeiry Leite (CET).

Energia nos ônibus brasileiros. A exposição de Guilherme Wilson versou sobre o uso atual e futuro da energia nos ônibus brasileiros. O palestrante expôs todas as formas de energia que vêm sendo usadas nos ônibus brasileiros, a começar pelo óleo diesel, que corresponde a quase a totalidade dos veículos no Brasil. Relatou a evolução da qualidade do diesel em relação ao seu teor de enxofre.

Houve intensa discussão sobre o problema enfrentado com a lentidão da Petrobrás em reduzir o teor de enxofre e sobre os próximos passos a serem tomados. Ficou evidente a falta de organização das decisões da política brasileira de energia veicular, na medida em que há falta de informações técnicas adequadas e ocorrência de decisões isoladas, desconsiderando o quadro completo. Foi discutido especialmente como adaptar os veículos brasileiros ao diesel com reduzido teor de enxofre (S10) que estará disponível em 2013. Foi feita a proposta de que a ANTP se empenhe em realizar um resumo das conclusões e faça um acompanhamento permanente do tema, com foco no 18º Congresso da ANTP, em 2011, no Rio de Janeiro.

Vantagens, desvantagens e testes. Wilson mostrou as vantagens e desvantagens do uso biodiesel, do etanol, do gás natural, do diesel de cana de açúcar e da tecnologia híbrida nos ônibus nacionais, mostrando o resultado de um estudo detalhado sobre as conveniências do ônibus 'flex' (diesel e GNV). Ele informou que há testes em andamento no Brasil com veículos a etanol em São Paulo e proximamente no Rio de Janeiro; com uso do diesel S50 no Rio de Janeiro (desde janeiro deste ano), e com diesel de cana de açúcar no Rio de Janeiro a partir de 2011.

Finalmente, Guilherme Wilson resumiu o que qualifica como preocupações e sugestões para uma política energética adequada: informações de qualidade, planejamento coordenado, disponibilidade da energia, e adaptação às condições de cada região do país e ao tipo de sistema de transporte coletivo que se pretende incentivar.

Fonte: ANTP

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960