São Paulo: Mobilidade requer transporte público

segunda-feira, 7 de junho de 2010


Em 2050, o planeta terá mais de 9 bilhões de habitantes. A taxa urbanização será de 70% e haverá nas ruas cerca de 1,6 bilhão de veículos. A previsão não é de fim do mundo, mas é de esgotamento das condições de transporte se novas políticas para resolver os problemas de mobilidade não forem adotadas hoje, 40 anos antes.
Para discutir o assunto, especialistas se reuniram no Rio de Janeiro, de 30 de maio a 3 de junho, para a 10ª Michelin Challenge Bibendum, que teve como tema central os debates sobre o desenvolvimento de ações que possibilitem a sustentabilidade.
Maior incentivo ao transporte público, como forma de minimizar os problemas de trânsito, poluição, e melhorar a qualidade de vida nas cidades, continua sendo uma saída eficiente.
No Brasil, um terço da população se desloca por meios não motorizados, a pé ou de bicicleta, outro terço vai de transporte público e o terço restante utiliza veículos particulares.
A conta parece equilibrada, mas não está. Há mais espaço para os carros do que serviços em benefícios dos que vão a pé, de bicicleta, de coletivos, de trens e de metrôs.

Modelo - Idealizador do conceito dos corredores de ônibus, o arquiteto e urbanista Jaime Lerner acredita que o País reúne condições para construir mais pistas exclusivas e interligar as redes de transporte, mas o poder público anda devagar.
Para Lerner, que foi por duas vezes governador do Paraná e três vezes prefeito de Curitiba, "falta poder decisão. Em geral, os gestores delegam à burocracia, fugindo da visão global."
Em média, por um corredor de ônibus, aproximadamente 15 mil pessoas são transportadas por hora. Se for utilizada somente por carros, em intervalo igual, a mesma pista movimenta apenas 1.500 pessoas.
O Grande ABC tem exemplos, como o corredor da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo), que passa por quatro cidades, mas a oferta de linhas em que os ônibus não disputam lugar no trânsito com outros veículos ainda é pequena.
As dificuldades de liberar uma faixa somente para os coletivos, sobretudos nas vias que possuem mais de três pistas, é o desafio na opinião do ministro das Cidades, Márcio Fortes.
"É preciso encontrar espaço na rua para fazer o ônibus andar no corredor. A obra é barata e simples, mas não cabe em todos os lugares", afirmou o ministro, que também participou dos debates.
Solucionar uma questão como essa pode ser uma das saídas para os problemas de mobilidade das sete cidades.
A frota de veículos no Grande ABC, região com cerca de 2,6 milhões de habitantes, está estimada em mais de 1,3 milhão de unidades.
O tema merece tanta atenção que a ONU (Organização das Nações Unidas) determinou, em março, que o período de 2011 a 2020 será a década de ações em prol da segurança rodoviária.
A intenção não é só reduzir o número de mortes nas estradas, mas, também, incentivar políticas que diminuam os demais problemas ligados aos transportes. SC900,115

Fonte: Diário do Grande ABC

1 comentários:

Olá,
Obrigado por estar seguindo meu blog. Morei em Fortaleza(90 a 95), trabalhando com transporte, transportava(comercializava), madeira do Pará, infelizmente por problemas familiares tive que voltar para o Sul. Hoje estou meio fora do ramo(não por vontade), gostaria de voltar a atuar no ramo de transportes(trabalhei a vida toda com isso).
Tenho vontade de voltar para o Nordeste, falta um motivo, quem sabe um trabalho numa empresa de transporte.
Se precisar de algo aqui no Sul, disponha.
Muito bom teu blog, vou seguir.
Até+

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960