Motoristas de Rio Branco em greve pedem ajuda ao MPT

segunda-feira, 31 de maio de 2010


Os motoristas e cobrados apelaram mais uma vez ao Ministério Público do Trabalho (MPT) na manhã de ontem. A categoria pediu a procuradora Marielle Rissanne o fim dos intervalos entre as jornadas diárias de 7h20.

Segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte de Passageiros e Cargas do Acre (Sinttpac), Celina Ferreira, a procuradora do trabalho ouviu as reclamações dos funcionários que apresentaram irregularidades na forma em que as folgas são oferecidas.“Ficamos felizes quando a representante do MPT informou que um relatório sobre o assunto foi enviado para a prefeitura”, detalhou a sindicalista.

Celina explicou que os intervalos deveriam permitir que o trabalhador descansasse, mas isso não ocorre, porque as empresas vinculam o horário à permanência do motorista e do cobrador dentro dos próprios ônibus.

“Eles não têm tempo de ir para casa, assim ficam presos, aguardando apenas o horário de voltar a circular, então isso é irregular, pois não há descanso”, afirmou a presidente do Sinttpac. Ainda na manhã de ontem, o Sinttpac recebeu a determinação judicial que aumentou de 60% para 70% a quantidade de ônibus que devem circular nos horários de maior fluxo durante a greve.

Nos horários de menor movimento, o mínimo continua em 40%. “Vamos acatar a determinação judicial. Continuamos em greve até que haja um acordo”, afirmou a sindicalista. (Freud Antunes)

Fonte: A Tribuna

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960