Campinas: EMDEC gasta R$ 12 mil por mês com manutenção das estações de transferência

quarta-feira, 12 de maio de 2010


Balanço realizado pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (EMDEC) aponta que, mensalmente, são gastos cerca de R$ 12 mil com a manutenção das estações de transferência, que sofrem atos de vandalismo. São abrigos danificados, vidros quebrados, pichações e danos à comunicação visual.
Para se ter uma idéia do prejuízo, com este montante é possível comprar dois abrigos metálicos novos por mês, que custam cerca de R$ 6,5 mil cada. Ou, a cada quatro meses, construir uma nova estação de transferência, como a que está sendo implantada no Jardim Itajaí, com custo de R$ 50 mil e que irá atender cerca de 5 mil usuários diariamente.
Os atos de vandalismo são registrados em todos os cantos da cidade, mas as estações com maior incidência de ações são Moraes Salles, Dona Libânia, João Jorge, Anchieta e Sousas.
Na Moraes Salles, por exemplo, um dos abrigos da estação teve o vidro e bancos quebrados. Em Sousas, a estação teve gradis de proteção serrados. A Estação João Jorge, inaugurada no dia primeiro de abril deste ano, ou seja, há pouco mais de um mês, já está com alguns abrigos pichados. Em algumas estações de transferência, a comunicação visual (informações de linhas e horários dos ônibus) foi riscada ou arrancada.
Esses atos, além de danificarem o patrimônio público, também prejudicam a população, usuária do transporte. “Infelizmente, algumas atitudes isoladas acabam comprometendo todo o sistema de transporte. Recursos que poderiam ser destinados para mais melhorias, mais estações, acabam sendo direcionados para a manutenção e recuperação dos espaços danificados”, afirma o secretário de Transportes e presidente da EMDEC, Sérgio Torrecillas.

Estações de transferência
As estações de transferência começaram a ser implantadas, em Campinas, em julho de 2009. Elas fazem parte do processo de modernização e ampliação da qualidade do serviço de transporte público no município; que começou em maio de 2006, com o Sistema InterCamp e o Bilhete Único.
De lá para cá, 16 estações já foram inauguradas: Parque dos Eucaliptos, Campina Grande/São Luiz, João Jorge, Parque Industrial, Vila Georgina, Parque Vista Alegre, Adhemar de Barros, Sousas, Icaraí, Senador Saraiva, Moraes Salles, Dona Libânia, Irmã Serafina, Anchieta, Amarais e Expedicionários.
Duas estações estão em fase de finalização das obras: Parque Itajaí e DIC I. Outras duas estão em processo de implantação: Campos Salles e Parque Prado. E, ao longo deste ano, ainda está prevista a construção de outras nove estações: Francisco Glicério, Campos Elíseos, Carlos Lourenço, Padre Anchieta, Unicamp, PUC 2, Shopping Dom Pedro, Shopping Iguatemi e Jardim Planalto de Viracopos.
As estações já implantadas e a que estão em fase de construção consumiram, juntas, recursos da ordem de cerca de R$ 10 milhões. Esses valores foram custeados parte pela Prefeitura, por meio da EMDEC, e parte pelas empresas concessionárias do transporte público do município, conforme previsto em contrato.
As estações de transferência são miniterminais construídos com uma estrutura especial aos usuários, dotadas de serviços que visem à segurança e conforto do passageiro, ao processar a transferência entre as linhas. Elas recebem plataforma elevada (para embarque e desembarque em nível); piso podotátil de alerta e direcional; rampas acessíveis; reforço nas sinalizações verticais e horizontais; lixeiras; nova comunicação visual; e projeto paisagístico.
Além da comodidade e maior rapidez para os usuários do transporte público, as estações auxiliam no processo de revitalização da cidade, melhorando o entorno do espaço em que estão inseridas.

Fonte: EMDEC

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960