Em Curitiba, Sindicato ameaça parar ônibus

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Depois da terceira reunião de negociação frustrada, o Sindica­­to dos Motoristas e Cobradores nas Empresas de Transporte de Passageiros de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) ameaçou endurecer e iniciar greve se não houver um acordo sobre o reajuste salarial até o próximo dia 19. Está marcado para essa data um quarto encontro, mediado por um juiz e por um promotor do Tribunal Regional do Trabalho no Paraná (TRT-PR), para decidir sobre o salário dos cerca de 6 mil cobradores e 5,5 mil motoristas, que trabalham em 27 empresas de ônibus.
A categoria pede o reajuste da inflação no último ano (4,11%), de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), além de um aumento real de 5%. O salário médio é de R$ 1.350 para motoristas e de R$ 810 para cobradores.
O Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) diz que não nega o aumento, mas quer prorrogar o acerto para maio. Isso porque o sindicato patronal acredita que há insegurança para negociar por causa do edital de licitação das linhas de ônibus, aberto pela Urbanização de Curitiba (Urbs) no fim de dezembro de 2009. Em nota, o Setransp disse acreditar em um acordo, sem a necessidade de uma paralisação: “Esperamos chegar a um acordo antes dessa data (dia 19), contando com o bom senso de todos para que uma solução negociada seja encontrada”.
Para o presidente do Sindi­moc, o vereador Denílson Pires (DEM), é injusto vincular a negociação salarial com a licitação das linhas de ônibus, promovida pela prefeitura de Curitiba. “Não podemos ficar reféns. Não podemos 'pagar o pato' do edital”, desabafou. Ele disse que dia 19 é a última chance para um acordo antes de uma greve. “Será a reunião derradeira.”
Além do aumento de salário, o Sindimoc quer ainda a garantia da Urbs, empresa que gerencia o transporte coletivo em Curitiba, de que as empresas vencedoras do processo de concorrência sejam obrigadas a contratar os atuais funcionários do sistema com as garantias trabalhistas já conquistadas, caso sejam novos grupos empresariais a operar as linhas de ônibus. Os motoristas e cobradores têm, por exemplo, direito a cesta básica e a um anuênio de 2%.
Fonte: Gazeta do Povo

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960