Graças a redução do IPI, Bahia recebe por mês 10 mil carros, Para rodar a onde?

segunda-feira, 9 de novembro de 2009


Engarrafamentos constantes e uma seqüência de prejuízos que incluem tempo perdido, desperdício de combustível, elevação no número de acidentes, de poluição e do nível de estresse entre os motoristas. Uma realidade do trânsito de Salvador e de alguns municípios baianos, que tende a aumentar com o crescimento cada vez maior da frota de veículos - somente no mês de agosto foram vendidos mais de 10 mil em todo o Estado. Conforme dados do Detran, a frota de veículos na capital cresceu 5 % no último mês, em relação ao mesmo período do ano passado, tendo hoje 656.611 mil carros. Em tempos de IPI reduzido, a previsão é de que mais carros cheguem às ruas até o final de setembro, elevando o colapso na cidade.
No interior do Estado, a frota chega a cerca de 1,4 milhão, com acréscimo de 8,9% em relação ao mesmo período do ano passado. Em toda a Bahia, o licenciamento de veículos cresceu em 7,7% de janeiro a agosto deste ano. De acordo com especialistas em tráfego, diante da situação o trânsito da capital baiana está à beira de um colapso, caso não sejam feitas urgentes intervenções.

Problema recorrente nos centros urbanos
A redução do IPI, a recuperação do crédito e o aquecimento da economia impulsionaram o setor de vendas de carros na Bahia, elevando o número de “cidadãos motorizados”. “Acabei de comprar um carro para facilitar minha locomoção no dia a dia, pois trabalho em dois lugares. Mas, o que mais me desanima são os congestionamentos. No final do dia estou morta de cansaço e estresse”, conta a nutricionista, Ana Soares, 29 anos. A jovem é mais uma na multidão de novos condutores que lotam as vias da cidade.
Transitar nas principais avenidas em horários de pico já se tornou um tormento praticamente irreversível. Sem ter para onde crescer e com ocupações irregulares, a capital baiana necessita de urgentes medidas para fluir o tráfego.
De acordo com o engenheiro de tráfego e professor da Ufba, Elmo Felzemburg, o inchaço de veículos e conseqüentemente o aumento dos engarrafamentos não é um problema apenas de Salvador, mas de Recife e de outras cidades com sistema de trânsito mais moderno, a exemplo do Rio de Janeiro, São Paulo, Paris (França) e Cingapura (capital de Cingapura - país do sudeste asiático). “E preciso que as autoridades ofereçam alternativas melhores de transporte para a população”, afirma, lembrando que mesmo que o sistema de Salvador se modernize não vai consegui resolver todos os problemas do trânsito.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960