'Uber do ônibus': entenda a confusão entre a UBus e a prefeitura de SP

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

A UBus, depois de poucos dias em operação, teve sua atividade proibida pela prefeitura de São Paulo e veículos apreendidos pelo município. O serviço, que criou uma espécie de “transporte público” por aplicativo, se envolveu em confusão com Edson Caram, atual secretário municipal de Mobilidade e Transportes de São paulo que, por sua vez, quer estudar impactos do app antes de permitir a circulação dos ônibus.

A UBus estava em fase inicial do serviço. Tanto a Metra — dona dos ônibus e possuidora da concessão da rota —, quanto a UBus, são propriedades do mesmo grupo, embora funcionem paralelamente.

Antes de começar as atividades, a UBus garantiu autorização da Empresa Metropolitana de Transporte Urbano (EMTU), ligada ao governo do Estado de São Paulo e responsável por linhas intermunicipais, para atuar; mas não foi o bastante para impedir as ordens de Edson Caram.

“Para usar o meu corredor, do município, ele tem que ter autorização da secretaria municipal. Independentemente de quem tenha dado autorização antes.”, disse o secretário ao justificar a apreensão. Caram exige que estudos sobre os impactos causados pelo serviço sejam apresentados antes de autorizar a circulação dos veículos.

Quem é a UBus?
O UBus é uma espécie de serviço de transporte coletivo. Os ônibus da marca proporcionam alguns luxos para os passageiros, incluindo WiFi, tomadas para carregadores e lugares reservados.

O percurso, por enquanto, era único. Transportava passageiros entre a avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, na capital de São Paulo, até São Bernardo do Campo, município vizinho localizado na região metropolitana.

A atividade foi considerada clandestina pelo secretário e ele ordenou a apreensão dos veículos do serviço até que uma autorização municipal seja dada.

Autorizações inconsistentes
O site Tilt, da UOL, teve acesso aos registros do trâmite da aprovação do serviço e constatou que tudo ia bem até o documento chegar às mãos do secretário.

O processo começou no início de setembro e a UBus garantiu autorização do EMTU — incluindo adesivos colados no ônibus; SPTrans e até pela assessoria jurídica da secretaria municipal. No entanto, ao chegar ao gabinete do secretário, a situação mudou e o processo foi suspenso.

“Quando veio para o meu gabinete para que eu assinasse e verifiquei que se tratava de aplicativo, mandei suspender,”, disse o secretário em entrevista para o site.

A Metra afirma que não foi notificada da mudança de posição do secretário Caram. A empresa considera a apreensão dos 15 novos ônibus irregular, justamente por já contar com autorização da EMTU para circular.

Além disso, o secretário ainda pede calma para a aprovação: “quanto mais pressão tiver no processo, pior fica.”, disse ele. A prefeitura afirma que não há prazo para a resolução dos problemas e os veículos seguirão apreendidos.

Um momento delicado
Recentemente, a prefeitura de São Paulo anunciou que o transporte público paulistano está inaugurando o pagamento com cartão de débito, crédito ou por smartphone por proximidade — embora ainda esteja em fase de testes.

Caram também revela que a próxima novidade será o pagamento por QR Code, parecido com o que já existe em algumas estações de metrô igualmente de São Paulo.

Portanto, é no mínimo curioso a mudança de posição do secretário e a ordem de suspensão do serviço da UBus. O grupo responsável pela empresa deve tentar acelerar o processo de autorização e ter a posse de seus veículos novamente.

Até lá, os cidadãos que precisam circular entre São Paulo e São Bernardo do Campo precisarão se contentar com o serviço autorizado pela prefeitura.

Informações: Tecmundo

READ MORE - 'Uber do ônibus': entenda a confusão entre a UBus e a prefeitura de SP

Moradores de Curitiba vão pagar R$ 4,50 na Linha Turismo

Para incentivar os moradores de Curitiba a usar a Linha Turismo, a Prefeitura de Curitiba vai permitir a utilização do cartão-transporte para embarque no ônibus que passa pelos principais pontos turísticos da cidade. A medida começa a valer na próxima terça-feira (15/10).

O usuário do cartão-transporte vai pagar o mesmo preço da passagem do ônibus convencional, R$ 4,50, por embarque na Linha Turismo. O valor vale para terças, quartas e quintas-feiras.

A medida está prevista em um decreto do prefeito Rafael Greca, assinado em 30 de setembro. O projeto, batizado de Primavera Turística, vai até o fim da estação, em 20 de dezembro. A Urbanização de Curitiba (Urbs) estima um aumento de 12 mil passageiros na linha por mês.

Não serão permitidas utilizações repetidas no mesmo veículo e sua reutilização somente estará habilitada após decorrer o tempo de 30 minutos.

A utilização só vale para pessoa física com o cartão usuário com créditos adquiridos após a publicação do decreto.  

Linha especial
A Linha Turismo é uma linha de ônibus especial que passa por 26 pontos turísticos de Curitiba. Com ela, é possível conhecer os principais parques, praças e atrações da cidade. Considerada uma das melhores do país, a Linha Turismo circula a cada 30 minutos, percorrendo aproximadamente 45 quilômetros em cerca de três horas.

O roteiro começa na Praça Tiradentes, mas é possível iniciar o trajeto em qualquer um dos pontos. De janeiro a agosto desse ano foram 371 mil passageiros na Linha Turismo, com picos nos meses de férias - janeiro (71,4 mil) e julho (81,4 mil).

O preço do passeio para turistas continua R$ 50. Para embarcar, o passageiro adquire um cartão turismo individual, que dá direito a embarque ilimitados na linha, em um período de 24 horas, após a sua 1ª utilização de embarque.

Informações: Urbs

READ MORE - Moradores de Curitiba vão pagar R$ 4,50 na Linha Turismo

Utilização da BikePOA aumenta quase 60% neste ano

O uso de meios alternativos alcançou marca histórica, com aumento de quase 60% nos usos da BikePOA com relação ao ano passado. Além disso, os patinetes e bicicletas elétricas, que iniciaram a operação em fevereiro, conquistam a cada dia mais adeptos. As alternativas, somadas a outras medidas implantadas, mudam a priorização da mobilidade da cidade. 

O sistema de bicicletas de aluguel com estação teve a sua substituição por um modelo mais moderno concluída em março de 2018. A Capital passou a contar com 410 bicicletas, em 40 estações instaladas em pontos estratégicos. De março até setembro do ano passado, foram registradas 345.279 viagens. No mesmo período desde ano, foram 548.964, 59% de viagens a mais. 

As estações com maior número de retiradas de bicicletas são as da região do prédio de arquitetura da Ufrgs, próximo ao Centro Histórico, e a da Usina do Gasômetro. “Isso demonstra dois perfis diferentes de usuários, os que utilizam para o lazer, nos fins de semana na orla, e os que escolhem a bicicleta de aluguel como alternativa para o deslocamento”, explica o técnico da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Antônio Vigna. “São muito amplas as possibilidades desta nova mobilidade. Uma das vantagens é a liberdade de escolha e a possibilidade de integração com outros modais ao longo do dia”, complementa a coordenadora de Projetos de Mobilidade Sustentável da EPTC, Alessandra Both. O mês recorde de usos no ano passado foi agosto, com 60.003 viagens. Em 2019, esse número cresceu em mais de 35%, 81.590. Os dias que a população mais utilizou as BikePOA foram 19 de maio de 2018, com 3829 usos, e 8 de outubro de 2019, com 3947. Isso significa que, em média, cada bicicleta foi utilizada nove vezes por dia nessas datas.

Outra novidade que chegou em fevereiro conquista cada dia mais adeptos. Em seis meses, os usuários de patinetes elétricos e bicicletas compartilhadas sem estação percorreram, em média, 70 mil quilômetros mensais em Porto Alegre, segundo a Grow, responsável pelas operações da Grin e Yellow. Isso equivale a três vezes e meia a distância entre a capital gaúcha e a cidade de Xangai, na China. Desde o início da operação da empresa, o número de corridas de bicicleta na cidade aumentou cerca de 10% ao mês. Já os patinetes tiveram um alto crescimento nos dois primeiros meses, triplicando a quantidade de viagens, que depois mantiveram-se constantes. Os dados são do primeiro balanço da empresa, já encaminhado à prefeitura. "O sistema de compartilhamento de bicicletas e patinetes se apresenta como ator relevante na mudança de paradigma necessária, tornando as cidades mais inteligentes, sustentáveis e humanas", diz a gerente de Relações Governamentais e Institucionais da Grow, Fernanda Laranja.

Os patinetes e as bicicletas de aluguel sem estação tiveram a operação autorizada em razão do Decreto 19.701, de março de 2017, que permite o teste de novas tecnologias que contribuam com questões de relevância pública. Porto Alegre foi a única cidade do país a realizar um período de testes do serviço antes de sua regulamentação. A medida possibilitou, com a colaboração da consulta popular que ficou online por 15 dias, a criação de uma legislação de acordo com a realidade do mercado. Além disso, ao encaminhar o pedido de credenciamento, as empresas terão de informar de que maneira atenderão as pessoas que podem ter dificuldade de alcance aos equipamentos por morarem em bairros mais afastados ou por questões financeiras.

Uma nova Mobilidade Urbana – Desde o início da gestão, Porto Alegre busca alternativas inovadoras para qualificar a mobilidade urbana. Medidas como a priorização do transporte coletivo, que vai implantar mais 22 quilômetros de faixas exclusivas, a ampliação da malha cicloviária, como a conclusão da ciclovia da Ipiranga (da orla até Antônio de Carvalho), a publicação do decreto para uso dos patinetes – e a possibilidade de testes que serviram para a elabora dessa legislação – seguem conceitos utilizados em diversos países para democratizar a priorização do transporte. “Quanto mais espaço para veículos forem disponibilizados, mais carros teremos nas ruas. No mundo todo, o trabalho das administrações municipais é viabilizar a democratização do espaço público com a diversificação dos meios de transporte, o que prioriza o coletivo e a fluidez das vias, para qualificar os deslocamentos da população”, explica o secretário Extraordinário de Mobilidade Urbana, Rodrigo Tortoriello. “Ganhos diários de tempo significam mais tempo com a família, para descansar, trabalhar ou praticar um esporte – isso quando a atividade não é feita durante o deslocamento, com uma bicicleta por exemplo”, complementa Tortoriello.

Dicas para uma circulação mais segura: 
- Carros devem se manter, no mínimo, 1,5 m de ciclistas
- Mesmo sem a obrigatoriedade, use itens de segurança como capacetes
- No trânsito, a preferência é sempre do mais frágil. Os ciclistas devem cuidar dos pedestres, os carros dos ciclistas, pedestres e usuários de patinetes e assim por diante. 
- Respeite o limite de velocidade nos patinetes: até 20 km/h nas ciclovias e até 6 km/h nas calçadas. Os condutores do equipamento não podem circular em ruas e avenidas. 
- As bicicletas elétricas só podem circular em ciclofaixas, ciclovias, ruas e avenidas. A velocidade máxima permitida é 25 km/h.
- Não deixe os patinetes e bicicletas sem estação de forma que bloqueie a passagem de pedestres.

Informações: EPTC

READ MORE - Utilização da BikePOA aumenta quase 60% neste ano

Grande Recife põe em operação a linha 229 – Marcos Freire (Opcional)

sábado, 12 de outubro de 2019

Atendendo ao pedido da Associação de Moradores de Marcos Freire, o Grande Recife põe em operação a linha 229 – Marcos Freire (Opcional), a partir desta segunda-feira (14). Inicialmente, quatro ônibus farão, ao longo dos dias úteis, 18 viagens saindo do Conjunto Residencial Marcos Freire, em Jaboatão dos Guararapes, em direção ao Cais de Santa Rita, no Centro do Recife.

Por se tratar de uma linha Opcional, não haverá gratuidade. Ou seja, a passagem será cobrada integralmente. Os ônibus serão operados pela empresa Vera Cruz e a tarifa custará R$ 6,45, assim como outras Opcionais. Confira, abaixo, o itinerário e os pontos de parada dos ônibus:

Sentido terminal/ponto de retorno: Conjunto Residencial Marcos Freire, Av. Barreto de Menezes, Rua Felipe Camarão, Av. Fernandes Vieira, Av. Domingos Fernandes (via de acesso ao Conjunto Marcos Freire), Estrada da Muribeca, Rodovia BR-101, Av. Doutor Júlio Maranhão, Estrada da Batalha, Av. Mal. Mascarenhas de Moraes, Ponte Motocolombó, Av. Sul, Cais de Santa Rita.

Sentido ponto de retorno/terminal: Terminal de Passageiros Santa Rita, Av. Martins de Barros, R. Primeiro de Março, Av. Dantas Barreto (Pista Leste), Av. Dantas Barreto (Pista Oeste), Av. Nossa Senhora do Carmo, Av. Martins de Barros, Cais de Santa Rita, Travessa do Forte, R. São João, Av. Dantas Barreto, Av. Sul, R. da Paz, Praça da Paz, R. Motocolombó, Ponte Motocolombó, Av. Mal. Mascarenhas de Moraes, Estrada da Batalha, Av. Doutor Júlio Maranhão, Rodovia BR-101, Rodovia BR-101 (RETORNO), Rodovia BR-101, Estrada da Muribeca, Av. Domingos Fernandes (via de acesso ao Conjunto Marcos Freire), Av. Fernandes Vieira, Rua Felipe Maranhão, Av. Barreto de Menezes, Rua André Dias de França, Conjunto Residencial Marcos Freire.

Com estes percursos, os ônibus da linha atenderão as seguintes paradas no Centro do Recife:

Sentido subúrbio/cidade:

– Parada nº 180559, que fica na Avenida Sul, antes do Terminal Integrado Largo da Paz;

– Parada nº 180019, também na Avenida Sul, antes do cruzamento com o Viaduto das Cinco Pontas.

Sentido cidade/subúrbio:

– Parada nº 180290, na Rua Primeiro de Março, ao lado do Edif. Seguradora, em frente à Pracinha do Diário;

– Parada nº 180230, na Avenida Nossa Senhora do Carmo, em frente ao CEBRAC – Central de Cursos Brasileiro, antes do cruzamento com a Rua do Fogo;

– Parada nº 180247, na Avenida Dantas Barreto, em frente ao imóvel nº 1.246, lado oposto à escada do Camelódromo;

– Parada nº 180456, no Largo da Paz, em Afogados, primeira parada da Praça da Paz.

Para tirar dúvidas ou enviar sugestões e reclamações, o usuário pode entrar em contato com a Central de Atendimento ao Cliente (0800 081 0158) ou WhatsApp (99488.3999), exclusivo para reclamações.

Informações: GRCT

READ MORE - Grande Recife põe em operação a linha 229 – Marcos Freire (Opcional)

Tecnologia de aproximação facilita pagamento no transporte público

Foi-se o tempo em que bastava dependurar-se numa brecha do bonde para viajar no transporte coletivo. Logo, a modernidade trouxe o ônibus fechadão e o vale transporte, uma espécie de dinheiro de papel que dava ao trabalhador o direito de usar o veículo.

E o que falar dos cartões de transporte que vieram depois? O progresso no sistema de pagamentos, enquanto o dinheiro em espécie seguiu lá.

O mundo continuou em busca da inovação. Em Londres, na Inglaterra, com seu entrelaçado sistema de metrô, foi meio que a cidade precursora de um novo sistema que, aos poucos, está sendo adotado aqui no Brasil.

Desde abril, no metrô do Rio de Janeiro, dá para pagar a viagem com o cartão de crédito, débito ou pré-pago apenas aproximando ele do equipamento ou pagar com o cartão digital, via celular ou relógio smart, se já estiver com a tecnologia habilitada.

"Logo que eu soube que ela tava disponível, eu já passei a utilizar o aplicativo. Economiza tempo e é uma facilidade. Superprático", disse um usuário do metrô do Rio.

Essa tecnologia de pagamento por aproximação NFC (Near Field Communication), na sigla em inglês, está funcionando nas 41 estações da rede e quase 60% das passagens peagas pelo sistema, segundo o MetrôRio, foram através de dispositivos inteligentes, como celulares, relógios e pulseiras.

São Paulo está experimentando o sistema. Ainda é uma fase de testes em 12 linhas, 200 ônibus, que circulam na capital paulista e transportam cerca de 2,9 milhões de passageiros por mês. Durante três meses, o sistema vai ser colocado à prova.

É para sentir como as pessoas vão se adaptar a mais essa forma de pagar a passagem.

"Acho mais prático, né? Onde daqui a pouco no ônibus não vai ter cobrador. Tá tendo tanta mudança. Pelo menos uma mudança que seja mais agilizada para o passageiro"

Como ainda é um teste, não dá para pagar meia, nem fazer a integração do transporte público usando uma tarifa apenas. É do mesmo jeito de quem paga com o dinheiro vivo. Útil, principalmente, para turistas.

O representante de uma das companhias de pagamentos diz que o grupo já está nos sistemas de transportes públicos de 20 cidades, em 12 países e há outros 150 projetos em andamento.

"A gente tem planos de expansão em outras cidades do Brasil, em outras geografias do Brasil. E acho que quem ganha é o cidadão. Existe um legado pra sociedade. É um legado firme consistente sólido para que as pessoas cada vez mais tenham uma liberdade de escolha de usar a tecnologia da forma que melhor lhe convier", afirma Percival Jatobá, vice-presidente de produtos e inovação da Visa do Brasil.

É a corrida para não chegar atrasado demais na próxima estação. E atual, como pede o mundo 4.0.

Informações: G1


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página

READ MORE - Tecnologia de aproximação facilita pagamento no transporte público

Nova linha de ônibus passa a operar na Grande Aracaju

Começou a circular a nova linha de ônibus do transporte coletivo de Aracaju, a 304 - Santa Cecília/Zona Oeste. Segundo a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), o veículo vai do Terminal de Integração Leonel Brizola, em Aracaju, até o Loteamento Santa Cecília, no município de Nossa Senhora do Socorro.

Saindo do final de linha do Santa Cecília, o itinerário é o seguinte: Avenida Saneamento, Rua Antônio Alves Filho, avenidas Boa Viagem e Gasoduto, Rua 173, avenidas Lauro Porto, Santa Gleide, Alcides Fontes, Tancredo Neves e Terminal de Integração Leonel Brizola.

Já ao sair do terminal, os veículos da linha percorrem as seguintes vias: Avenida Tancredo Neves (retornando pelo viaduto), avenidas Alcides Fontes, São Paulo, Maranhão, Matadouro, Santa Gleide e Lauro Porto (retorno pelo viaduto da BR-235), rua 125, Avenida Chesf e final de linha do Santa Cecília.

*Com informações da SMTT


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Nova linha de ônibus passa a operar na Grande Aracaju

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960