Governo do Rio quita débito de R$ 350 milhões com consórcio da Linha 4 do metrô

quarta-feira, 6 de julho de 2016

O governo do Estado do Rio fez hoje (5) o repasse de R$ 350 milhões ao consórcio responsável pela Linha 4 do metrô por trabalhos já executados pelas empreiteiras que trabalham na conclusão das obras para os Jogos Rio 2016. Dessa forma, a Secretaria de Estado de Transportes está em dia com o consórcio.

Com a quitação do débito, faltam ainda outros R$ 150 milhões para as obras do entorno das estações da Linha 4, como asfaltamento, iluminação e calçadas. De acordo com o secretário de Transportes, Rodrigo Vieira, a Linha 4 começa a funcionar a partir de 1° de agosto, ligando Ipanema, na zona sul, ao Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca, na zona oeste, de modo a atender a demanda dos Jogos Rio 2016, que começam no dia 5 de agosto.

O secretário informou que os 15 trens que serão usados na Linha 4 já estão sendo utilizados nas linhas 1 e 2. Os demais testes são realizados, desde o ano passado, sistema a sistema. Entre os dias 1º e 5 de agosto, a linha será utilizada apenas por portadores de credenciais para os Jogos Olímpicos.

A partir de 5 de agosto, além dos portadores de credenciais, todos os que portarem ingressos para os jogos poderão usar o metrô no trecho. Após os jogos, a partir do dia 19 de setembro, a linha será aberta ao público entre 11h e 15h. O período será ampliado até o fim do ano, conforme a operadora for diminuindo o intervalo entre os trens e puder absorver a demanda.

Entenda a obra

A Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro (Barra da Tijuca — Ipanema) transportará mais de 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico. Serão seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) e aproximadamente 16 quilômetros de extensão.

Com a nova linha, o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa, deslocando-se, por exemplo, da Barra da Tijuca à Pavuna. Será possível ir da Barra a Ipanema em 13 minutos e da Barra ao Centro em 34 minutos.

O projeto é o maior legado em transporte que a população do Rio de Janeiro ganhará com os Jogos Olímpicos. O investimento é de R$ 9,7 bilhões, sendo R$ 8,4 bilhões de recursos do governo do estado e o restante da Concessionária Rio Barra, responsável pela implantação da Linha 4 do Metrô, que emprega cerca de 9 mil colaboradores, entre contratados e subcontratados.

Após passar por uma fase de testes, a Linha 4 entra em operação no primeiro semestre de 2016, quando estarão em funcionamento as estações Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, São Conrado e Jardim Oceânico.

A Estação Gávea teve o projeto alterado para ampliar a possibilidade de futuras expansões da malha metroviária do Rio e será concluída em 2018. Essa alteração não gera qualquer impacto na operação do metrô durante as Olimpíadas e traz benefícios à população do Rio de Janeiro com a flexibilização do sistema para futuras expansões.

Por Armando Cardoso
Informações: Agência Brasil EBC
READ MORE - Governo do Rio quita débito de R$ 350 milhões com consórcio da Linha 4 do metrô

Em Salvador, Mobilidade urbana melhora com integração metrô/ônibus

A vida de muitos baianos mudou para melhor no que diz respeito à mobilidade urbana na metrópole Salvador. Um dos motivos foi a inclusão, em 12 de junho, das 27 linhas de ônibus alimentadoras do Terminal Pirajá na integração com o metrô, que resultou em aumento de 44% na média diária de passageiros transportados. A possibilidade de usar os dois meios de transporte pagando apenas R$ 3,30, aliada à rapidez e conforto do sistema metroviário, atraiu 11 mil novos usuários que hoje contabiliza um fluxo de 36 mil pessoas/dia.

Ontem, à tarde, a reportagem da Tribuna andou de metro, cuja primeira estação da linha 2 (Detran), em construção, deverá estar concluída em agosto,  e pode comprovar, in loco, a eficiência e pontualidade do sistema, bem como a satisfação dos passageiros em fazer a integração com os ônibus, a partir do Terminal de Pirajá, pagando apenas uma passagem. Para a auxiliar administrativa Jamile Neto Soares, 19, a integração entre os dois meios de transportes públicos “foi muito boa. Eu moro em Pirajá e trabalho no shopping Bela Vista, mas antes eu nem podia trabalhar lá por conta do acesso que era muito ruim. Agora além de gastar pouco tenho dois transportes: Depois do ônibus pego o metrô, saio na Estação Acesso Norte, atravesso a passarela e estou no trabalho. Ganho no bolso e no tempo também”, relatou a passageira que há quase um mês faz este roteiro todas as tarde utilizando o sistema. 

Já o vendedor Valdemir Santos, 32, morador de Coutos, no subúrbio ferroviário, também se adaptou rapidamente ao novo esquema de transporte que permite circular na cidade fazendo economia. “Essa integração era necessária. Venho de ônibus de Paripe e vou de metrô até a estação Acesso Norte de onde sigo para o Iguatemi, onde trabalho. E brevemente vai ficar melhor ainda com o metro chegando até lá. Aprovo a integração porque facilita a vida de todo o mundo”, disse, confirmando fazer o novo percurso quase que constantemente. 

Depois de sair de ônibus da Mata Escura, a assistente financeira Carla Farias  chegou à Estação Pirajá onde  fez a integração com o metrô pela primeira vez, seguindo com destino à Estação Campo da Pólvora. “Acho que, em média, a viagem deve durar uns 20 minutos até lá, no máximo”, calculou externando uma dose de satisfação com a experiência inédita.  A integração só pode ser feita com cartão e o usuário pode escolher entre o Cartão do Metrô (que é aceito em todos os ônibus municipais e metropolitanos, integrados ou não) e o SalvadorCard -que também é aceito no metrô-.. Para adquirir o Cartão do Metrô, basta fazer uma carga inicial de, no mínimo, R$ 5,00, valor que já fica como crédito para pagamento das passagens. 

Utilizando uma cadeira de rodas para se locomover, o aposentado Almirando Saturnino Lima, 46, aproveitou a tarde de ontem para, sozinho, ir ao shopping, algo que até pouco tempo era impossível tentar fazer utilizando o transporte público sem acompanhante. “Agora posso andar só, ganhei liberdade. É a segunda vez faço essa integração numa boa”, disse, enquanto era conduzido por um funcionário do metrô pela Estação Pirajá, que o ajudou a acessar o elevador transportador de pessoas que precisam de cuidados especiais. “Essa assistência é maravilhosa durante todo o tempo que eu estiver no metrô. Quando chego a estação (Acesso Norte) tem um funcionário lá que me leva pela passarela até o shopping, se caso eu queira. Não tenho o que reclamar, só elogiar”, acrescentou depois de concluir a  viagem que durou exatos sete minutos. 

O tempo de viagem de metrô da Estação Pirajá para a Lapa é de apenas 15 minutos. Juliana Santos, trabalhadora autônoma, fez o percurso no sentido inverso e, no final de linha pegou o ônibus para Cajazeiras. Antes comentou com o repórter que “foi uma grande conquista pra todos nós esta integração. Fui ao centro fazer compras e já estou de volta pra casa. Melhorou bastante para quem mora na periferia”, admitiu.          
                
Portanto, quem usa o metrô em seu cotidiano ganha mais tempo livre e mais qualidade de vida. Outro exemplo é o da estudante Isabela Farias de Santos Lima, 22 anos, moradora do Jardim Santo Inácio, que estuda radiologia no Campo da Pólvora. Antes de utilizar o metrô, o que fez a partir da integração com os ônibus municipais de Salvador, Isabela saía de casa às 6h40 e quase sempre chegava atrasada para a aula, que começa 8h.

Bastou começar a usar o metrô para se tornar uma aluna pontual e economizar tempo. Agora, a jovem sai de casa às 7h20, pega um ônibus até o Terminal Pirajá e atravessa a passarela até a Estação Pirajá. Após o embarque no trem, bastam, no máximo, 15 minutos para chegar à Estação Campo da Pólvora. Os 40 minutos economizados no deslocamento, Isabela usa para descansar melhor e chegar ao curso mais disposta. “Foi a melhor coisa. Otimiza o tempo”, avaliou. 

Entre os usuários do metrô, a inclusão de linhas do Terminal Pirajá quadruplicou o número de adeptos da integração, que anteriormente era restrita a dez linhas das estações Lapa, Acesso Norte e Retiro. A expectativa é que o fluxo de passageiros aumente ainda este mês, com a ampliação da integração urbana.

“O metrô está preparado para integrar com todas as linhas municipais e metropolitanas que circulam em Salvador, transportando a população com rapidez, conforto e segurança, na medida em que a prefeitura de Salvador descida ampliar a integração”, ressalta o gestor de Arrecadação da CCR Metrô Bahia, Júlio Freitas, lembrando que a Linha 1 já tem capacidade para transportar 200 mil passageiros/dia. As linhas municipais do Terminal Pirajá que são integradas ao metrô atendem principalmente ao bairro de Cajazeiras e arredores, localidades do Subúrbio Ferroviário e bairros às margens da BR-324, como Valéria. É possível também chegar à Barra, Chame-chame e Ondina utilizando o metrô até a Lapa e depois seguir em uma das três linhas que já integram na Estação Lapa.

Veja como funciona o sistema

Metrô - Ônibus
O usuário que embarcar em qualquer estação de metrô, passa o Cartão do Metrô ou SalvadorCARD nas catracas de acesso, debitando R$ 3,30, correspondente ao valor da passagem. Ao desembarcar, ele passará no validador do ônibus ou do terminal o mesmo cartão utilizado para acessar o metrô, podendo, em seguida, pegar qualquer uma das linhas sinalizadas com o adesivo vermelho “Integração Metrô”.

Ônibus - metrô
O usuário que embarcar em um ônibus, deverá utilizar seu Cartão do Metrô ou SalvadorCARD no validador, gerando a cobrança de R$ 3,30, correspondente ao valor da passagem. Ao desembarcar, o usuário deve se dirigir à estação de metrô para embarque, onde passará seu cartão (o mesmo usado no validador do ônibus) nas catracas de acesso. Neste caso, após desembarcar do metrô, o usuário poderá ainda usar o mesmo cartão para pegar um segundo ônibus com o símbolo “Integração Metrô” sem tarifa adicional, desde que a viagem seja realizada no intervalo de duas horas contadas a partir do embarque no primeiro. 

Para adquirir e recarregar o cartão do metrô dirija-se à  bilheteria de qualquer uma das oito estações do metrô e nas máquinas de autoatendimento da Estação Lapa do metrô. Para os usuários que portarem cartões do metrô, o atendimento poderá ser feito em qualquer uma das estações ou através da Ouvidoria, pelo telefone 0800 071 80 20.

Informações: Tribuna da Bahia
READ MORE - Em Salvador, Mobilidade urbana melhora com integração metrô/ônibus

Novo projeto prevê implantação de serviço de bicicletas compartilhadas em Goiânia

A Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC) apresentou nesta terça-feira (5) o edital referente à implantação de serviço de bicicletas compartilhadas em Goiânia. O projeto prevê a instalação de 30 estações com 300 bicicletas espalhadas em pontos estratégicos da capital.

O edital para implantação do serviço está aberto aos interessados em participar do chamamento público. No dia 10 de agosto, as propostas técnicas deverão ser apresentadas à Comissão Permanente de Licitação da CMTC.

De acordo com o diretor técnico da Companhia, Sávio Afonso, os trechos cicloviários têm estimulado o uso da bicicleta e a expectativa é de que a instalação das estações reforce o comportamento.

Informações: Diário de Goiás
READ MORE - Novo projeto prevê implantação de serviço de bicicletas compartilhadas em Goiânia

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960