Em São Bernardo, Corredor Alvarenga reduzirá viagens em até meia hora

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Previsto para ser entregue em outubro de 2016, o corredor de ônibus do Alvarenga deve reduzir em até 20 a 30 minutos as viagens no trecho de 3,8 km. A velocidade média atual é de 13 km/h, que deve passar para até 20 km/h.

Conforme Alécio Batista, diretor operacional da Empresa de Transporte Coletivo de São Bernardo, 25% das linhas do município usam o local atualmente em reforma, localizado entre a FEI e o Hospital de Clínicas.

O objetivo do corredor é servir de tronco coletor para quem vem de bairros do extremo do município, como o Alvarenga e o bairro dos Químicos. Além de dar acesso ao terminal urbano Alves Dias aos ônibus intermunicipais e, futuramente, ao monotrilho. O conceito será aplicado para os demais corredores da cidade.

O valor do investimento no corredor Alvarenga é de R$ 130 milhões, oriundos do BID (Banco Internacional de Desenvolvimento) e da administração pública. Sendo que cada parte entrou com metade do valor.

A estratégia da secretaria de transportes é concretizar o Programa de Mobilidade de São Bernardo até 2020. O projeto logístico teve origem no estudo do plano diretor de transporte urbano em 2005 e foi efetivado pela gestão Marinho.

Mobilidade

O total do aporte é de U$ 250 milhões e envolve 11 corredores, três terminais (Alves Dias, Batistini e São Pedro), sistema semafórico e equipamento de comunicação. Atualmente, mais dois corredores estão em construção, Rudge Ramos e João Firmano com 6,8 km e 2,5 km, respectivamente.

Outros R$ 400 milhões, 40% do Governo Federal e o restante do município, estão sendo aplicados no corredor Leste-Oeste com o total de 12,5 km.

Estão planejados mais oito corredores: Faria Lima, Jurubatuba, São Pedro, Galvão Bueno, Castelo Branco, Capitão Casa, Montanhão-Selecta e Rotary, o que dá aproximadamente 30 km de malha urbana.

“São mais de 500 mil pessoas que utilizam estas linhas que ganharão corredores”, informou Batista. Para o diretor operacional, “além da diminuição de tempo de viagens e do aumento do conforto, a principal vantagem é a organização e integração de uma rede antes inexistente de faixas exclusivas”.

Conforme Batista, o caráter internacional do projeto impede que em uma possível nova gestão cesse as obras.

Informações: ABCD Maior

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960