Itinerário do BRT de Jundiaí contará com três viadutos e estações

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

O traçado do BRT (Transporte Rápido por Ônibus) já está definido e o sistema contará com três novos viadutos na cidade. Um deles formará binário com o Sperandio Peliciari, conhecido como viaduto da Duratex, além de outros dois que formarão passagem suspensa pela rua Vigário JJ Rodrigues e rio Jundiaí. A expectativa do trecho entre o Terminal Colônia e Terminal Vila Arens é de que esteja em funcionamento até o final do próximo ano.

Segundo o prefeito Pedro Bigardi (PCdoB), o desenho em 3D do BRT está quase pronto para ser apresentado para a população. Nos próximos dias a licitação para a construção deve ser lançada, e a intenção é de que até o final do ano a obra seja iniciada. “O primeiro trecho, chamado de ‘trecho útil’, entre a Colônia e Vila Arens deve ficar pronto até o final do próximo ano. A obra toda é para 2017. São três viadutos que fazem parte do trajeto. Um que formará binário com o viaduto da Duratex, e nele haverá estação suspensa do BRT. Outro que fará a passagem suspensa pela rua Vigário JJ Rodrigues e um pelo rio Jundiaí”, explicou. Os estudos para a construção já foram feitos e as licenças prévias, segundo o chefe do Executivo, emitidas.

Financiado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal, o projeto de construção do BRT está estimado em aproximadamente R$ 135 milhões. Destes, R$ 28 milhões serão de contrapartidas, sendo R$ 10 milhões para obras e R$ 18,5 milhões gastos com as desapropriações.

Em detalhes – Além de viadutos, o BRT contará com faixas exclusivas de rolamento, estações e interligações com os terminais. De acordo com o secretário de Transportes, Wilson Folgosi de Brito, o BRT implicará em ampliações nos dois terminais que fazem parte do trajeto. “O terminal Colônia será reformado e ampliado para receber a estação BRT. O mesmo acontecerá com o Terminal Vila Arens, para que seja possível a ligação por escadas rolantes, das estações que serão construídas em cima do viaduto da Duratex e do novo. Será um cartão postal da cidade”, salienta.

O secretário explica que a formatação do traçado foi complicada já que o trecho tem avenidas movimentadas e espaços que não podem ser alterados. Na avenida dos Imigrantes, por exemplo, apesar de haver marcação nas árvores do canteiro central, o trecho será alterado apenas onde serão construídas as duas estações – para embarque e desembarque, uma de cada lado. A faixa de rolagem será a terceira de cada lado da avenida, com exclusividade para os BRTs.

“Faremos intervenções na rua Américo Bruno. Aí também haverá uma estação. Desse ponto os carros seguem para o viaduto da marginal, que formará binário com o Duratex. Vai chegar ao chão novamente na rua Princesa Isabel. O trajeto será em ‘S’, atrás da mesquita islâmica até retomar o canteiro central da avenida José do Patrocínio e iniciar novo viaduto, em curva à direita, para atingir a JJ Rodrigues, em mão inglesa, pelas laterais até chegar à rua Dr. Cavalcanti, onde seguirá pela rua Américo Bruno até o Centro, na Praça Rui Barbosa”, detalha o secretário.

Para que todo o traçado seja eficiente, Folgosi explica que o sistema de semáforo será interligado para favorecer a passagem do BRT. O objetivo é que a viagem nesse trecho seja feita na velocidade de 25km/hora. Hoje a velocidade é de 15km/hora. Pelas estimativas da administração municipal, serão necessários 10 veículos BRT (sendo oito para o trânsito e dois de reserva), que são muito semelhantes aos ônibus mais modernos articulados e que já estão em circulação da cidade.

A capacidade de transporte de cada carro será de 160 pessoas, e o intervalo entre um carro e outro deve ser de cinco minutos. “Esse sistema será muito seguro. Não haverá degrau para o acesso ou desembarque. Serão rampas para chegar às estações. O BRT estará no mesmo nível da calçada. As pessoas farão o pagamento antes de entrar nas estações, o que proporciona mais facilidade e agilidade. A intenção é que o sistema seja totalmente automatizado”, ressalta.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960