Usuários do transporte coletivo se arriscam nas plataformas do BRS em Manaus

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Chegar até a plataforma dos ônibus articulados que integravam o antigo sistema Expresso e, hoje, fazem parte do Bus Rapid System (BRS) pode ser um desafio para os usuários, como já sabem os que precisam adentrar à plataforma em frente ao Olímpico Clube, no princípio da avenida Constantino Nery, Zona Centro-Sul.

A dificuldade começa na travessia da avenida. Vencida essa fase, é preciso fazer um esforço, caso se decida ignorar a única entrada (como é o padrão da estrutura) e  encarar a subida na plataforma pelo lado que é “fechado” por uma grade, mais usada como um apoio do que para bloquear a passagem.

A justificativa mais comum entre os usuários dos ônibus expressos que optam por não usar a entrada oficial da plataforma está no perigo da travessia que leva a essa entrada, como diz Maria Gomes, 65, “Para usar a entrada correta eu teria que atravessar perto da curva (onde os veículos entram na avenida) e não vou arriscar a minha vida assim. O jeito é me apoiar nessa grade para subir na plataforma”, explica a aposentada, que relata precisar fazer esse caminho diariamente, apesar de temer a travessia.

Para Manuel de Jesus Marinho, que trabalha há mais de dez anos em uma banca de camelô, que fica quase em frente à plataforma, é natural que as pessoas tenham medo de atravessar. “Já cansei de ver acidentes aqui, já vi gente morrer nessa avenida”, lembra o vendedor.

Tem faixa

Perto da plataforma da alameda Cosme Ferreira (próximo à rua  Tiradentes) existe uma faixa de pedestre para facilitar o acesso das pessoas à entrada correta da plataforma, o problema é que  a entrada extra-oficial é considerada  melhor localizada pelos usuários do serviço devido à sinalização. Apesar de não planejada para isso, foi o caminho “adotado” pelos usuários da plataforma, que até providenciaram até uma pequena escada improvisada, feita de madeira, que ajuda na hora de subir e  embarcar nos ônibus.

 “O certo era  entrar pelo outro lado, mas não dá tempo de passar na faixa porque os veículos que vêm da rua Tiradentes não vão esperar a gente atravessar. É como se o trânsito funcionasse só para os veículos”, explica Edna Maria Xavier, 47.

Ela é empregada doméstica e se desloca  diariamente por meio dessa plataforma para ir e voltar de casa para o trabalho. “Acho muito bom que tenha essa escadinha, ajuda bastante na hora de subir porque a distância para o chão é grande. Claro que seria melhor não precisar me arriscar usando esse tipo de coisa, não entendo porque a prefeitura não fez os dois lados com entrada. Para que colocar essa grade?”.

Acesso único pela segurança

A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) informou que as plataformas possuem apenas um acesso, com o fim de direcionar a travessia de pedestres para o local mais seguro. Para a SMTU, se houver dois acessos, os usuários dos ônibus expressos acabam por atravessar em local não sinalizado.

Quanto à manutenção das estruturas, a a Secretaria Municipal de Infraestrutura de Manaus (Seminf) informou que realiza os reparos necessários desde que foram entregues. No caso da plataforma localizada na alameda Cosme Ferreira (em frente ao Sesi), que está deteriorada, será feito um levantamento para que a manutenção ocorra no menor tempo possível.

Insistência

As faixas para travessias de pedestres que precisam acessar as plataformas do sistema BRS estão localizadas ao longo das avenidas Constantino Nery,   Cosme Ferreira, Max Texeira, Noel Nutels, Tapajós,  Autaz Mirim e na Torquato Tapajós. Ainda assim, é comum flagrar usuários atravessando a avenida fora das faixas, que levam o pedestre à entrada regular das plataformas.

Em números

 15 anos atrás foi implantado o sistema de ônibus expresso, que falhou ao tentar melhorar a mobilidade urbana da capital.  Ele começou a funcionar  na gestão do então prefeito Alfredo Nascimento (PR), ex-Ministro dos Transportes.

Informações: A Critíca

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960