Salvador terá 200 km de ciclovias ainda este ano

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Salvador tem, atualmente, pouco mais de 80 quilômetros de ciclovias. No entanto, para quem usa as bicicletas para ir ao trabalho ou realizar as atividades do dia-a-dia, uma boa notícia. Estudos de viabilidade estão sendo realizado pelo Movimento Salvador Vai de Bike, da Prefeitura de Salvador, e em breve outros pontos da cidade como os bairros do Alto do Cabrito, Brotas e Cajazeiras devem receber cerca de 100 quilômetros de ciclofaixas.

Com isso, a capital baiana passará a ter  200 quilômetros de vias para as bikes ainda este ano. O objetivo, até o final de 2016, é que a cidade tenha, ao todo, 350 quilômetros de ciclofaixas e ciclovias. Segundo Liana Oliva, subcoordenadora do Movimento Salvador Vai de Bike, toda a cidade será contemplada com o projeto. “Estamos considerando a cidade inteira, não apenas a orla ou qualquer outro ponto especificamente”, disse. 

Mesmo assim, segundo ela, regiões mais populares da cidade como o Subúrbio Ferroviário, por exemplo, terão mais atenção do que os bairros mais nobres. “Se você for observar o Bairro da Paz, você não verá um lugar no bairro em que não tenha uma bicicleta parada em frente a uma padaria ou estabelecimento, por exemplo, são muitas pessoas usando o veículo todos os dias”, observou Liana.

OTIMISMO
Para quem usa as bikes, a ampliação do número de ciclofaixas na cidade é bastante positiva. “Toda a organização que a Prefeitura venha a fazer para beneficiar o ciclismo e a mobilidade urbana na cidade será bem vinda. Isso vai beneficiar não só os ciclistas, como também a população de toda a cidade. É bom ver que os gestores estejam vendo esse movimento, esse crescimento do número de ciclistas, em prol da mobilidade urbana da cidade”, falou o coordenador do Movimento Pedal da Vida, Hélder Guido.

Mas, mesmo com todos os avanços, ele ainda considera baixo o número de vias para bicicletas em Salvador, se comparado com outras cidades no Brasil, e que muita coisa precisa melhorar. “Acho pouco. Eu ainda sonho com ciclovias permanentes que cortem toda a cidade, permitindo que cada ciclista possa se movimentar sem grandes riscos por toda a capital. Que ele possa sair do Imbuí até o Centro sem grandes problemas. As ciclofaixas são interessantes em um primeiro momento, mas importante mesmo são as ciclovias permanentes, o que vai contribuir para melhorar a mobilidade urbana”, contou.

Para o auxiliar de farmácia José Augusto da Paixão, que usa a bicicleta para se locomover entre os bairros da Santa Cruz e Matatu de Brotas, onde trabalha, o aumento no número de ciclofaixas é uma vitória. “É bom ver que a cidade está caminhando nesse sentido. É um alento para quem anda de bike. Apesar de pequenos, estes avanços são bastante significativos. Espero que cada vez mais pessoas tomem coragem e peguem suas bicicletas para sair de casa, seja para realizar quaisquer atividades ou mesmo ir ao trabalho”, comemorou. 

Informações: Tribuna da Bahia


0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960