No Recife, Avenida Agamenon Magalhães sofre com congestionamentos diários

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Construída na década de 60, avenida Agamenon Magalhães, a época, era vista como um grande elefante branco, pois parecia ser incompatível a sua grandiosidade com a frota de veículos existente na época. Entretanto, já á alguns anos, a primeira perimetral do Recife, por onde passam mais 89 mil veículos por ia, já não comporta o fluxo atual. Pelo contrário, hoje, o projeto sofre com congestionamentos diários e recebe críticas por conta e erros de engenharia de trânsito, a exemplo da falta de pistas e aceleração e desaceleração maiores nos acessos existentes entre as faixas centrais e as locais, os dois sentidos da via. Essa falha provoca retenções, dificultando ainda mais a circulação. Para a Agamenon, está previsto m ramal do corredor do Norte-Sul do BRT, que deve ir do limite e Olinda até o Terminal de Integração da Joana Bezerra. Porém, ainda não há definição de usando a obra vai começar.

Segundo a Secretaria das Cidades o Estado, responsável pela obra, intervenção continua sem previsão. “Estamos na fase de contratação dos recursos junto à Caixa Econômica Federal (CEF)”, informou o secretário executivo e mobilidade da Secretaria, Gustavo Gurgel. A intervenção deverá possibilitar a construção das e sanções de passageiros em cima o canal e segregando as pistas entrais para o uso do novo modal.

Outro projeto para a via, que já oi descartado pelo Governo do Estado, era a construção de quaro viadutos que iriam cruzar a artéria de forma perpendicular. A iniciativa pretendia eliminar cruzamentos e garantir uma maior velocidade média para a via, que atualmente - devido ao fluxo intenso - é de 30km por hora. “O projeto era para beneficiar o transporte individual e depois disseram que iria facilitar o deslocamento do BRT. Hoje, há uma visão dos engenheiros de trânsito equivocada de só olhar a via pública, mas é preciso olhar a cidade através das calçadas. A Agamenon Magalhães é uma via estruturadora, mas não é expressa. Ela tem a importante função de costurar o tecido da cidade, ligando os bairros adjacentes ao Centro”, pontuou o professor do departamento de arquitetura e Urbanismo da Universidade Católica de Pernambuco, Mucio Jucá.

Antes mesmo da avenida, o canal já existia na paisagem da artéria que corta oito bairros da Capital. Palco de grandes manifestações e protestos dos mais diferentes movimentos sociais, Agamenon Magalhães se salva por conta da vegetação que margem os dois lados no canal, tirando da via a impressão de penas um corredor de concreto e veículos.

A única novidade para garantir um tráfego melhor, é a presença os agentes de trânsito e orientadores de tráfego da Companhia de Trânsito e Transporte Urano do Recife (CTTU). Nos horários de maior movimento, a presença dos guardas e dos “amarelinhos” garantem que haja, pelo menos, um respeito aos cruzamentos. Mas na circulação, os congestionamentos são requentes e a qualquer hora. Desde o final do ano passado, são cerca de 70 orientadores distribuídos ao longo da avenida.

Por Tiago André Santos

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960