Prefeitura de SP quer que todo radar flague rodízio

domingo, 28 de abril de 2013

A prefeitura de São Paulo pretende dotar todos os radares da cidade com leitores automáticos de placas, capazes de flagrar motoristas que furam o rodízio municipal de veículos. Hoje, dos 587 radares ativos na capital, só 196 possuem esse tipo de tecnologia. Além disso, novos aparelhos também devem ser instalados, principalmente, em corredores de ônibus, para coibir a invasão de automóveis particulares. A gestão do petista Fernando Haddad prepara um edital, a ser publicado em maio, para a contratação de serviços de fornecimento, instalação e operação dos equipamentos.
Prefeitura estima que novos radares possam aumentar em até 20% a fluidez do trânsito na capital (Nelson Antoine/Fotoarena)
A instalação dos novos radares deverá começar em agosto, segundo o diretor de Planejamento da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), Tadeu Leite Duarte. A Secretaria Municipal dos Transportes pretende também rearranjar os atuais pontos de fiscalização. Um dos focos da ação é a verificação eletrônica intensiva dos corredores de ônibus, para inibir a entrada de veículos que não sejam coletivos ou táxis e, assim, melhorar a velocidade média do transporte coletivo.

Segundo a Prefeitura, a tecnologia também permitirá rastrear o percurso dos coletivos e estimar tempos de viagem, além de subsidiar a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a São Paulo Transporte (SPTrans), que gerencia os ônibus municipais, com dados em tempo real sobre as condições do trânsito.

Todos os radares devem ser ligados por fibra ótica à Central Integrada de Mobilidade Urbana (Cimu), que será construída na região central da cidade. Esse polo também congregará e processará informações recebidas de semáforos inteligentes. Assim, será possível a adoção de medidas mais rápidas para solucionar problemas viários. 

A projeção do governo é que as ações melhorem em 20% a fluidez do trânsito. No caso dos corredores de ônibus, a meta é fazer com que a velocidade média dos coletivos salte dos atuais 13 km/h para 25 km/h.

Informações: Veja Abril

READ MORE - Prefeitura de SP quer que todo radar flague rodízio

Novos corredores vão agilizar linhas mais congestionadas em Uberlândia

A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Settran) calcula que a implantação de cinco novos corredores em Uberlândia vai gerar redução de 30% no tempo de viagem entre a estação mais distante e o Terminal Central em linhas consideradas mais congestionadas, como as rotas para a região do bairro Luizote de Freitas, na zona oeste.

A reportagem do CORREIO de Uberlândia andou em um ônibus da linha T-120 (Terminal Central-Luizote-Mansour) para calcular o tempo médio que o ônibus leva para se deslocar do Terminal Central ao bairro Luizote no horário de pico em um dia de semana. Na ida, foram 23 minutos no deslocamento entre o Terminal Central e a esquina da avenida Marcos de Freitas Costa com a rua Genarino Cazabona, quando o veículo faz a conversão para entrar no bairro.

No retorno, do mesmo local até o Terminal Central, quando já eram quase 18h, o trajeto bairro-Centro demorou 28 minutos. Ou seja, caso os cálculos da Settran estejam corretos, a trajetória do Luizote ao Terminal Central reduziria oito minutos e levaria, em média, 20 minutos para ser completada. “Queremos aumentar o número de transportados, reduzindo o tempo médio de viagem em linhas como essa do Luizote”, afirmou o secretário de Trânsito e Transportes (Settran), Alexandre Andrade.

A ampliação dos corredores do Sistema Integrado de Transporte (SIT) com a construção de quatro novos terminais de embarque e desembarque teve o financiamento, de R$ 360 milhões, aprovado em março pelo governo federal. A previsão é que o contrato com a Caixa Econômica Federal seja assinado em setembro deste ano, de forma concomitante com a conclusão dos projetos básicos e executivos.

A programação da prefeitura prevê que as obras comecem no início do ano que vem. A licitação será por RDC (Regime Diferenciado de Compras), o que, segundo o secretário, vai agilizar a execução das obras, que serão realizadas por etapas para reduzir o impacto no trânsito da cidade. “Grandes obras não podem ser realizadas se não forem precedidas de grandes debates”, afirmou.

Novo mundo será a primeira obra

Segundo o secretário de Trânsito e Transportes, Alexandre Andrade, o primeiro dos novos corredores de ônibus a serem implantados será o que ligará o Terminal Central à zona leste, na região dos bairros Alvorada e Morumbi, com a construção do Terminal Novo Mundo. “No corredor leste, a avenida Segismundo Pereira é de mais fácil instalação e não tem custo de desapropriação”, afirmou.

Posteriormente, o segundo corredor a ser implantado será o da zona sul, que ligará o Terminal Central ao Universitário, que ficará entre o Centro Universitário do Triângulo (Unitri) e o Uberlândia Shopping. A razão é a mesma do leste, pois a avenida Nicomedes Alves dos Santos comporta a instalação da linha exclusiva na faixa central ao lado do canteiro que divide as duas pistas. Nos outros três corredores, o projeto prevê a utilização de faixas exclusivas do lado direito com a redução de vagas de estacionamento.

Projeto sofrerá poucas mudanças

O projeto de criação de novos corredores de ônibus apresentado pelo governo anterior deve sofrer poucas alterações, de acordo com o secretário de Trânsito e Transportes, Alexandre Andrade. O projeto foi apresentado no ano passado, para o processo de seleção do governo federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2).

Uma das propostas de alteração prevista pela atual gestão é a redução de vias que seriam utilizadas no bairro Martins, no setor central, para mitigar o impacto na zona comercial instalada nas avenidas Fernando Vilela, Vasconcelos Costa e Belo Horizonte. “Nestes locais será preciso um estudo com um pouco mais de critério para que não gere dificuldade para o comércio. Devemos optar pelo uso de binário [com as mãos das vias invertidas] só com duas destas avenidas no Martins”, afirmou.

Por Artur Fernades
Informações: Correio de Uberlândia

READ MORE - Novos corredores vão agilizar linhas mais congestionadas em Uberlândia

Pacote para resolver mobilidade urbana no Grande ABC deve custar R$ 7,8 bilhões

O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC fechou plano para solucionar os problemas de Mobilidade Urbana da região. O pacote prevê 157 intervenções, que terão custo total de R$ 7,8 bilhões. Na tarde de ontem, o estudo foi entregue à ministra do Planejamento, Miriam Belchior, na sede da entidade regional, em Santo André.

"Os sete prefeitos apresentaram proposta muito consistente. Há projetos de curto, médio e longo prazos. Agora, vamos trabalhar com os técnicos do governo federal e do Consórcio para levar o plano para a presidente (da República) Dilma (Rousseff - PT)", disse Miriam.

A previsão é que a presidente receba o estudo em junho. "Estamos trabalhando com esse cronograma. Então, tem trabalho técnico a ser feito em cima do plano do Consórcio. Vamos destrinchar tudo para detalharmos a proposta e apresentarmos a Dilma", afirmou a ministra.
Miriam não confirmou se todo o valor previsto no pacote de projetos será bancado pela União. "O governo federal, normalmente, define valores por meio de uma proposta inicial. Hoje, o Consórcio formalizou a solicitação de R$ 7,8 bilhões em recursos. Vamos trabalhar para detalhar algumas dessas informações e fazer um pedido que a presidente possa aprovar."

A ministra acredita que o pacote de intervenções pode mudar o cenário da Mobilidade Urbana no Grande ABC a longo prazo. "Foram feitos alguns estudos sobre o quanto o plano poderia mudar para melhor a situação da região daqui a 15 anos. Os ganhos apresentados são significativos", garantiu.

O prefeito de São Bernardo e presidente do Consórcio, Luiz Marinho (PT), acredita que após reunião com Dilma, em junho, poderá ser feita previsão sobre datas de obras e qual porcentagem do custo total dos projetos será bancada pelo governo federal. "Algumas cidades possuem projetos prontos e isso pode se transformar em recursos para obras já na virada deste ano, por exemplo", disse.

Corredor de S.Bernardo pode se estender para outras duas cidades
As 157 intervenções prevista no plano de Mobilidade Urbana do Consórcio Intermunicipal estão divididas em 16 eixos. Um dos mais importantes, segundo a coordenadora do GT (Grupo de Trabalho) de Mobilidade Urbana da entidade, Andrea Brisida, é a extensão do corredor de ônibus Leste/Oeste, que será construído em São Bernardo com verba de R$ 247 milhões do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).
"A ideia é estender esse corredor, que hoje é estritamente municipal, para Diadema e Santo André, criando ligação que chegará inclusive à Capital, que também tem propostas de corredores de ônibus", afirmou Andrea.

A coordenadora também exaltou o projeto do Eixo Sudeste, que seria a ligação de Rio Grande da Serra a São Caetano, passando por Ribeirão Pires, Mauá e Santo André. "Esses dois eixos são importantes pelo peso regional que possuem. Mas é claro que temos outras tantas intervenções relevantes", afirmou.

Por Cadu Proieti 
READ MORE - Pacote para resolver mobilidade urbana no Grande ABC deve custar R$ 7,8 bilhões

No Dist. Federal, Transporte público 24 horas é motivado para dar opções a motoristas, devido à Lei Seca

A Câmara Legislativa realiza audiência pública na segunda-feira (29) para debater deficiências do transporte público coletivo no Distrito Federal e a proposta de criação de transporte 24 horas. Serão discutidos assuntos relativos à efeitos da chamada Lei Seca. A iniciativa  da discussão é do deputado Prof. Israel (PEN).

Segundo sustenta Prof. Israel,  os consumidores que aderiram à Lei Seca reclamam da falta de alternativas para voltar para casa de madrugada, problema também enfrentado por muitos trabalhadores e estudantes. Para oferecer condições de locomoção aos clientes e trabalhadores de bares e restaurantes, o parlamentar defende, ainda, a criação da rota cultural: ônibus circulariam pelo Plano Piloto e cidades do DF em locais de lazer e levariam os passageiros para a Rodoviária e estações de metrô, com linhas ininterruptas.

A reivindicação por meios de transporte 24 horas conta com o apoio do Sindicato de Sindhobar  (Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Brasília), que registrou queda de 25% do movimento nos estabelecimentos da área depois da implantação da Lei Seca.

O presidente da Associação Comercial do Distrito Federal, Cleber Pires, acredita que a iniciativa pode gerar resultado positivo tanto para os empresários quanto para os empregados do setor.

— Brasília já alcançou sua maioridade, mas as políticas públicas ainda não conseguem acompanhar as demandas dos cidadãos.

Informações: R7.com

READ MORE - No Dist. Federal, Transporte público 24 horas é motivado para dar opções a motoristas, devido à Lei Seca

'Passe Lazer' começa em Campinas com tarifa de ônibus a R$ 1,65

Com a tarifa de transporte público coletivo a R$ 1,65, entrou em vigor neste domingo (28) o "Passe Lazer" em Campinas (SP). O desconto no valor da passagem, que usualmente custa R$ 3,30, valerá para o último domingo de cada mês pelo menos até julho.

A medida vale para o pagamento com o cartão do Bilhete Único Comum ou em dinheiro. O “Passe Lazer” não beneficia quem tem o bilhete escolar, que já possui 60% de desconto e, também, os que usam o vale-transporte, por ser um benefício antecipado que as empresa empregadoras prestam ao funcionário para deslocamento ao trabalho.

A resolução que permite o pagamento de R$ 1,65 com as datas pré-definidas, foi publicada no Diário Oficial de quarta-feira (17). O serviço valerá também nos dias 30 de junho e 28 de julho.

Segundo a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), 87 mil pessoas usam o transporte público aos domingos, sendo que um terço utiliza o Bilhete Único Comum.

Os usuários que pagarem a passagem com o Bilhete Único Comum podem utilizar o benefício da integração de duas horas, que permite que o passageiro utilize quantas linhas precisar durante esse período. O serviço atende as 203 linhas de ônibus que circulam pela cidade.

Promessa dos 100 dias
Apesar de a Prefeitura ter anunciado que a nova cobrança de passagens seria implantada dentro dos 100 primeiros dias do governo do prefeito Jonas Donizette (PSB), completados na semana passada, o benefício só começa neste domingo.

A previsão era que o benefício tivesse início em março. No entanto, problemas na bilhetagem eletrônica atrasaram o início da cobrança nos coletivos. Antes da definição do calendário, no dia 10, o prefeito tinha assinado o decreto com as disposições estabelecendo o desconto na tarifa.

Informações: G1 Campinas

READ MORE - 'Passe Lazer' começa em Campinas com tarifa de ônibus a R$ 1,65

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960