VLT de Cuiabá pode não funcionar em dias de chuva

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

A falta de um sistema eficiente de saneamento aliada a características geográficas de Cuiabá fará com que o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) pare em dias chuvosos por conta dos alagamentos. 

Com o grande volume chuva nos últimos dias, os tradicionais alagamentos da região central de Cuiabá voltaram a aparecer. O que despertou medo na população, já que os pontos fazem parte da rota do VLT. Internautas chegaram a criar e espalhar fotos-montagens em que o transporte se encontra em meio a pontos completamente inundados. 
Segundo o professor de Transporte e Logística da faculdade de Engenharia Civil da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Luiz Miguel de Miranda, o medo não é em vão. Ele explica que a geografia da região central faz com que boa parte da água se acumule na avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha). 

“Chove e a água desce o morro da Luz, a avenida Getúlio Vargas, a avenida Dom Bosco entre outras e vai parar na Prainha. Além de tudo, a enxurrada também vai levando o que tem pela frente: sapato, pneu, lixo... E tudo vai ficando no meio da avenida. Onde daqui uns dias ficarão os trilhos”. 

Segundo o professor, a Secopa deveria ter feito um trabalho de saneamento no local e feito a separação do esgoto para facilitar o escoamento da água da chuva e diminuir o mau cheiro. “Não sabemos como vai ser porque eles não quiseram fazer a separação. O projeto também nunca foi apresentado ou discutido no Crea (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso) ou no Ministério Público”. 

Ele aponta que dois trechos são os mais críticos na região central: o das proximidades da Prainha com a Voluntários da Pátria e a Campo Grande. “A água sobe muito nestes locais, às vezes ultrapassa um metro. O VLT não é submarino ou subaquático. Ele não foi feito para rodar em uma lâmina de 10 centímetros de água, sequer.” 

A assessoria do Consórcio VLT Cuiabá-Várzea informou por meio de nota que a implantação do VLT em Cuiabá e Várzea Grande prevê a reestruturação e a readequação de toda a rede pluvial existente ao longo dos 22 km do percurso. Desta forma, os transtornos provocados pela chuva, principalmente pelo excesso dela, em alguns pontos das cidades serão sensivelmente reduzidos. 

Conforme a assessoria, o Consórcio VLT está implantando um novo sistema de drenagem, modificando e melhorando praticamente todo o sistema atual, considerado como subdimensionado na maioria dos trechos. 

Já no que se refere à operação, assim como qualquer meio de transporte, o VLT poderá ter paralisações pontuais quando a precipitação for maior do que a projetada, mas como o sistema de drenagem estará ajustado, este período de paralisação será o mais curto possível. Segundo o consórcio, a paralisação, se ocorrer, será mais por precaução. 

Informações: Diário de Cuiabá

1 comentários:

Anônimo disse...

Valente VLT atravessando alagamento em Bruxelas (12/6/12), mais de 10 cm de lâmina d'água, por sinal...
Ora, se há pontos de alagamento, o sistema de drenagem urbana deve ser refeito ou arrumado, passe pela via VLT, BRT, pedestre, ciclista, motociclista, cavalo, papagaio...

http://www.youtube.com/watch?v=_ZdwrH25r6I

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960