Greve no Trensurb provoca grandes filas em ônibus da região Metropolitana

segunda-feira, 21 de maio de 2012

A greve do Trensurb, iniciada à meia-noite desta segunda-feira, já provoca transtornos nesta manhã. Grandes filas são registradas nas paradas de ônibus de cidades da região metropolitana. Em Canoas, as pessoas que estavam acostumadas a usar o metrô lotam os veículos que seguem em direção a Porto Alegre. Na BR 116, o trânsito flui com lentidão de Sapucaia do Sul até a freeway.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) realiza uma operação especial nas BRs para atender eventuais acidentes em função do aumento de circulação de carros nas estradas. O trânsito flui com lentidão de Sapucaia do Sul até a freeway. Segundo informações da PRF, um congestionamento de sete quilômetros é registrado do Centro de Canoas até Porto Alegre. A alternativa seria acessar a avenida Guilherme Schell, mas os policiais rodoviários avisam que o acesso também deve estar com lentidão.

Cerca de 250 agentes da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) monitoram as entradas da Capital, nas avenidas Castelo Branco, Avenida dos Estados, Assis Brasil e Bento Gonçalves.

As linhas de ônibus que param nas estações do Aeroporto e Farrapos foram reforçadas e uma linha especial está à disposição dos usuários que desejam chegar ao Centro de Porto Alegre. Em Canoas, taxistas passam pelas paradas e cobram apenas R$ 10 para os usuários que desejam seguir até a Capital.

Para alguns usuários, a segunda-feira não foi um bom começo de semana. Um dos primeiros a chegar na estação São Leopoldo, o mecânico de avião Paulo da Rosa, de 36 anos, teve a sua rotina alterada. Acostumado a andar de Trensurb, ele tem o hábito de chegar ao trabalho em 32 minutos. No entanto, devido à paralisação, ele foi obrigado a pegar o carro e acredita que levará uma hora para chegar até o emprego. 

Apesar da decisão da Justiça do Trabalho (TRT) que estabelece o funcionamento normal da Trensurb durante os horários de pico entre Porto Alegre e São Leopoldo, o Sindicato dos Metroviários optou por paralisar as atividades por 24 horas.

De acordo com a assessoria de imprensa do Sindicato dos Metroviários, a decisão coletiva de paralisação, formalizada em assembleia geral na quinta-feira passada, segue mantida, já que não há tempo para uma segunda reunião. A assessoria também confirmou que a direção do sindicato está ciente do conteúdo da ordem judicial, por meio da imprensa.

Conforme a decisão da desembargadora Rosane Serafini Casa Nova, com a paralisação do Trensurb, o sindicato vai ser multado em R$ 70 mil por horário desatendido. Os oficiais de justiça, porém, ainda não conseguiram notificar os sindicalistas sobre a decisão.

Fonte: Correio do Povo

READ MORE - Greve no Trensurb provoca grandes filas em ônibus da região Metropolitana

Segunda-feira com greve de ônibus em São Luís

A partir da 0h desta segunda-feira (21), o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Estado do Maranhão (STTREMA) inicia um movimento em que 100% das atividades serão paralisadas. O movimento, segundo os dirigentes do Sindicato, reivindica o cumprimento de toda a pauta de negociações apresentada ao Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET).

Na última quinta-feira (17), a presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Maranhão (TRT-MA), desembargadora Ilka Esdra Silva Araújo, concedeu reajuste salarial linear de 7% para os rodoviários. A decisão atendeu a um pedido de antecipação de tutela ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho do Maranhão (MPT-MA), no dissídio coletivo de greve.

A medida não agradou toda a categoria que mesmo após a concessão do reajuste, optou pela paralisação de 100% da frota, ao contrário dos 50% que vinham sendo cumpridos. De acordo com o secretário-administrativo do Sindicato, Isaías Castelo Branco, a decisão da assembleia dos rodoviários levou em consideração os pontos que não teriam sido cumpridos pelas empresas de transporte coletivo, durante a paralisação do ano passado.

“Uma boa parte do dissídio do ano passado não foi cumprido e o temor é esse. O Ministério Público solicitou à Justiça apenas o reajuste, mas não incluiu as outras questões que também são muito importantes. Por isso toda a categoria decidiu em assembleia que devemos parar”, afirmou o dirigente.

Segundo Castelo Branco, os rodoviários pleiteavam um aumento salarial de 16% e a inclusão de mais um dependente nos planos de saúde e o aumento no valor do ticket alimentação de R$ 341 para R$ 450.

Fonte: G1

READ MORE - Segunda-feira com greve de ônibus em São Luís

VLT de Cuiabá e Várzea Grande vai contar com 33 estações e passará a cada 4 minutos

Com pelo menos 42 trens, que passarão, em média, a cada 4 minutos, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que circulará por Cuiabá e Várzea Grande, a partir de 2014 chega com a promessa de trazer mais conforto e velocidade ao transporte coletivo.

Ao mesmo tempo, buscará desafogar o trânsito, diminuindo a circulação de ônibus nas vias arteriais e estimulando os motoristas a deixarem seus carros na garagem e utilizarem o novo sistema.

Os veículos terão três ou mais vagões, totalizando no máximo 45 metros de comprimento, e terão entre 40 a 80 assentos. Cada trem terá, também, pelo menos dois lugares especialmente reservados para usuários em cadeira de rodas, próximos às portas.
 

Serão três terminais de integração (CPA, Aeroporto e Coxipó) nas extremidades das duas linhas, que somarão 22,18 quilômetros de trilhos. Ao longo da Linha 1 (CPA-Aeroporto), serão 22 estações de embarque; na Linha 2 (Centro-Coxipó), serão 11. Na estação do Morro da Luz ocorrerá a conexão entre as duas linhas.

Ao longo do trajeto do VLT, também serão feitas 13 intervenções viárias (chamadas obras de arte especiais), como viadutos, trincheiras, pontes e o reforço do Canal da Prainha.

Os trens passarão nos canteiros centrais das avenidas João Ponce de Arruda (Aeroporto Marechal Rondon) e da FEB (Várzea Grande), XV de Novembro, Tenente-Coronel Duarte, Historiador Rubens de Mendonça, Coronel Escolástico e Fernando Corrêa da Costa, em Cuiabá. Sinalização e semáforos indicarão quando os carros e outros veículos poderão cruzar as linhas dos trilhos com segurança.

Tudo isso está previsto no anteprojeto feito pela equipe de engenheiros da Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa). O projeto definitivo do VLT será elaborado somente pelo consórcio que vencer a licitação, ainda em andamento.

Devido ao mecanismo de contratação integrada previsto no Regime Diferenciado de Contratação (RDC), modelo de licitação adotado em algumas obras da Copa 2014, essa responsabilidade passa a ser da empresa vencedora.

Estações
Os três terminais serão híbridos, com espaço para ônibus e trens, de modo a fazer a integração entre os dois sistemas de transporte. Além disso, eles terão estacionamentos para carros, motos e bicicletas.
 

A Linha 1 (CPA-Aeroporto), com cerca de 15 quilômetros de extensão, prevê 22 estações e dois terminais de integração.
 

O de Várzea Grande (Terminal André Maggi) será no sítio aeroportuário, com acesso pelo prolongamento (via projetada) da Avenida João Ponce de Arruda, próximo ao bairro Costa Verde. O prédio administrativo, operacional e de manutenção do sistema também ficará nessa área.
 
O Terminal do CPA I terá acesso pela Avenida Historiador Rubens de Mendonça (Avenida do CPA), e será na altura do Comando Geral da Polícia Militar.

A Linha 2, com pouco mais de 7 quilômetros, terá 11 estações e o Terminal do Coxipó. A área destinada para construção do terminal está localizada no bairro Parque Ohara, com acesso pela Avenida Fernando Corrêa da Costa, nas proximidades do entroncamento da Rodovia Palmiro Paes de Barros (MT-040).

Confira a localização das estações e terminais ao longo do trajeto do VLT, que terão entre 400 e 900 metros de distância entre si:
Linha 1Terminal Aeroporto
1. Aeroporto
2. Av. Couto Magalhães
3. Auto Shopping Fórmula
4. Secretaria Municipal dos Esportes
5. Av. Dom Orlando Chaves
6. Rua Vereador Abelardo Azevedo
7. Rua Vila Mariana (última estação de Várzea Grande)
8. Travessa Tuffic Affi (Porto, primeira estação de Cuiabá)
9. Rua Caetano Santana
10. Igreja N. Srª Auxiliadora
11. Praça Bispo Dom José
12. Av. Coronel Escolástico (Morro da Luz)
13. Av. Mato Grosso
14. R. Trigo de Loureiro (Del. Estadual do Meio Ambiente)
15. Rua Cereja (bairro Bosque da Saúde)
16. Avenida Senegal (bairro Terra Nova)
17. Rua Luis Felipe (Supermercado Comper)
18. Av. Juliano Costa Marques (Shopping Pantanal)
19. Praça das Bandeiras (Centro Político Administrativo)
20. Morada do Ouro (FIEMT)
21. Batalhão - 13ª Brigada de Infantaria Motorizada
22. Hospital do Câncer
Terminal CPA 1

Estação Morro da Luz (integração com a Linha 1)
1. Praça dos Bandeirantes (Rua Diogo Domingues Ferreira)
2. Praça dos Motoristas (Rua Miranda Reis)
3. Rua Flamengo (bairro Jardim Guanabara)
4. Rua Capitão Iporá (bairro Pico do Amor)
5. Rua Haiti (bairro Jardim das Américas)
6. Rua Alziro Zarur (bairro Boa Esperança)
7. Av. Carmindo de Campos (9º BEC)
8. Rua Prof. Filogônio (bairro Boa Esperança)
9. Rua Antônio Dorileo (bairro Coxipó)
10. Rua Pau Brasil (bairro Parque Ohara)
11. Rua Independência (bairro Parque Ohara)
Terminal Coxipó

Intervenções

As intervenções chamadas “obras de arte especiais” também serão executadas pelo consórcio que será responsável pelas obras do VLT. O anteprojeto prevê que sejam construídos cinco viadutos, três pontes (uma sobre o Rio Cuiabá e duas sobre o Rio Coxipó), e três trincheiras.

Além disso, o consórcio terá que fazer também uma reestruturação da canalização do córrego da Prainha, que nasce no bairro Consil e passa sob a Avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha). Será preciso reforçar o canal, ao longo do traçado coincidente com o VLT, para suportar a estrutura do modal, e fazer novas aberturas para melhorar a captação de água da chuva.

Confira a lista dessas intervenções:
Eixo “Aeroporto – CPA”
1. Viaduto Aeroporto
2. Trincheira Km ZERO
3. Trincheira Trevo Cristo Rei
4. Ponte sobre Rio Cuiabá PK
5. Reestruturação do Canal da Prainha
6. Passagem de nível R. Trigo de Loureiro e alargamento viaduto Av. Miguel Sutil
7. Trincheira Rua Luis Felipe
8. Viaduto Av. Rubens de Mendonça (SEFAZ)

Eixo “Centro – Coxipó”

1. Viaduto UFMT
2. Viaduto Av. Beira Rio
3. Ponte Rio Coxipó (à montante)
4. Ponte Rio Coxipó (à jusante)
5. Viaduto MT-040

Prazos
O resultado da licitação deve sair até a próxima sexta-feira (25), conforme previsão da Secopa.


As propostas apresentadas pelas empresas variam entre R$ 1,47 bilhão e R$ 1,85 bilhão, mas o Governo do Estado já busca mecanismos para reduzir o valor da obra.

Após a divulgação do resultado, os consórcios terão 5 dias para apresentar pedidos de impugnação e, após esse período, consolidando-se o vencedor, será assinado o contrato e as obras devem ter início, efetivamente, após 30 dias.

A obra terá que ser entregue no primeiro trimestre de 2014 e, após a conclusão, o VLT passará por três meses de teste, de modo que esteja funcionando plenamente durante a Copa do Pantanal, em junho daquele ano.
Fointe: SECOPA

READ MORE - VLT de Cuiabá e Várzea Grande vai contar com 33 estações e passará a cada 4 minutos

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960