Greve de ônibus em BH teve adesão de quase 100% dos motoristas

segunda-feira, 12 de março de 2012

Em três das cinco estações de ônibus BHBus, na capital mineira, quase todas as viagens deixaram de ser cumpridas nesta segunda-feira, primeiro dia da greve dos rodoviários anunciada na última sexta-feira. De acordo com balanço divulgado pela BHTrans, na Estação Diamante, Região do Barreiro, apenas 2% das viagens estão sendo cumpridas. Já na estação Barreiro, apenas 4% da frota está circulando. Na Vilarinho, que atende grande parte da Região de Venda Nova, os usuários contam com 5% do atendimento normal. Já na Estação Venda Nova chega a 16% o percentual de viagens realizadas. Na Estação São Gabriel quase metade dos ônibus estão em circulação.

As linhas suplementares, que pertencem a particulares, operam normalmente, o que garantiu atendimento a muitos usuários do transporte público, principalmente no entorno das Estações BHBus. Ainda segundo a BHTrans, à tarde houve um pequeno aumento nas viagens em algumas estações.

Na tarde de sexta-feira, após mais uma rodada de negoicações e assembleias, o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviários (STTRBH) anunciou a greve por tempo indeterminado. Nesta segunda-feira a entidade evitou falar com a imprensa. A reportagem do em.com tentou contato com os dirigentes e com a assessoria do sindicato, mas ninguém foi localizado para comentar a situação e informar se o movimento grevista será mesmo mantido na terça-feira.
Intervenção judicial
O Tribunal Regional do Trabalho foi acionado na tarde desta segunda-feira pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH). A entidade alega que os rodoviários não comunicaram oficialmente o ínicio da greve, com 72 horas de antecedência, conforme prevê a lei e, por isso, pede que Justiça declare a ilegalidade do movimento. Até a noite o TRT não havia se pronunciado sobre a análise da situação.



READ MORE - Greve de ônibus em BH teve adesão de quase 100% dos motoristas

BHTrans vai notificar empresas de transporte coletivo

A BHTrans vai notificar as empresas de transporte coletivo de Belo Horizonte por causa da greve do rodoviários. A decisão foi tomada para que as concessionárias não deixem que a circulação de ônibus fique abaixo dos 30% do total da frota da Capital Mineira, que é de 3.010 veículos. Segundo a autarquia, 100% das linhas da Estação Vilarinho não estão funcionando.

Segundo informações da empresa, até as 14h, apenas 1% das linhas da Estação Barreiro estavam rodando. O funcionamento na Estação Diamante era de 5% das viagens, enquanto 57% das viagens de Venda Nova estão sendo cumpridas, 47% na Estação São Gabriel. Apenas a Estação Vilarinho não conta com linhas disponíveis de para passageiros.

A BHTrans optou pela notificação já que é obrigação das concessionárias manter um mínimo de linhas funcionando. A Setra-BH (Sindicato da Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte) informou que vai entrar ainda nesta segunda-feira com um dissídio de greve no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), pedindo o fim das paralisações.

A Setra-BH informou que o sindicato não anunciou a greve com 72 horas de antecedência, além de não procurar as empresa para negociar a escala mínima das linhas ônibus.



READ MORE - BHTrans vai notificar empresas de transporte coletivo

Prefeitura de Porto Alegre dá início à obra de Implantação do sistema BRT

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, assinou na manhã desta segunda-feira a ordem de início da primeira etapa de implantação do sistema Bus Rapid Transit (BRT) na Capital. A assinatura foi realizada no canteiro de obras instalado no corredor de ônibus da Avenida Protásio Alves, onde o trabalho de reformulação vai começar.

O novo modelo de transporte coletivo também será implantado nas avenidas Bento Gonçalves e João Pessoa, e integra o projeto de infraestrutura planejado para a cidade receber a Copa de 2014. O sistema prevê veículos modernos de grande capacidade e baixas emissões, estações fechadas e climatizadas, e passagem pré-paga.

Segundo o secretário de Gestão, Urbano Schmitt, o projeto completo da Protásio Alves inclui 7km de corredor em pavimento de placa de concreto, adaptação das estações ao padrão BRT e implantação do Terminal Manoel Elias. O investimento total na avenida será de R$ 55,8 milhões, com financiamento de R$ 53 milhões por meio da Caixa Econômica Federal e R$ 2,8 milhões de contrapartida do município.

A obra que começa agora na Protásio Alves compreende trecho entre as ruas Saturnino de Brito e Sarmento Leite, que terá a superfície de asfalto substituída por concreto. O investimento nesta etapa será de R$ 15,2 milhões. O serviço será executado pelo consórcio vencedor da licitação, formado pelas empresas Sultepa e Conpasul, com a supervisão da Secretaria de Obras e Viação (Smov). O prazo de execução é de 18 meses, com conclusão prevista para agosto de 2013.

Fonte: Zero Hora

READ MORE - Prefeitura de Porto Alegre dá início à obra de Implantação do sistema BRT

Em Belo Horizonte, Greve de ônibus deixa mais de 2 milhões de pessoas sem transporte

Cumprindo a ameaça de greve, muitos rodoviários cruzaram os braços nesta segunda-feira e deixaram sem ônibus parte da população de Belo Horizonte e região metropolitana. Os veículos estão circulando em escala mínima com apenas 30% da frota, conforme adiantou o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte (STTRBH). Muitos passageiros desavisados lotaram os pontos de ônibus por toda a capital. Outros, se preveniram e não apareceram nas estações BHBUS.

Vejas as fotos da greve

Na Estação de metrô Vilarinho, em Venda Nova, muitas pessoas ficaram esperando dentro do terminal, mas poucos veículos circularam para fazer a integração com os trens, o que gerou correria. Na Estação BHBUS Venda Nova, o funcionamento foi normal até 2h30, mas partir daí alguns ônibus começaram a parar. Às 4h, a paralisação foi total, 100% dos carros ficaram nas garagens. Por volta de 5h50, alguns motorista e cobradores começaram a sair da estação que atende a cerca de 13 mil passageiros por dia.

As linhas alimentadoras dessa estação estão chegando vazias dos bairros e por isso a estação não está lotada, como nos dias normais. A direção do terminal acredita que as pessoas já sabiam da greve e evitaram o local. Para se ter uma ideia, entre 4h e 6h30, a linha 61 (Estação Venda Nova /Centro) deveria ter feito 18 viagens, mas fez apenas duas. A linha 62 (Estação Venda Nova/Savassi) deveria circular 25 vezes, mas apenas três viagens foram feitas. A linha 64 (Estação Venda Nova/Santo Agostinho) fez apenas duas viagens das 23 previstas.

Nas estações Diamante e Barreiro, o cenário foi muito parecido. Não havia ônibus para atender o público, porém não existia demanda de passageiros. Poucas pessoas chegaram para usar os coletivos e a polícia está monitorando o movimento.

Motoristas e cobradores iniciaram a paralisação a 0h. Apenas em BH, 1,6 milhão de passageiros podem ser prejudicados ao longo do dia com a parada de mais de 3 mil coletivos. A categoria revindica reajuste salarial de 49%, 30 folhas de tíquete-alimentação de R$ 15, a instalação de banheiros femininos nos pontos finais, participação nos lucros e resultados (PLR) e uma jornada de trabalho de seis horas diárias. Os sindicatos das empresas de ônibus propõem reajustar em 13% o salário dos motoristas e trocadores - condicionado ao aumento de 20 minutos na jornada de trabalho diária - e de 9% para a manutenção e administração.

As empresas também oferecem um aumento de 6% no ticket-alimentação, R$ 150 na participação dos lucros (para quem ganha até R$ 1.000), e R$ 300 para quem recebe acima desse valor. Outra proposta aos motoristas e trocadores é o aumento de 6%, sem mudança na carga horária.

Em nota, a BHTrans informou que os ônibus não circularam nas Estações Diamante, Venda Nova e Barreiro na madrugada desta segunda-feira, por causa da movimentação parcial dos rodoviários. No momento, a Estação Venda Nova está operando parcialmente. As linhas alimentadoras da Estação São Gabriel operam normalmente. As demais linhas de ônibus da cidade operam parcialmente, com excesso de passageiros em alguns pontos de embarque da cidade.

A empresa avisou, na noite de domingo, que mesmo não tendo recebido comunicado formal sobre a anunciada greve dos rodoviários, está se preparando para minimizar os impactos da paralisação. A empresa se reuniu com representantes da Polícia Militar (PM) e Guarda Municipal para revisar o plano de contingência anunciado na sexta-feira. O planejamento preventivo engloba operações especiais de trânsito durante a greve.

Depredação


A Polícia Militar (PM) registrou pelo menos cinco ocorrências relacionadas à greve. Por volta de 1h50, um motorista de ônibus ligou para a PM denunciando que homens desconhecidos chegaram ao final da linha 4150 (Shopping Del Rey/BH Shopping) e apedrejaram um veículo. O final da linha fica no Caiçara, na Região Noroeste da capital. Nesse mesmo horário, um motorista foi impedido de seguir viagem no Bairro Palmares, Região Nordeste de Belo Horizonte, quando sindicalistas invadiram o veículo e roubaram a chave.

Também durante a madrugada, um motorista da linha 2290 (Nacional/BH) informou à polícia que o coletivo foi apedrejado e teve os vidros destruídos. Pela manhã, na Avenida José Cândido da Silveira, Bairro Ana Lúcia, na Região Nordeste de BH, houve tumulto entre sindicalistas e passageiros. Os manifestantes obrigaram usuários a descer dos ônibus. Também nesta manhã, em Santa Luzia, na região metropolita, o motorista de um Palio parou em frente a um ônibus e depredou o veículo. Ninguém foi preso nessas ocorrências policiais.


READ MORE - Em Belo Horizonte, Greve de ônibus deixa mais de 2 milhões de pessoas sem transporte

Trem expresso vai revolucionar o transporte entre as cidades de Jundiaí e São Paulo

Um importante avanço foi dado para o trem expresso que vai revolucionar o transporte entre as cidades que compõem a aglomeração urbana de Jundiaí e São Paulo. Com estudos adiantados, o projeto é a cartada certeira do governador Geraldo Alckmin para dar início à recuperação do sistema ferroviário do estado de São Paulo. Do outro lado do trilho, há o trabalho do secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, que na semana passada anunciou: a nova linha será independente do atual ramal e está em fase de finalização de edital e de aprovações ambientais.

Por dia serão transportadas cerca de 20 mil pessoas, uma necessária contribuição para reduzir o grande número de veículos que seguem diariamente pelas rodovias Anhanguera e Bandeirantes. Também reduzirá a circulação dos ônibus fretados que saem de diversas cidades da nossa região e ficam parados pelas ruas da capital. Recentemente, o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) publicou um artigo, nos jornais, dizendo que perto de 14 a 15 mil veículos deixarão de transitar no sistema Anhanguera/Bandeirantes, fazendo o ponto de referência.

Com o expresso em funcionamento, a possibilidade é que esses ônibus conduzirão o usuário até a estação de trem — ele embarca e no final do dia retorna com a condução aguardando-o. Economia de tempo e sem falar no conforto de ter utilizado um transporte rápido, afinal a previsão é que a viagem será de 25 minutos.

O benefício da execução do trem expresso de Jundiaí contempla, além de reduzir a quantidade da frota no sistema Anhanguera-Bandeirantes, o bolso do trabalhador. Hoje, o usuário paga para se locomover de trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em viagem que dura em média 1h30, a tarifa de R$ 3,00. Pelo transporte rodoviário, R$ 12,50, com duração que pode chegar a duas horas, de acordo com o fluxo de veículos.

O diferencial também está atrelado na integração com o metrô, a exemplo do que ocorre com a CPTM, o que gera uma economia maior ao usuário e interliga diversas regiões da capital. O expresso terá tarifa acessível, como deve ser quando o objetivo da política é pelo bem comum e um marco no projeto da aglomeração urbana de Jundiaí. O usuário vai embarcar em Jundiaí e quando chega a São Paulo faz a baldeação para o metrô sem pagar a utilização deste serviço. Uma grande economia.

O trem expresso atenderá às necessidades do público, pois poderá ser viabilizado muito mais rápido. Diferentemente do trem-bala, que patina para começar a colocar os trilhos no chão. A concepção do projeto do expresso está “madura” e totalmente funcional com termo de referência com uma execução estimada em 24 meses. O estado de São Paulo estará à frente do caos do sistema de metrô de cidades como Recife, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Portanto, boa viagem quando embarcar no trem expresso Jundiaí com destino a São Paulo.

Fonte: Jornal do Brasil

READ MORE - Trem expresso vai revolucionar o transporte entre as cidades de Jundiaí e São Paulo

Atrasos em mobilidade urbana preocupam Manaus e Cuiabá

A exatos 825 dias do início da Copa do Mundo de 2014, a preparação brasileira para a competição ainda enfrenta problemas. E não apenas no futebol. Dias atrás, o secretário geral da Fifa, Jerome Valcke, ativou a luz vermelha e declarou que o país precisa de um empurrãozinho para avançar com os trabalhos para o Mundial.
Mesmo com uma escolha errada de palavras – o representante sugeriu “um chute no traseiro” para os governantes brasileiros -, talvez Valcke tenha razão. Das doze cidades-sede, apenas quatro passam por reformas nas estruturas aeroportuárias e sete têm obras de mobilidade urbana fora do prazo.
Na área de transporte urbano, os atrasos persistem nas cidades de Cuiabá (VLT), Manaus (monotrilho e BRT), São Paulo (monotrilho Morumbi-Congonhas), Salvador (metrô), Porto Alegre (BRT), Fortaleza (VLT), Brasília (VLT). As capitais têm processos emperrados por problemas técnicos ou decisões judiciais.

Manaus
Fora da Copa das Confederações, a Arena Amazônia está atrasada em relação ao cronograma divulgado pelo governo. Com a conclusão prevista para junho de 2013, o maior empecilho para o cumprimento do prazo é o bloqueio do empréstimo do BNDES. O fato ocorreu após o encontro do sobrepreço nos materias da fachada e da cobertura. Depois da contatação do TCU, ocorreu a suspensão do repasse.
As preocupações não se restringem ao estádio. As obras do BRT ainda não começaram devido ao processo de desapropriações. A instalação do monotrilho também não foi iniciada. Orçado em R$ 1,55 bilhão, o modal já tem a ordem de serviço assinada, mas aguarda elaboração do projeto executivo e do cronograma de obras. O aeroporto Eduardo Gomes, em contrapartida, já passa por modificações. A obra de ampliação do terminal foi iniciada em novembro de 2011.

Cuiabá
A Arena Pantanal figura como um dos estádios mais adiantados, com 43% das obras concluídas. Prova disso é que, de acordo com a Secopa-MT, a arena poderá iniciar o plantio do gramado em maio.
Na área de mobilidade urbana, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) Cuiabá-Várzea Grande demorou demais para ter seu edital de licitação elaborado e agora as obras só deverão começar entre maio e junho.
Como a Secopa garante a construção do modal em exatos 24 meses, o VLT pode ficar pronto a poucas semanas do início da Copa. A questão aeroportuária também preocupa o governo do estado. A empresa Engeglobal venceu licitação para a primeira etapa da ampliação do terminal de passageiros, orçada em R$ 5,8 milhões, e as obras devem começar apenas em maio.


Fonte: Portal Amazônia

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Atrasos em mobilidade urbana preocupam Manaus e Cuiabá

Governo diz que obras de mobilidade urbana caminham em ritmo adequado

A pressão para acelerar os preparativos para a Copa do Mundo de 2014 levou o governo a apertar o passo nas obras das cidades-sede do torneio. O balanço do primeiro ano do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), anunciado na quarta-feira 7, mostra que os trabalhos em aeroportos e obras de mobilidade urbana caminham em ritmo adequado. Todas as obras listadas no relatório têm o selo verde, indicando cumprimento do cronograma. Nos últimos meses, a Infraero concluiu seis módulos operacionais para passageiros – os chamados puxadinhos – e iniciou reformas em pistas de pouso, pátios de aeronaves e terminais de cargas, como o do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre (RS).

Além disso, as necessárias obras de mobilidade urbana também começam a tomar forma. Os metrôs de Fortaleza e Recife estão quase prontos. E R$ 18 bilhões estão sendo alocados para melhorar os sistemas de transporte público em seis capitais, com corredores de ônibus, terminais metropolitanos e metrôs. Mas o bom andamento das construções relacionadas à Copa não se estende às obras mais importantes do programa, que ainda caminham em ritmo que deixa a desejar. E não é por falta de dinheiro, já que no ano passado o governo só gastou metade dos R$ 40,9 bilhões que tinha disponíveis para o principal programa de melhoria da infraestrutura do País.
O andamento das obras foi prejudicado principalmente pelos problemas de gestão, especialmente nos ministérios paralisados por crises políticas, como Transportes e Cidades. Nos Transportes, obras importantes como as ferrovias Norte-Sul e Transnordestina, com orçamento combinado de R$ 8,6 bilhões, estão atrasadas, respectivamente, dois e quatro anos.
Fonte: ISTO É Dinheiro
READ MORE - Governo diz que obras de mobilidade urbana caminham em ritmo adequado

Governo de São Paulo investe menos em linhas da CPTM

O governo estadual reduziu os investimentos em cinco das seis linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) em 2011. A queda é maior nas linhas que têm registrado mais falhas nos últimos meses. No geral, foram gastos R$ 238 milhões a menos no ano passado - corte de 19,6% -, de R$ 1,2 bilhão, em 2010, para R$ 989 milhões em 2011.

O orçamento também foi reduzido no período, em cerca de R$ 47 milhões. A empresa diz que enfrentou dificuldades para investir a verba no ano passado, mas diz que os recursos estão empenhados, e serão gastos.

Só neste ano, ocorreram seis falhas. A Linha 9-Esmeralda foi a que registrou a maior queda porcentual: 38,6%. O ramal recebeu R$ 121,3 milhões no ano passado, ante R$ 202,7 milhões nos 12 meses anteriores. No dia 16 de fevereiro, foi lá que um trem descarrilou, interrompendo o transporte por quase oito horas.

Um dia antes, 38 passageiros ficaram feridos em uma colisão na Linha 7-Rubi, cuja redução foi de 36,7%. Em 2010, foram investidos R$ 140,1 milhões no ramal, ante R$ 88,6 milhões no ano passado. O quadro se repete na Linha 12-Safira, cujo corte foi de 29%. Na quarta-feira, uma falha no sistema de tração dos trens levou passageiros a caminhar pelos trilhos. A única que escapou foi a Linha 8-Diamante, que obteve uma pequena alta, de 1,3%.

A redução de investimentos prejudica diretamente a reconstrução de estações na Grande São Paulo. Apenas três devem ser entregues até o fim do ano: Osasco, na Linha 8-Diamante, Francisco Morato, na Linha 7-Rubi, e São Miguel Paulista, na Linha 12-Safira. Todas já deveriam estar prontas.

Suzano, na Linha 11-Coral, enfrenta o mesmo problema. A nova estação, esperada para este ano, só ficará pronta em meados de 2013. Em Ferraz de Vasconcelos, na mesma linha, o serviço chegou a ser paralisado por dois anos, e criou um conflito político. A prefeitura decidiu multar a CPTM em R$ 25 mil por problemas decorrentes do atraso, como a duplicação da principal avenida, que precisou ser adiada.

Por causa da demora na conclusão dos projetos, os acessos às estações em reforma foram dificultados. Passarelas improvisadas aumentam o tempo do deslocamento dos passageiros e prejudicam o transporte de portadores de deficiência. Agora, a previsão é correr com as obras, "para finalizar antes de 2014".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

READ MORE - Governo de São Paulo investe menos em linhas da CPTM

Terminais de ônibus de Jundiaí oferecem internet Wi-Fi

O prefeito Miguel Haddad anunciou o lançamento do projeto Jundiaí Digital, que vai oferecer wi-fi aos parques e terminais de ônibus da cidade.

O lançamento aconteceu no Parque da Cidade, um dos locais em que a tecnologia de comunicação sem fios estará disponível a partir de agora.
Com o wi-fi (ou wereless), o cidadão poderá levar seu lap-top, ipad, iphone, celular e acessar a internet sem custo ali.

Os outros parques que devem integrar o programa (não houve confirmação ainda) são o da Uva, Corrupira, Jardim Botânico e Botânico do Eloy Chaves. Os terminais do Situ (Sistema Integrado de Transporte Urbano) são o  Central, Eloy, Colônia, Cecap, Hortolândia, Vila Arens e Vila Rami.

Ano passado, Jundiaí recebeu uma premiação na área de tecnologia. Foi a 1ª colocada no Estado de São Paulo e a 5ª no ranking nacional no Índice Brasil de Cidades Digitais, um certificado oferecido pelo CPqD (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações), de Campinas, em parceria com a Momento Editorial. Pela ordem, figuraram no ranking  Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Vitória (ES) e Ibirapuitã (RS), que empatou com Jundiaí em 5º.

O que é
Wi-fi - Se você esteve ultimamente em um aeroporto ou hotel e usou a internet,  provavelmente o tenha feito por  rede sem fio. Muitas pessoas usam o wi-fi ou rede 802.11 para conectar seus computadores. Muitas cidades também oferecem a tecnologia para fornecer acesso de baixo custo à Internet aos seus moradores. No futuro, a conexão sem fio pode se tornar algo tão corriqueiro  que você  poderá entrar na internet em qualquer lugar e hora sem usar fios.


READ MORE - Terminais de ônibus de Jundiaí oferecem internet Wi-Fi

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960