'Falta de ferrovias é um atestado de burrice', afirma Alexandre Garcia

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

A falta de ferrovias é um atestado de burrice estratégica de uma sucessão de governos. Um país de dimensões continentais, com distâncias de até quatro mil quilômetros, não ter trem é algo incompreensível, concentrar-se no transporte a conta-gotas, sobre pneus. Um país tão rico que se dá ao luxo de jogar trens e ferrovias no lixo.

Justamente o trem que falta para o país transportar sua riqueza maior, que são as pessoas, mas também as demais riquezas, as que vêm da terra e das fábricas. Quando começou a opção rodoviária, para estimular a indústria automobilística, também começou a decadência da ferrovia. E se esvaziaram as estações ferroviárias, tão populares que eram chamadas apenas de estações.

Nas cidades européias, a estação de trem, acessível dentro do centro urbano, é o principal lugar de entrada e saída. Aqui, as estações ou foram demolidas ou viraram ruínas e umas poucas se converteram em centros culturais ou museus de um passado mais racional que o presente (Video).

O último trem é testemunho de um transporte seguro, confortável, divertido, embora com a lentidão do passado. O último trem ‘bão’ tinha que ser de Minas. Que ele seja a semente de uma ressurreição, porque o trem não será concorrente do ônibus ou do avião, mas um alívio para aeroportos e estradas abarrotados. Como tudo no país da imprevisão, é preciso chegar ao último trem, ao fundo do poço, para depois tentar se levantar, quando fica bem difícil.

Informações: G1.globo.com/Bom Dia Brasil

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

1 comentários:

Anônimo disse...

Rodovia e aeroportos sobrecarregados sim.Não precisa ter trem rodando na extensão de 4000 quilometro.Absurdo, não dá pra compreender em feriado prolongado o paulistano fica dentro de um automovel até oito horas para rodar os 60 quilometro até Santos.KD o trem São Paulo-Santos ? Porque parou?
Marcos Ribeiro

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960