Aracaju terá 100 km de ciclovias em 2012

terça-feira, 26 de julho de 2011

Mais de três anos se passaram desde que Aracaju conquistou o título nacional da ‘Capital da Qualidade de Vida´. Na época, o título, baseado no ranking realizado pelo Ministério da Saúde, foi concedido à cidade por apresentar os melhores índices de hábitos saudáveis entre a população, atrelado às iniciativas do poder público no estímulo à adoção desses hábitos, a exemplo do projeto Academia da Cidade e a grande extensão da malha cicloviária.

De lá para cá, ambas as iniciativas da Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA) foram ampliadas com o objetivo de atender o maior número de pessoas possíveis. A Academia da Cidade atua em 16 pólos e serve como modelo de referência para o programa nacional ‘Academia da Saúde´. Já a malha cicloviária aumentou vertiginosamente ao longo dos anos, passando de 40 km, em 2008, para quase 100 Km de extensão até o próximo ano.

Se comparada à cidade do Rio de Janeiro, considerada a segunda cidade da América Latina com a maior malha cicloviária, Aracaju deve se orgulhar por ser a capital brasileira com a maior faixa cicloviária proporcional ao número de habitantes. Afinal, se na Cidade Maravilhosa existe 200 Km de ciclovias para mais de seis milhões de habitantes, ocupando um espaço de 43.696.054 Km², a Capital da Qualidade de Vida possuirá quase 100Km de ciclovias para, aproximadamente, 600 mil pessoas ocupando uma área total de 181,8 Km².
Interligação

Vários pontos da cidade serão contemplados com o projeto de ampliação e reestruturação de ciclovias, já que a intenção é que estas novas vias sirvam tanto para a locomoção de quem vai ao trabalho, como para a prática esportiva e atividade de lazer. Mais de 21 Km de ciclovias serão construídas nas principais ruas e avenidas da cidade. Os investimentos do projeto, com apoio do Governo Federal, já estão calculados em mais de R$ 4,5 milhões. A Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb) está em processo de contratação da empresa responsável pela execução da obra.

O traçado do projeto básico já foi finalizado e a Emurb está em processo de contratação da empresa que fará a elaboração do projeto executivo de todas as ciclovias propostas. Após a contratação dessa empresa e a elaboração do projeto, será realizada a construção dessas novas ciclovias. O objetivo é dar continuidade ao projeto básico de ciclovias que já conta com cerca de 70Km de extensão, diz assessora do Departamento de Planejamento e Sistema da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), Sheila Santos.
Novas faixas

As novas ciclovias foram posicionadas estrategicamente nas avenidas e ruas mais movimentadas, proporcionando mais conforto e segurança aos usuários. As vias mais utilizadas, como a Heráclito Rollemberg, Tancredo Neves e Avenida Beira Mar, terão corredores que ligarão as faixas já existentes com as novas construídas. Nos trechos da Avenida Oceânica e Avenida Principal do Conjunto Santa Maria, novas faixas serão completamente erguidas. Já na Avenida Beira Mar e Treze de Julho, as pistas serão readequadas e devidamente sinalizadas como forma de evitar a possibilidade de quaisquer tipos de acidentes.

Em várias avenidas e ruas da cidade, os ciclistas disputam espaço com os veículos ou com os pedestres das calçadas. Por isso, antes de apontar quais vias seriam contempladas com as novas ciclovias, foram realizados estudos prévios sobre como será feita essas interligações e novas construções. O objetivo é estudar novos corredores de circulação da cidade e, no caso, a inclusão de novas ciclovias se constitui como rotas alternativas de mobilidade. Existem locais com grande necessidade de construção de ciclovias, mas hoje há limitação técnica devido a largura insuficiente do passeio e as pistas de ciclovias são padronizadas com duas faixas de rolamento. Mas ainda assim,  esses locais foram considerados e analisados para a inserção desses espaços, esclarece Sheila.
Intermunicipal

O acesso às cidades de São Cristóvão e Nossa Senhora do Socorro serão facilitados a partir da interligação com as ciclovias entre esses municípios. A construção de trechos cicloviários até os pontos de intersecção entre essas localidades também servirá para estimular a ampliação a das ciclovias pertencentes às cidades vizinhas. É uma forma de incentivo para que outras prefeituras ampliem suas linhas cicloviárias e, consequentemente, interligá-las com as de Aracaju. Além disso, até o próprio Governo pode dar continuidade ao projeto de construção das ciclovias posicionadas nas rodovias gerenciadas pelo Estado, afirma o superintendente da SMTT, Antônio Samarone.
ONGs

Luciano Aranha, Waldson Costa e Túlio Basílio são ciclistas e ativistas de Organizações Não Governamentais (ONGs) que estimulam o uso da bicicleta pelos moradores da capital. O superintendente da SMTT, Antônio Samarone, apresentou aos três o pré-projeto de interligação da ciclovias e pediu críticas e opiniões a respeito.
Para atender aos anseios do usuário, o superintendente reforça a necessidade da relação saudável com movimentos organizados civilizados como a ONG Ciclo Urbano. Por isso que vamos ouvir vocês, porque conhecem o dia a dia compassado dos ciclistas, têm essa visão direcionada que nos ajudará a readequar e adaptar o projeto para as reais necessidades.
Avanço

O estímulo a novas alternativas de mobilidade urbana e práticas de atividades físicas são apontados como os principais pontos positivos do uso da bicicleta. Aliado a esses fatores, a bicicleta é um veículo não poluente, não causa gastos de combustível aos seus usuários e não oferece riscos de engarrafamento ou afogamento do trânsito. Segundo o presidente da ONG Ciclo Urbano, Luciano Aranha, a possibilidade de engrossar ainda mais a malha cicloviária do município ajuda a incentivar a busca por novos adeptos do meio.

Dentre os veículos de transporte, a bicicleta é um meio democrático por não necessitar de grandes custos de manutenção e a sua aquisição é barata para os usuários. A construção de novas ciclovias e a ligação com faixas já existentes estimula o surgimento de novos adeptos que, muitas vezes, deixam de utilizar o transporte por falta de locais adequados para a prática. Sem contar com os trabalhadores que usam a bicicleta para se locomover de casa até o trabalho e, com certeza, serão os grandes beneficiados com esse projeto, diz Luciano.  

Fonte: FAXAJU

Share |

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960