Linha do Metrô de Porto Alegre irá da Borges de Medeiros à sede da Fiergs

terça-feira, 29 de março de 2011

O prefeito José Fortunati apresentou hoje, 28, o projeto e o cadastramento da proposta do Metrô de Porto Alegre no Programa de Aceleração do Crescimento II (PAC) da Mobilidade Urbana das Grandes Cidades. Orçado em R$ 2,4 bilhões, o projeto deve ser executado com recursos do PAC. O Governo federal disponibiliza R$18 milhões para as obras de mobilidade urbana.

A contrapartida do Governo do Estado é a isenção do ICMS para os trens e para a obra de construção dos túneis. O traçado da fase 1 do Metrô vai da avenida Borges de Medeiros (extensão rua da Praia) até a Avenida Assis Brasil, com extensão de 14,88 quilômetros. O Metrô será subterrâneo, do tipo Cut and Cover, onde se utiliza o método de construção de túneis rasos com abertura das trincheiras. Ele passará por baixo dos corredores de ônibus da Farrapos e da Assis Brasil até o Terminal Triângulo, depois seguirá a partir de uma elevada até a sede da Fiergs.

O gerenciamento do projeto será da prefeitura e a operação será por concessão. A passagem do Metrô será igual a do ônibus urbano. O projeto será integrado com o sistema de transporte coletivo da cidade, com o pagamento de uma única passagem. "Essa modelagem que estamos apresentando foi desenvolvida com muita cautela. Trabalhamos em parceria com Curitiba e Belo Horizonte.

O projeto contempla estudos técnicos de acordo com os parâmetros exigidos pelo Ministério das Cidades. Apostamos que nossa proposta esteja incluída entre as obras do PAC de Mobilidade Urbana, garantindo o início da construção do Metrô a partir do final de 2012", destacou Fortunati.

O representante do Governo do Estado, secretário de Planejamento João Motta,
entregou ao prefeito um documento de apoio ao metrô manifestando o compromisso do Estado em conceder as isenções fiscais para a execução do Metrô, além de solicitar algumas diretrizes como a preferência por contratação de empresas gaúchas para a concessão, integração da região metropolitana e a participação do Estado nos licenciamentos ambientais.

Modelagem financeira - O projeto total tem custo estimado em R$ 2,4 bilhões.
Com as isenções fiscais estaduais e municipais, o valor reduz para R$ 2,2 bilhões. A prefeitura solicitará R$1, 58 bilhão do Orçamento da União. A contraprestação da prefeitura será de R$ 300 milhões, na fase de operação do projeto, dividida em 15 anos. Além disso, no valor total estão inseridos R$ 323 milhões, que serão financiados pelo futuro concessionário.

O cadastramento da proposta deve ser feito até 3 de abril no site do Ministério das Cidades. A seleção dos projetos contemplados no PAC será anunciada dia 12 de junho. As propostas selecionadas têm até oito meses para a apresentação do projeto básico.

Implantação da 2ª fase - Na apresentação, o prefeito detalhou o traçado para a implantação da futura fase 2 do Metrô, que vai da avenida Borges de Medeiros até a avenida Bento Gonçalves (extensão Antônio de Carvalho), com extensão de 10,92 quilômetros.


0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960