Começam a circular na Grande Cuiabá coletivos sem a figura do cobrador

quarta-feira, 30 de março de 2011

Linhas do transporte público urbano consideradas rápidas e com pouco número de passageiros, especialmente os que pagam com dinheiro, estão funcionando sem a presença do tradicional cobrador de ônibus em Cuiabá e Várzea Grande. A mudança é possível a partir do uso do cartão transporte, mas causa polêmica, pois pode vir a gerar desemprego, conforme prevê o sindicato dos trabalhadores que atuam no transporte coletivo local. E isso também significa o motorista ter que receber a passagem e ainda dar troco, quando necessário.

Na Capital, a experiência já ocorre em seis linhas, entre elas uma expressa, que sai do terminal do CPA III e vai até o Centro, e as alimentadoras que atendem Barreiro Branco, Sucuri e outra que fica na região do Alto da Glória. Já na Cidade Industrial seriam pelo menos oito linhas sem cobrador, conforme o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Urbano, Ledevino da Conceição. Entre elas estão a as alimentadoras da Sadia, Limpo Grande e Bonsucesso. “São linhas curtas e com poucos usuários”.

A grande preocupação do Stett é quanto ao fato da iniciativa gerar desempregos. Por isso, conforme Conceição, em fevereiro passado foi feito um adendo ao acordo coletivo da categoria firmado em 2010. Esse acréscimo busca resguardar a categoria prevendo a estabilidade por um período de 13 meses. “O sindicato está acompanhando essa mudança, que precisa ser feita com cautela para não causar transtornos para os trabalhadores ou para a população”, disse.

Além disso, os profissionais dos carros que deixaram de ter cobradores passaram por cursos de capacitação e foram promovidos. Já os motoristas, que passarão a receber o dinheiro da passagem, vão ganhar comissão que vai de 5% a 10% sob o salário hoje de R$ 1.345.

A figura do cobrador não existe mais em municípios mato-grossenses como Rondonópolis e Sinop e em cidades como Campo Grande (MS) e Goiânia (GO). “Esta é uma situação que vai acontecer gradativamente e conforme o usuário for adquirindo o cartão transporte. Hoje, ainda há muitos usuários pagantes”, frisou. Como são linhas curtas e rápidas, tanto Ledevino Conceição como o diretor de Transportes de Cuiabá, Gabriel Muller, afirmam que a iniciativa não tem gerado transtornos para os motoristas, que além de responsáveis pela condução correta do veículo, também terão que ficar ligados nas pessoas que passam pela catraca.

Conforme Muller, na linha expressa do CPA III/Centro o motorista não cobra, já que os passageiros pagam antes para entrar no terminal e ônibus só para o desembarque das pessoas. Situação semelhante ocorre nas demais linhas. “São linhas que não tem muita demanda e com pouco movimento. No caso do CPA, o pessoal embarca no terminal e o motorista não pega mais ninguém”, afiançou. Na Capital, aproximadamente 200 mil pessoas utilizam o transporte coletivo diariamente. A estimativa é que metade (50%) use o cartão.

Fonte: 




Diário de Cuiabá

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960