Linhas do transporte coletivo estão superlotadas em Maringá

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Uma em cada dez linhas do transporte coletivo urbano de Maringá trafega com a lotação acima do ideal. Em alguns casos, os ônibus transportam mais passageiros do que a capacidade. A constatação é de uma pesquisa feita pela Secretaria de Transportes (Setran), como diagnóstico para a licitação do sistema.
São sete linhas, do total de 71, com índice superior a 95% de ocupação no horário de pico - entre 6h45 e 7h44. A linha mais crítica é a 021 - Avenida Tuiuti -, que chega a 101% da capacidade dos carros durante o período de maior demanda.
"Tem horas que você não consegue se mexer. Com a volta das aulas é pior ainda, porque fica cheio de mochilas", diz a zeladora Ivone Martins. Ela desce no último ponto da 021, no Conjunto Champagnat. De acordo com a própria Setran, o aceitável seria uma lotação de 95%.
As outras seis linhas que estão acima do que a Setran entende como ideal são: a 009 - Interbairros; 205 - Thermas; e a 323A - Jardim Bertioga, com 99% da capacidade. A 040 - AABB circula com 97%; enquanto que a 427 - Cerro Azul e a 137 - Hermann Moraes Barros trafegam com 96% da lotação indicada.
Os números da superlotação são de conhecimento dos técnicos da Setran ao menos desde junho do ano passado, data da realização do levantamento. Mas os dados só se tornaram públicos este mês, com a publicação do edital de licitação do transporte coletivo - eles ocupam duas, das 523 páginas do edital.
O diretor da Transporte Coletivo Cidade Canção, Roberto Jacomelli, lembra que a responsabilidade por estabelecer a prioridade e o destino das linhas é da Setran. "Se for constatada uma sobrecarga é a prefeitura quem determina o uso de mais carros", alega.
Apesar do estudo apontando a sobrecarga há oito meses, nada mudou até o início da noite de sexta-feira. O gerente de Transporte Coletivo da Setran, Mauro Menegazzo, comenta que a licitação, programada para março, visa a resolver o problema. Solução antes que uma nova empresa, ou a mesma, receba a concessão pelos próximos vinte anos é improvável. "É um quebra-cabeça a ser montado, porque temos que checar a frota disponível", diz.
Desinformação
Quem usa o terminal urbano com pouca frequência fica desorientado ao buscar informações sobre o itinerário e os horários dos coletivos. A saída é recorrer aos passageiros e motoristas para descobrir o destino das linhas que partem do Centro rumo aos bairros. As placas indicativas instaladas no local são confusas e falta um mapa ou outro elemento gráfico para mostrar os trajetos.
"Aqui você nem sabe que circular vai parar", diz a auxiliar de serviços gerais Fabiana Cristina, apontando para onde ficava a placa da 021, a linha mais sobrecarregada da cidade.
Fabiana diz que a placa foi removida no ano passado. A reportagem constatou que os parafusos que restaram no chão enferrujaram. A placa tinha os horários da 021, que passa longe de ser pontual.
O relógio marcava 18h09 e o ônibus, que devia chegar às 18 horas, estava atrasado. Apareceu 15 minutos após o horário. A prefeitura também espera resolver os problemas de pontualidade por meio da licitação.
A falta de entusiasmo da população com o transporte coletivo de Maringá não é novidade. Em fevereiro de 2007, um relatório enviado pela Prefeitura de Maringá ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) apontou que o índice de satisfação dos usuários era de 35%.
O relatório enviado à sede do BID, em Nova Iorque, foi elaborado para que o município conseguisse o empréstimo de US$ 13 milhões - aprovado ano passado - para as obras de melhorias no trânsito da cidade, como a criação de corredores preferenciais para ônibus e a construção de novos terminais. Soluções que, assim como a licitação do transporte, devem começar a aparecer neste ano, avalia o governo municipal.

Embarques
2.900.000 é a quantidade de passageiros transportados, por mês, pela TCCC, em Maringá
125.000 é o número de pessoas transportadas por dia útil, nas linhas da cidade
18.935 pessoas usam o serviço da TCCC no horário de pico, das 6h45 às 7h44


0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960