Absurdo, Prefeitura de São Paulo não investirá em ciclovias

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Ciclista Pedalando em avenida movimentada
O discurso já foi ouvido milhares de vezes: bicicleta é meio de transporte e São Paulo precisa de mais ciclovias e ciclofaixas para melhorar a mobilidade dos paulistanos. Mas se depender do planejamento da Prefeitura para 2011 as coisas não vão mudar tão fácil assim. Dos R$ 34,6 bilhões previstos no orçamento, apenas uma rubrica de R$ 1 milhão e outra de R$ 1 mil são para a infraestrutura cicloviária da cidade.

Essa é a primeira vez que existem dotações específicas para bicicletas no orçamento municipal. Mas os investimentos de R$ 1 milhão e R$ 1 mil correspondem somente a 0,09% do total a ser gasto pela Secretaria de Transportes (R$ 1.152.192. 088,00).

Segundo especialistas, o valor seria insuficiente até para realizar estudos e construir uma ciclovia de comprimento maior que 5 km, por exemplo.

Além disso, chama a atenção o fato de que R$ 1 milhão - ou seja, praticamente toda a verba - está previsto para ser utilizado pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, que é responsável pela construção de ciclovias em parques e em áreas de lazer. Apenas um valor simbólico de R$ 1 mil está previsto para ser gasto com esses projetos na Secretaria de Transportes, responsável pelas obras em avenidas e ruas visando a melhorar a mobilidade urbana.

No ano passado, o Pró-Ciclista, grupo executivo da Prefeitura para estudar e promover melhoramentos cicloviários, havia sido transferido da Secretaria do Verde para a pasta de Transportes, justamente para simbolizar uma mudança no modo de ver a bicicleta na atual administração. "Com essa mudança, a Prefeitura reafirma sua postura de dar à bicicleta o tratamento de um meio de transporte tão importante quanto os demais", diz o texto publicado no site oficial da Prefeitura na época.

Descaso. O resultado do baixo investimento em obras para bicicletas é que, apesar de a capital ter apenas 37,5 km de ciclovias, grande parte das promessas já feitas pela Prefeitura está atrasada - algumas ainda não têm nem projeto, mesmo após ter sido anunciadas há anos.

Esse é o caso das ciclovias das Avenidas Eliseu de Almeida, no Butantã, e Vereador José Diniz, em Santo Amaro, por exemplo (ver box ao lado).

Para Thiago Benicchio, diretor-geral da Associação Ciclocidade, o estágio atual das discussões sobre a importância das bicicletas é bom, mas ainda está muito distante o dia em que as propostas se tornem concretas.

"As dotações ainda são muito genéricas, parecem mais indicativas de desejo do que projetos bem estudados. Temos hoje um discurso favorável à bicicleta, mas que não se traduz em planejamento sério nem obras voltadas aos ciclistas", afirma.

Agenda 2012. Em nota, a Secretaria Municipal de Transportes informou que trabalha com os objetivos da Agenda 2012, programa de metas da Prefeitura que prevê 100 km de ciclovias e ciclofaixas até 2012.

A pasta informou que inaugurou, em parceria com o governo do Estado, 13 km de ciclovia na várzea do Rio Tietê e que todos os novos terminais de ônibus projetados pela Prefeitura contemplam bicicletários.
A pasta não respondeu em qual obra será gasto o R$ 1 milhão orçado para 2011.


AS OBRAS
Ciclovia da Avenida Eliseu de Almeida - Butantã
Com 15 km, projeto ainda não está pronto e não há prazos
Ciclovia da Inajar de Souza - Freguesia do Ó
Ainda falta a sinalização. Está fechada ao público. Tem 7 km
Ciclovia da Vereador José Diniz - Santo Amaro
Projeto de via de 6 km ainda não está pronto e não há prazos
Sistema cicloviário dos bairros Jardim Helena, Jardim Brasil e Grajaú/Cocaia
Com 55 km, licitação está sendo preparada
Ciclovia da Guarapiranga Projeto prevê via de 12 km. Licitação para trecho foi iniciada em setembro

Fonte: Estadão

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960