Curitiba: Licitação do transporte coletivo ainda não muda o preço da tarifa

terça-feira, 10 de agosto de 2010


Foi homologada ontem, pelo prefeito Luciano Ducci, a primeira licitação do transporte coletivo de Curitiba. Ela foi vencida pelos consórcios Pontual, Transbus e Pioneiro, que totalizam onze empresas, sendo muitas delas já atuantes no sistema de transporte da cidade.
Em relação à tarifa, o presidente da Urbanização de Curitiba S.A (Urbs), Marcos Isfer, diz que, de imediato, não devem ser feitas alterações. Porém, a licitação deve possibilitar que ela pese cada vez menos no bolso do usuário.
Atualmente, ela é influenciada pela quantidade de quilômetros rodados. Com as mudanças, passará a ser considerada a quilometragem vezes o número de passageiros.
“Isto vai permitir uma melhor otimização do sistema, que hoje considera seis passageiros por quilômetro quadrado dentro dos ônibus”. A assinatura do contrato com as empresas deve ocorrer dentro de trinta dias. Depois, serão mais cerca de noventa dias para que as operações tenham início. A licitação é resultado de um processo que começou em janeiro de 2005, quando foi criada a Comissão de Estudos Tarifários.

Foi licitada a operação de 302 linhas (250 do sistema principal e 52 complementares), que abrangem todas as categorias de transporte, como ônibus convencionais, ligeirinho, ligeirão, interbairros, interhospitais e linha turismo. A concessão onerosa é de R$ 252 milhões e o prazo de concessão é de quinze anos, “renovável por mais dez desde que sejam feitos investimentos relevantes em bens reversíveis ao sistema”, que conta com 21 terminais e 315 estações-tubo.

Em dias úteis, é previsto o atendimento de 1.836.704 passageiros, com uma frota operante de 1.399 ônibus.“É a primeira vez que o transporte coletivo de Curitiba é licitado, o que aconteceu dentro de um processo de total transparência dos contratos e com participação da sociedade”, declarou Ducci. “A licitação trará diversos benefícios ao sistema de transporte coletivo de Curitiba, melhorando sua qualidade”.

Serão obrigações das empresas a melhoria da velocidade média operacional dos veículos, do conforto, capacitação de funcionários e investimentos em inovações tecnológicas. Até 2012, elas terão que providenciar para que 10% da frota rode com 100% de biocombustível.

Até 2014, todos os veículos vão ter que possibilitar acessibilidade. Além disso, haverá seguro para todos os usuários; serão implantados dois ônibus por regional para atender pessoas com dificuldades maiores de locomoção (como enfermos, pessoas com necessidades especiais e obesos mórbidos); e implantados sistemas de segurança e bilhetagem que diminuam evasão de receitas, que hoje representa cerca de 5% do sistema é gerada, por exemplo, por pessoas que pulam catracas e fraudes em terminais.

Frota

Após o final do processo licitatório, a prefeitura também deve aumentar a frota de ônibus em atividade, sendo colocados mais cem veículos em circulação. A ideia é que os ônibus sejam novos e que, desta forma, gerem economia com serviços de manutenção. O sistema de transporte coletivo da capital funciona há 57 anos.



0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960